Revista Colaborativa Rio Claro Online Contato WhatsApp: +55 19 99646.5260 | 3597.0881 contato@rioclaroonline.com.br


tentativa-suicidio-rioclaro-sp
24 de fevereiro de 2020

Guarda Civil Municipal atende ocorrência por tentativa de suicídio em Rio Claro


Na manhã dessa segunda-feira (24), por volta das 9h40, a Guarda Civil Municipal de Rio Claro/SP foi acionada pela Unidade do SAMU.

 

Segundo informações, um indivíduo atentou contra a sua própria vida, através de tentativa de enforcamento no Bairro Arco Irís.

 

A companheira do rapaz foi procurá-lo, um rapaz de 21 anos, para ajudá-la nos afazeres domésticos, quando viu o mesmo pendurado com uma coleira de cachorro em um caibro no fundo da residência.

 

A mulher tentou socorrê-lo porém não conseguiu e pediu ajuda a um vizinho o qual cortou a coleira e chamou ajuda.

 

No local compareceu uma Unidade do SAMU bem como a presença da viatura 742 da Guarda Civil Municipal GGMs Servidoni e Caparrotti.

 

O rapaz foi socorrido, mas se encontra em estado grave na Santa Casa de Rio Claro/SP.

 

A ocorrência foi apresentada no Plantão Policial onde a autoridade responsável registrou os acontecimentos.

 

Fonte: Guarda Civil Municipal


quadrilha-pedofilia-brasil-2020
23 de fevereiro de 2020

Operação combate pornografia infantil no Brasil e em mais quatro países


Busca é por arquivos com conteúdo de crimes de exploração sexual praticados contra menores de idade. Policiais tentam cumprir 112 mandados em 12 estados brasileiros e na Colômbia, nos Estados Unidos, no Paraguai e no Panamá.

 

38 pessoas são presas sob suspeita de exploração sexual de menores

 

Policiais de 12 estados do Brasil e de mais quatro países começaram a cumprir na manhã desta terça-feira (18) 112 mandados de busca e apreensão, na sexta fase da Operação Luz na Infância. O objetivo é combater a pornografia infantil e a exploração sexual de crianças e adolescentes.

 

Segundo o último balanço divulgado pela operação, no fim da tarde de quarta (19), 43 suspeitos haviam sido presos em flagrante no país e 187 mil arquivos foram levados para análise. Outras quatro pessoas foram detidas no exterior (veja abaixo detalhes por estado).

 

A força-tarefa, coordenada pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública, busca materiais com conteúdo relacionado ao crime de exploração sexual praticado contra menores de idade. Ao todo, 579 agentes estão nas ruas.

 

As agências de aplicação da lei da Colômbia, Estados Unidos, Paraguai e Panamá também cumprem mandados de busca e apreensão.

 

A operação desta terça (18) é executada pela Polícia Civil dos seguintes estados:

Santa Catarina – 9 presos
São Paulo (Limeira) – 19 presos
Rio Grande do Sul – 1 preso
Rio de Janeiro
Piauí
Paraná – 6 presos
Mato Grosso do Sul – 4 presos
Mato Grosso – 1 preso
Goiás – 1 preso
Ceará – 2 presos
Acre
Alagoas

 
Além do Brasil, a realização foi realizada também nos seguintes países:

 

Colômbia – não houve prisão;
Equador – foi preso um cidadão norte-americano residente;
Panamá – foram presos um funcionário de operação de uma companhia aérea e um funcionário de agência do governo;
Paraguai – foi preso um cidadão argentino residente;
Estados Unidos – segue em diligências;

 

Em coletiva à imprensa, o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Luiz Pontel, explicou que o material apreendido na operação vai ajudar a aprofundar as apurações.

 

“Nas buscas, a gente acaba recolhendo mais material que vai ser objeto de análise e muito provavelmente ampliarão nosso leque. A partir daí, serão feitas novas investigações”, disse.

 

O coordenador do laboratório de operações cibernéticas da PF, Alesandro Barreto, destacou a importância das denúncias para o trabalho policial.

 

“A questão da denúncia é muito importante. Investigar hoje, vou usar o sentido figurativo, é um mosaico. É preciso juntar peças. Você pega informações em várias direções, você consegue juntar isso e atribuir autoria e materialidade delitiva. É importante. Denuncie nas delegacias de polícia mais próximas, aos canais de denúncias e plataformas”, afirmou.

 

As penas para os crimes investigados variam de 1 a 8 anos de prisão. Quem armazena material de pornografia infantil tem pena de 1 a 4 anos de prisão. Para quem compartilha, a pena é de 3 a 6 anos de prisão. A punição para quem produz esse tipo de material é de 4 a 8 anos de prisão.

 

Veja os balanços das fases anteriores da Operação Luz na Infância:
Luz na Infância 1: Realizada em 20 de outubro de 2017, cumpriu 157 mandados de busca e apreensão. Foram presas 108 pessoas.
Luz na Infância 2: Realizada em 17 de maio de 2018, cumpriu 579 mandados de busca e apreensão. Foram presas 251 pessoas.
Luz na Infância 3: Realizada em 22 de novembro de 2018, cumpriu 110 mandados de busca e apreensão no Brasil e na Argentina. Foram presas 46 pessoas pela Polícia Civil.
Luz na Infância 4: Realizada em 28 de março de 2019, cumpriu 266 mandados de busca e apreensão. Foram presas 141 pessoas.
Luz na Infância 5: Realizada em 04 de setembro de 2019, cumpriu 105 mandados de busca e apreensão. Foram presas 51 pessoas. Além do Brasil, a operação foi realizada nos Estados Unidos, Equador, El Salvador, Panamá, Paraguai e Chile.

 

Como prevenir a exploração sexual contra crianças e adolescentes

 

Veja recomendações do Ministério da Justiça e Segurança Pública para a prevenção de crimes de pornografia infantil e de exploração sexual contra crianças e adolescentes:

 

Denúncia: diante da suspeita de algum comportamento inadequado, a família deve denunciar na polícia, procurar ajuda de profissionais da área e utilizar canais de denúncia das redes sociais para reportar eventuais crimes ou irregularidades.

 

Controle parental: acompanhar o que crianças e adolescentes fazem no ambiente online. Há aplicativos e programas que permitem controlar que tipo de sites as crianças acessam, e em qual horário.

 

Orientação em casa: saber e explicar como as ferramentas e as redes sociais funcionam, o tipo de informação que retêm e como as pessoas ficam expostas.

 

Privacidade: verificar configurações de privacidade de redes sociais, para não deixar crianças expostas com localização identificadora de residência e outras informações pessoais.

 

Atenção com estranhos: a preocupação para que as crianças não falem com estranhos na rua tem de ser estendida para a vida online, alerta o ministério.

 

 

Com informações do G1

Foto: Polícia Militar


policia-corpo-encontrado-rio-claro-sp
23 de fevereiro de 2020

Polícia Militar localiza cadáver com vestimentas femininas em Rio Claro


Na tarde da última quinta-feira (20) na cidade de Rio Claro/SP, Policiais Militares da 1º Companhia do Trigésimo Sétimo Batalhão encontraram um corpo com vestimentas femininas no Bairro Figueira.

 

A decomposição já estava em estágio avançado.

 

Durante patrulhamento pelo Bairro um denunciante informou a equipe que havia encontrado uma ossada humana em uma área de mata.

 

No local os policiais constataram a ossada humana, não tendo condições de identificar o sexo com exatidão no momento.

 

A Polícia Técnica Científica compareceu no local para averiguação dos fatos.

 

Segundo informações de munícipies, uma moça estava desaparecida e a mãe estava a sua procura através das redes sociais.

 

Até o momento ninguém foi preso e não se tem maiores informações do caso.


assassinato-cao-facada-rioclaro-sp
23 de fevereiro de 2020

Homem é assassinado e cão leva facada na primeira noite de carnaval em Rio Claro


Na noite de sexta-feira (21), por volta das das 20h48, a equipe da Guarda Civil Municipal foi acionada para comparecer ao local de um homicídio e encontrou o corpo de um homem caído no chão, no endereço da Rua 18, Vila Verde, na cidade de Rio Claro/SP.

 

Segundo informações, a vítima de 41 anos, foi encontrada esfaqueada e sem vida, o cão tentou defender o dono e foi machucado também.

 

O corpo de I.A.S. foi encaminhado para o IML de Rio Claro.

 

A equipe da GCM socorreu o animal até um veterinário.


bandido-rioclaro-sp
23 de fevereiro de 2020

Bandido é detido pela GCM após furtar comércio em Rio Claro


Na madrugada desta sábado (22), por volta das 4h30, a Guarda Civil Municipal foi solicitada via CCOM, para comparecer em um estabelecimento comercial, na Rua 5, área central, onde segundo o solicitante, estaria ouvindo barulho e suspeitava que ainda havia alguém no interior da loja. De imediato, foi encaminhada para o local a viatura 412, com os GCM’S Andrade e De Paula, que constataram que a vidraça da loja estava quebrada, mas já não havia ninguém no interior da mesma.

 

A equipe então saiu em patrulhamento com vistas ao possível autor dos danos, e pela Avenida 2, bem próximo ao local, foi avistado J.C.C., de 34 anos, que ao ver a viatura, ficou apreensivo, e começou a andar apressadamente, motivo pelo qual foi abordado pela equipe. Em sua posse, haviam vários objetos, que provavelmente, eram da referida loja. O mesmo foi indagado, e acabou confessando o furto.

 

Novamente no local dos fatos, agora com o indivíduo, os objetos, e a proprietária da Tabacaria, a mesma reconheceu os objetos como realmente sendo de sua loja.

 

Diante dos fatos, as partes foram encaminhadas ao Plantão de Polícia, onde a Autoridade de Plantão registrou ocorrência de Furto Qualificado, conforme RO/GCM TALÃO N°2470/2020 e BO/PC N°1558/2020. Os objetos foram devolvidos a vítima, e o indivíduo permaneceu preso, a disposição da justiça.

 

Fonte: Guarda Civil Municipal


bolsonaro-2020
23 de fevereiro de 2020

Nassif diz que Bolsonaro ataca Inmetro para facilitar gasolina batizada


“A ofensiva de Bolsonaro contra o Inmetro visa facilitar a falsificação de combustíveis”, denuncia o jornalista. Mais cedo, Bolsonaro anunciou: “Implodi o Inmetro. Implodi. Mandei todo mundo embora”

 

Depois do anúncio de ‘implosão’ do Inmetro por Jair Bolsonaro neste sábado 22, o jornalista Luis Nassif apontou, em artigo no Jornal GGN, o provável motivo para a ação: facilitar o mercado de gasolina batizada.

 

“Há um conjunto de atividades clandestinas utilizadas por organizações criminosas ou pelo chamado lúmpem do empresariado. São os que exploram nichos como bingo, manicômios, clínicas psiquiátricas, escolas para deficientes e, no caso das milícias, transporte público, construções irregulares em áreas de preservação, venda de gatos e de gás, venda de proteção privada, adulteração de combustíveis e de cigarros”, escreve Nassif.

 

“O Inmetro é essencial para todas as exportações brasileiras, de industrializados ao agronegócio. Cabe a ele fiscalizar todos os laboratórios de certificação. E a certificação é peça essencial nas exportações. É através da certificação que o exportador sabe quais as especificações técnicas e legais de cada país para onde pretende exportar. É o certificado do Inmetro que assegurará sua entrada em economias avançadas, sem risco de barreiras técnicas no caminho. É a certificação que permite o fortalecimento das pequenas e médias empresas, para produzir componentes adequados para empresas maiores”, explica.

 

Mais cedo, Bolsonaro anunciou: “Implodi o Inmetro. Implodi. Mandei todo mundo embora. Por quê? Há poucos meses assinaram portaria para trocar tacógrafos. Em vez de ser o normal que está aí, inventaram um digital. Ele é aferido de dois em dois anos. Passaram para um. Mandei acabar com isso aí”. Segundo reportagem do Globo, Bolsonaro ainda criticou um plano do órgão para determinar a instalação de chips em todas as bombas de combustíveis no país para coibir fraudes.

 

Foto: Agência Brasil

Fonte: Brasil 247


edilasio
23 de fevereiro de 2020

Bolsonaro indica pastor e produtora de cinema cristão para a Ancine


O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) indicou o pastor Edilásio Barra e a produtora de cinema cristão Verônica Brendler para ocuparem cargos na diretoria da Agência Nacional do Cinema (Ancine). A escolha de Bolsonaro foi publicada nesta sexta-feira (21) no Diário Oficial da União.

 

Antes de serem nomeados, os dois indicados terão que passar por uma sabatina no Senado, que ainda não tem data prevista para acontecer.

 

O pastor Edilásio, mais conhecido como “Tutuca”, já ocupava o cargo de superintendente de Desenvolvimento Econômico na Ancine. Nos últimos anos, o pastor estreitou as suas relações com figuras do governo, inclusive com o próprio Bolsonaro, com quem gravou um vídeo há três anos e foi chamado pelo então deputado de “amigo”.

 

Ao longo da vida profissional, Edilásio percorreu caminhos na área religiosa e cultural. Em 1985, ele participou da novela Roque Santeiro, da TV Globo – produção estrelada por Regina Duarte, agora secretária de Cultura de Bolsonaro. Em 2011, ele fundou a Igreja Continental do Amor de Jesus, que não existe mais. Edilásio também grava vídeos para um canal no Youtube que possui pouco mais de 2 mil inscritos.

 

Em um vídeo publicado em março do ano passado ele comenta sobre a política brasileira e diz que é preciso “endireitar” o país. “Tiramos a esquerda do poder para a direita ter a oportunidade de endireitar esse país”, comenta no vídeo.

 

A produtora e cineasta Verônica possui um currículo com passagens na TV Globo, Record e SBT. Atualmente, ela coordena a equipe de comunicação do Festival de Cinema Cristão (FICC). A página oficial do festival descreve o evento como divulgador de filmes que” fomentam os valores da família, responsabilidade social, cidadania, acessibilidade, inclusão social e digital, sustentabilidade”.

 

Investigação de censura na Ancine

 

No ano passado, o Ministério Público Federal (MPF) do Rio de Janeiro entrou com uma ação civil contra o ministro da Cidadania Osmar Terra pela prática de ato de improbidade administrativa. O ministério apurou que a edição da Portaria no 1.576, de 20 de agosto de 2019, que suspendeu, “pelo prazo de 180 dias, prorrogável por igual período”, um edital para seleção de projetos audiovisuais que seriam veiculados nas TVs públicas foi motivada por “discriminação contra projetos com temática relacionada a lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e travestis – LGBT”.

 

O MPF também argumentou, na época, que os documentários “Sexo Reverso”, “Transversais”, “Afronte” e “Religare Queer”, foram “desmerecidos” por Bolsonaro em um vídeo publicado em agosto do ano passado.

 

Fonte: Congresso em Foco


igualdade-racial
23 de fevereiro de 2020

Sobre a luta que é de todos


Este texto é dirigido a todos que se intitulam progressistas, com toda a carga polissêmica, para não dizer fluida, que o termo possa ter. Vamos parar de atacar aqueles que apoiaram Jair Bolsonaro ou colaboraram para a sua eleição, mas que agora enxergam o quão intolerável é a sua permanência no cargo. Louvemos a disposição dessas pessoas em verbalizar arrependimento e indignação e de aderir à luta pela preservação das instituições e da democracia.

 

O protagonismo dessa luta, tão prioritária, não é de um único líder, de um único partido; não é da oposição, da esquerda, do centro ou da direita. São protagonistas dessa luta todas as pessoas que não querem ver o país sujeito aos desmandos de um homem desqualificado, irresponsável e descomprometido com os valores fundamentais do Estado de Direito.

 

Não reconhecer o bom combate de quem pensa diferente, neste momento, é cair na armadilha da desagregação e diminuir a potência daquela que pode ser a luta pela nossa sobrevivência e pela preservação dos nossos direitos mais elementares. Esta é uma luta que precisa unir progressistas, moderados e conservadores; liberais, ultradireitistas, socialistas e comunistas; coxinhas e mortadelas; isentões e anarquistas.

 

Para isso, alguns haverão de recuar, outros haverão de emergir. Nessa luta, não haverá espaço para vaidades nem para a construção de heróis ou mártires. Não haverá tempo para revisionismos, autocríticas ou julgamentos sumários entre os que terão se unido. Todos, em algum momento imperfeitos em suas escolhas, bandeiras ou estratégias, seremos apenas sobreviventes: aqueles que terão ficado no lado certo da história. E então, vencedores que seremos, estaremos fortes e prontos para retomar as batalhas que até aqui nos colocaram em lados diferentes. Com dignidade, coragem e caráter. Vamos à luta.

 

 

Por Gisele Rodrigues

Jornalista e Professora


ministerio
23 de fevereiro de 2020

Instaurado inquérito para prevenir poluição sonora durante evento em Rio Claro


Promotor pediu dados sobre respeito ao limite de decibéis.

 

O MPSP instaurou inquérito civil para verificar a regularidade da 2ª edição do evento “Rio Claro Rodeio Festival”, marcado para o período entre 11 a 21 de abril de 2020. O objetivo é prevenir o abuso de instrumentos sonoros, em defesa do sossego e bem-estar de quem mora nos bairros adjacentes ao Recinto de Exposições.

 

Na portaria, foi determinado aos organizadores do evento e à Prefeitura de Rio Claro que prestem os esclarecimentos necessários sobre os fatos, assim como a respeito de eventuais medidas a serem adotadas para impedir eventuais abusos ou irregularidades, inclusive para o respeito aos limites legais de decibéis tolerados.

 

Também foi oficiado ao presidente da Câmara Municipal para que fiscalize e controle a postura do Poder Executivo durante o festival, mediante procedimento formal próprio, prestando contas ao Ministério Público em 15 dias.

 

Segundo o promotor de Justiça Gilberto Camargo, responsável pelo inquérito, eventuais omissões do poder público poderão configurar atos de improbidade administrativa.

 

Fonte: Núcleo de Comunicação Social.
Ministério Público do Estado de São Paulo
Rua Riachuelo, 115 – São Paulo (SP)
comunicacao@mpsp.mp.br
Tel: (11) 3119-9027 / 9028 / 9031 / 9032 / 9039 / 9040 / 9095


MPF
24 de janeiro de 2020

MPF pede à Justiça Federal suspensão de Sisu, Fies e Prouni


O pedido é para que o calendário seja interrompido até realização de uma auditoria no resultado do Enem, sob pena de multa diária no valor de R$ 10 milhões.

 

Ministério Público Federal (MPF) pediu nesta sexta-feira (24) à Justiça Federal que determine a suspensão das inscrições e a consequente alteração dos calendários 2020 do Sistema de Seleção Unificada (SiSU), do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) e do Programa Universidade para Todos (Prouni). A solicitação foi feita por meio da Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão (PRDC) em Minas Gerais.

 

Caso as medidas sejam descumpridas, o MPF requereu que seja aplicada uma multa diária no valor de R$ 10 milhões.

 

O pedido é para que a suspensão seja aplicada até a realização de uma auditoria no resultado do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2019, sugerida por especialistas em avaliação educacional.

 

O pedido foi apresentado à Justiça Federal em uma ação civil pública contra a União e o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), responsável pela realização do Enem.

 

Também é solicitado que o Inep realize nova conferência dos gabaritos de todos os candidatos que compareceram ao Enem 2019, de forma a garantir a idoneidade, a correção do resultado do exame e a correspondência entre o gabarito utilizado e a prova realizada pelo candidato.

 

Na ação, é solicitada concessão de tutela de urgência, diante dos “danos irreversíveis” que podem ser causados aos estudantes — visto que as inscrições para o Sisu foram iniciadas na terça-feira (21) e devem seguir até domingo (26), com divulgação do resultado final agendada para o dia 28 de janeiro.

 

Para o MPF, a adoção da medida é essencial para assegurar a lisura e idoneidade do Exame Nacional do Ensino Médio, que neste ano contou com a participação de 3,9 milhões de candidatos.

 

“Além disso, a providência mostra-se indispensável em razão de o Enem ser utilizado como porta de acesso ao ensino superior em universidades públicas brasileiras, por meio do Sistema de Seleção Unificada (SiSU). Também se presta ao ingresso no ensino superior em instituições privadas, seja em substituição à prova de vestibular, seja por meio do Programa Universidade para Todos (ProUni), bem como para obtenção de financiamento através do Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (Fies). Também é utilizado para o acesso a algumas universidades no exterior, sendo uma política pública tão importante que chegou a substituir o vestibular em muitas universidades/faculdades brasileiras”, diz a ação.

 

De acordo com o MPF, o Ministério da Educação (MEC) e o Inep utilizaram parâmetro de amostragem para tentar identificar as inconsistências ocorridas, sem, todavia, considerar os 173 mil candidatos (número divulgado pelos próprios) que encaminharam e-mails apontando inconsistências em suas notas. “Não se podendo olvidar que esse número poderia ser bem maior, já que expressivo número de candidatos encaminharam seus pedidos a despeito da inexistência de comunicação oficial, do curto prazo e de se tratar de situação ocorrida em final de semana”, diz o documento.

 

Seis mil erros

 

No começo da semana, o MEC admitiu que cerca de 6 mil erros foram identificados em notas do Enem 2019. Além da falha inicial ocorrida na gráfica, também foram encontradas notas erradas provocadas por outras falhas, como na aplicação. Mesmo assim, o governo optou por manter o cronograma do Sisu.

 

Na ação, também há pedido para que a Justiça intime a União e o Inep para uma audiência de conciliação, com máxima urgência, e que pode contar com a participação de especialistas em avaliação educacional.

 

O MPF solicita, ainda, que seja apresentada resposta formal a todos os pedidos de correção/apuração feitos pelos estudantes, com eventual retificação da nota final e sua devida repercussão no conjunto global de candidatos, se for o caso.

 

No dia 22 de janeiro, a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão pediu para que a inscrição no Sisu fosse suspensa pelo governo federal, mas a recomendação não foi seguida.

 

Postura do MEC afronta defesa dos direitos, diz MPF

 

Para o MPF, a postura do MEC e do Inep em relação aos candidatos prejudicados afronta o disposto no artigo 12 da Lei 13.460/ 2017 (Código de Usuário do Serviço Público), que dispõe sobre participação, proteção e defesa dos direitos do usuário dos serviços públicos da administração pública.

 

“Como apurado pelo Ministério Público Federal, as requeridas descumpriram todos os incisos do parágrafo único da referida lei. Não emitiram comprovante ao e-mail pessoal dos candidatos, não analisaram todas as solicitações feitas, não houve decisão administrativa final e tampouco ciência ao usuário.”

 

O MPF destaca que os editais e regramentos do Enem devem ser entendidos como “leis” do exame e de tudo que ele representa, de modo que a própria legalidade também é descumprida quando não há o estrito cumprimento das regras pertinentes.

 

“Mais do que as inconsistências apuradas, a resposta do MEC e do Inep geram insegurança jurídica acerca do resultado do Enem 2019.”

 

A ação judicial aponta que as Salas de Atendimento ao Cidadão do MPF em todo o Brasil receberam quase 500 representações sobre problemas nos resultados do Enem. Em Minas Gerais, o MPF recebeu mais de 100 representações, a PRDC entrou em contato com vários desses estudantes que haviam buscado o órgão para atuar na questão e todos eles afirmaram não terem recebido devolutiva acerca dos recursos apresentados ao Inep (via e-mail) — os quais, inclusive, não foram identificados por nenhum protocolo, nem mesmo uma resposta automática.

 

Para o MPF o que está em jogo não é apenas o resultado do Enem 2019, mas a credibilidade e lisura dessa forma de acesso ao Ensino Superior.

 

“O bem jurídico sob tutela vai muito além do interesse imediato dos 3,9 milhões de alunos participantes do Enem 2019 — número que, por si só, já seria suficiente para que o MEC e o Inep tratassem a ocorrência de qualquer falha daquele exame com maiores cuidados e cautelas. Em verdade, a depender do tratamento que seja dispensado à apuração da extensão das ‘inconsistências’ e às consequências daí decorrentes é a credibilidade do maior instrumento de política educacional do Brasil que está em jogo, pois referido exame vem se afirmando, há mais de duas décadas, como o meio mais justo, adequado e legítimo de acesso ao ensino superior e avaliador do Ensino Médio no país”.

 

O MPF lembra ainda que o Enem é também o meio pelo qual o Estado avalia, anualmente, a qualidade do Ensino Médio e de seus alunos em todo o Brasil.

 

“Corresponde, portanto, a instrumento fundamental para estabelecer diagnósticos e traçar políticas públicas voltadas ao ensino médio. Nesse caso, abrange público jovem, ao qual a Constituição da República, o Estatuto da Criança e do Adolescente e o Estatuto da Juventude conferem absoluta prioridade pelo Estado, pela família e por toda a sociedade”, diz a ação.

 

 

Com informações UOL