Revista Colaborativa Rio Claro Online Contato WhatsApp: +55 19 9 9801.7240 | 3597.0881 contato@rioclaroonline.com.br


psicopata
7 de março de 2019

Pessoas como o meu filho conseguem manipular psicólogos com facilidade: um texto sobre psicopatas


Cinco milhões de brasileiros são incapazes de sentir emoções. Eles podem até matar sem culpa e estão incógnitos ao seu lado. Agora, a ciência começa a desvendá-los.

 

Tinha alguma coisa errada com o Guilherme. Desde quando era pequeno, 4 anos de idade, a mãe, Norma*, achava que ele não era uma criança normal. O guri não tinha apego a nada, era frio, não obedecia a ninguém. O problema ficou claro aos 9 anos. Guilherme, nome fictício de um rapaz do Guarujá, litoral de São Paulo, que hoje tem 28 anos, roubava os colegas da escola, os vizinhos e dinheiro em casa. Também passou a expressar uma enorme capacidade de fazer os outros acreditar no que inventava. Aos 18, o garoto conseguiu enganar uma construtora e comprar um apartamento fiado. “Quando um primo da mesma idade morreu de repente, ele só disse ‘que pena’ e continuou o que estava fazendo”, conta a mãe. Tinha alguma coisa errada com o Guilherme.

 

Em busca de uma solução, Norma passou 15 anos rodando com o filho entre psicólogos, psiquiatras, pediatras e até benzedeiros. Para todos, ele não passava de um garoto normal, com vontades e birras comuns. “Diziam que era mimo demais, que não soubemos impor limites.” Uma pista para o problema do filho só apareceu em 2004. A mãe leu uma entrevista sobre psicopatia e resolveu procurar psiquiatras especializados no assunto. Então descobriu que o filho sofre da mesma doença de alguns assassinos em série e também de certos políticos, líderes religiosos e executivos. “Apenas confirmei o que já sabia sobre ele”, diz Norma. “Dói saber que meu filho é um psicopata, mas pelo menos agora eu entendo que problema ele tem.”

 

Guilherme não é um assassino como o Maníaco do Parque ou o Chico Picadinho. Mas todos eles sofrem do mesmo problema: uma total ausência de compaixão, nenhuma culpa pelo que fazem ou medo de serem pegos, além de inteligência acima da média e habilidade para manipular quem está em volta. A gente costuma chamar pessoas assim de monstros, gênios malignos ou coisa que o valha. Mas para a Organização Mundial da Saúde (OMS), eles têm uma doença, ou melhor, deficiência. O nome mais conhecido é psicopatia, mas também se usam os termos sociopatia e transtorno de personalidade anti-social.

 

Com um nome ou outro, não se trata de raridade. Entre os psiquiatras, há consenso quanto a estimativas surpreendentes sobre a psicopatia. “De 1% a 3% da população tem esse transtorno. Entre os presos, esse índice chega a 20%”, afirma a psiquiatra forense Hilda Morana, do Instituto de Medicina Social e de Criminologia do Estado de São Paulo (Imesc). Isso significa que uma pessoa em cada 30 poderia ser diagnosticada como psicopata. E que haveria até 5 milhões de pessoas assim só no Brasil. Dessas, poucas seriam violentas. A maioria não comete crimes, mas deixa as pessoas com quem convive desapontadas. “Eles andam pela sociedade como predadores sociais, rachando famílias, se aproveitando de pessoas vulneráveis e deixando carteiras vazias por onde passam”, disse à SUPER o psicólogo canadense Robert Hare, professor da Universidade da Colúmbia Britânica e um dos maiores especialistas no assunto.

 

Os psicopatas que não são assassinos estão em escritórios por aí, muitas vezes ganhando uma promoção atrás da outra enquanto puxam o tapete de colegas. Também dá para encontrá-los de baciada entre políticos que desviam dinheiro de merenda para suas contas bancárias, entre médicos que deixam pacientes morrer por descaso, entre “amigos” que pegam dinheiro emprestado e nunca devolvem… Lendo esta reportagem, não se surpreenda se você achar que conhece algum. Certamente você já conheceu.

 

Amigo da onça

 

O psicólogo Robert Hare tinha acabado de sair da faculdade, na década de 1960, quando arranjou um emprego no presídio de Vancouver. Função: atender os presos com problemas e montar diagnósticos de sanidade para pedidos de condicional. Lá conheceu o simpático Ray, um dos presos. Era um sujeito legal, contava histórias envolventes e tinha um sorriso que deixava qualquer um confortável. Como o sujeito parecia aplicado e dedicado a ter uma vida correta depois da prisão, o doutor resolveu ajudá-lo em pedidos de transferência para trabalhos melhores na cadeia, tipo a cozinha e a oficina mecânica. Os dois ficaram amigos. Mas Ray não era o que parecia. Hare descobriu que o homem usava a cozinha para produzir álcool e vender aos colegas. Os funcionários do presídio também alertaram o psicólogo dizendo que ele não tinha sido o primeiro a ser ludibriado pelo “gente boa” Ray. E que a falta de escrúpulos do preso não tinha limites. Pouco depois, Hare sentiu isso na pele: teve os freios de seu carro sabotados pelo “amigo” presidiário.

 

Ray não era único ali. Boa parte de seus colegas no presídio de Vancouver era formada por sujeitos alegres, comunicativos e cheios de amigos que também eram egocêntricos, sem remorso e não mudavam de atitude nem depois de semanas na solitária. Nas prateleiras sobre doenças mentais, havia várias descrições parecidas. O francês Philip Pinel, um dos pais da psiquiatria, escreveu no século 18 sobre pessoas que sofriam uma “loucura sem delírio”. Mas o primeiro estudo para valer sobre psicopatia só viria em 1941, com o livro The Mask of Sanity (“A Máscara da Sanidade”, sem tradução para o português), do psiquiatra americano Hervey Cleckley. Ele dedica a obra a um problema “conhecido, mas ignorado” e cita casos de pacientes com charme acima da média, capacidade de convencer qualquer um e ausência de remorso. Com base nesses estudos, Robert Hare passou 30 anos reunindo características comuns de pessoas assim, até montar sua escala Hare, o método para reconhecer psicopatas mais usado hoje.

 

Trata-se de um questionário com perguntas sobre a vida do sujeito, feito para investigar se ele tem traços de psicopatia. Seja como for, não é fácil identificar um. Psicopatas não têm crises como doentes mentais: o transtorno é constante ao longo da vida. Outras funções cerebrais, como a capacidade de raciocínio, não são afetadas. Algumas características, no entanto, são evidentes.

 

Segredos e mentiras

 

Atributo número 1: mentir. Todo mundo mente, mas psicopatas fazem isso o tempo todo, com todo mundo. Inclusive com eles mesmos. São capazes de dizer “Já saltei de pára-quedas” e, logo depois, “Nunca andei de avião”, sem achar que existe uma grande contradição aí. Espertos, não se contentam só em dizer que são neurocirurgiões, por exemplo, sem nunca ter completado o colegial: usam e abusam de termos técnicos das profissões que fingem ter. Se o sujeito finge ser advogado, manda ver nos “data venias” da vida. Se diz que estudou filosofia, vai encher o vocabulário de expressões tipo “dialética kantiana” sem fazer idéia do que isso significa. Sim, eles são profissionais da lorota.

 

“Depois que descobri as mentiras que ele me contou, passei um tempo me perguntando como tinha sido tão burra para acreditar naquilo”, diz a professora carioca Ana*. Há 9 anos, ela conheceu um cara incrível. Ele dizia que, com apenas 27 anos, era diretor de uma grande companhia e que, por causa disso, viajava sempre para os EUA e para a Europa. Atencioso e encantador, Cláudio era o genro que toda sogra queria ter. “Em 5 meses, a gente estava quase(casando. Então a mãe dele revelou que era tudo mentira, que o filho era doente, enganava as pessoas desde criança e passava por um tratamento psiquiátrico.”

 

Ana largou Cláudio e foi tocar a vida. Mas nem sempre quem passa pelas mãos de um psicopata “pacífico” tem tempo para reorganizar as coisas. Que o digam as pessoas que cruzaram o caminho de Alessandro Marques Gonçalves. Formado em direito, ele resolveu fingir que era médico. E levou esse delírio às últimas conseqüências: forjou documentos e conseguiu trabalho em 3 grandes hospitais paulistas. Enganou pacientes, chefes e até a mulher, que espera um filho dele e não fazia idéia da fraude. Desmascarado em fevereiro de 2006, Alessandro aleijou pelo menos 23 pessoas e é suspeito da morte de 3.

 

“Ele usa termos técnicos e fala com toda a naturalidade. Realmente parece um médico”, diz o delegado André Ricardo Hauy, de Lins, que o interrogou. “Também acha que não está fazendo nada de errado e diz, friamente, que queria fazer o bem aos pacientes.” Quando foi preso, Alessandro não escondeu a cabeça como os presos geralmente fazem: deixou-se filmar à vontade.

 

“O diagnóstico de transtorno anti-social depende de um exame detalhado, mas dá para perceber características de um psicopata nesse falso médico. É que, além de mentir, ele mostra ausência de culpa”, afirma o psiquiatra Antônio de Pádua Serafim, do Hospital das Clínicas de São Paulo.

 

E esse é um atributo-chave da mente de um psicopata: cabeça fresca. Nada deixa esses indivíduos com peso na consciência. Fazer coisas erradas, todo mundo faz. Mas o que diferencia o psicopata do “todo mundo” é que um erro não vai fazer com que ele sofra. Sempre vai ter uma desculpa: “Um cara que matou 41 garotos no Maranhão, Francisco das Chagas, disse que as vítimas queriam morrer”, conta Antônio Serafim.

 

Justamente por achar que não fazem nada de errado, eles repetem seus erros. “Psicopatas reincidem 3 vezes mais que criminosos comuns”, afirma Hilda Morana, que traduziu e adaptou a escala Hare para o Brasil. “Tem mais: eles acham que são imunes a punições.” E isso vale em qualquer situação. Até na hora de jogar baralho.

 

Foi o que mostrou o psicólogo americano Joe Newman num experimento em 1987. No laboratório, havia 4 montes de cartas. Sem que os jogadores soubessem, um deles estava cheio de cartas premiadas. Ou seja: quem escolhesse aquele monte ganhava mais dinheiro e continuava no jogo. Aos poucos, porém, a quantidade de cartas boas rareava, até que, em vez de dar vantagem, escolher aquele monte passava a dar prejuízo. Pessoas comuns que participaram da pesquisa logo perceberam a mudança e deixaram de apostar nele. Psicopatas, porém, seguiram tentando obter a recompensa anterior. “Pessoas comuns mudam de estratégia quando não obtêm recompensa”, afirma o neurocientista James Blair, autor do livro The Psychopath – Emotion and the Brain (“O Psicopata – Emoção e o Cérebro”, sem edição brasileira). “Mas crianças e adultos com tendências psicopáticas continuam a ação mesmo sendo repetidamente punidos com a perda de pontos.”

 

Psicopatas não aprendem com punições. Não adianta dar palmadas neles.

 

Além disso, psicopata que se preze se orgulha de suas mancadas. Esse sujeito pode ser o marido que trai a mulher e se gaba para os amigos. Ou coisa pior. Veja o caso do promotor de eventos Michael Alig. Querido por todos, ele difundiu a cultura clubber em Nova York, organizando festas itinerantes. E em 1996 ele matou um amigo em casa. Quando o corpo começou a feder, retalhou-o e jogou os pedaços no rio Hudson. Dias depois, em um programa de TV, Alig simplesmente descreveu o assassinato, todo pimpão. Os jornalistas acharam que era só uma brincadeira besta, claro. Dias depois, a polícia achou o corpo do amigo de Alig no rio. Ele foi condenado a 20 anos de prisão – sem perder a pose.

 

Isso é lugar-comum entre os psicopatas. O próprio psiquiatra Antônio Serafim está acostumado com relatos grandiosos de carnificinas: “Quando você pergunta sobre a destreza com que cometeram os crimes, eles contam detalhes dos assassinatos, cheios de orgulho.”

 

Zumbis

 

Se você estivesse indo comprar cerveja perto de casa e se desse conta que esqueceu a carteira, o que faria? Em vez de voltar para buscar dinheiro, um psicopata da Califórnia preferiu catar um pedaço de pau, bater num homem e levar o dinheiro dele. Também tem o caso de uma mulher que deixou a filha de 5 anos ser estuprada pelo namorado. Perguntada por que deixou aquilo acontecer, ela disse: “Eu não queria mais transar, então deixei que ele fosse com a minha filha.”

 

Eis mais um traço psicopático. “Eles tratam as pessoas como coisas”, afirma o psiquiatra Sérgio Paulo Rigonatti, do Instituto de Psiquiatria do HC. Isso acontece porque eles simplesmente não assimilam emoções. Para entender isso melhor, vamos dar um passeio pelo inferno.

 

Corpos decapitados, crianças esquálidas com moscas nos olhos, torturas com eletrochoque, gemidos desesperados. Só de imaginar cenas assim, a reação de pessoas comuns é ter alterações fisiológicas como acelerar as batidas do coração, intensificar a atividade cerebral e enrijecer os músculos. Em 2001, o psiquiatra Antônio Serafim colocou presos de São Paulo para assistir a cenas assim. Cada um ouvia, por um fone, sons desagradáveis, como gritos de desespero. “Os criminosos comuns tiveram reações físicas de medo”, diz ele. “Já os identificados como psicopatas não apresentaram sequer variação de batimento cardíaco.”

 

Mais: uma série de estudos do Instituto de Neurociência Cognitiva, nos EUA, mostrou que psicopatas têm dificuldade em nomear expressões de tristeza, medo e reprovação em imagens de rostos humanos. “Outros 3 estudos ligaram psicopatia com a falta de nojo e problemas em reconhecer qualquer tipo de emoção na voz das pessoas”, afirma Blair.
É simples: assim como daltônicos não conseguem ver cores, psicopatas são incapazes de enxergar emoções. Não as enxergam nem as sentem, pelo menos não do mesmo jeito que os outros fazem. Em vez disso, eles só teriam o que os psiquiatras chamam de proto-emoções – sensações de prazer, euforia e dor menos intensas que o normal. “Isso impede os psicopatas de se colocar no lugar dos outros”, diz Hilda Morana.

 

Um dos pacientes entrevistados por Hare confirma: “Quando assaltei um banco, notei que uma caixa começou a tremer e a outra vomitou em cima do dinheiro, mas não consigo entender por quê”, disse. “Na verdade, não entendo o que as pessoas querem dizer com a palavra ‘medo’ “.

 

No livro No Ventre da Besta – Cartas da Prisão, o escritor americano Jack Abbott descreve com honestidade o que acontece na sua cabeça de psicopata: “Existem emoções que eu só conheço de nome. Posso imaginar que as tenho, mas na verdade nunca as senti”.

 

É como se eles entendessem a letra de uma canção, mas não a música. Esse jeito asséptico de ver o mundo faz com que um psicopata consiga mentir sem ficar nervoso, sacanear os outros sem sentir culpa e, em casos extremos, retalhar um corpo com o mesmo sangue-frio de quem separa as asinhas do peito de um frango assado.

 

Cérebros em curto

 

Ok, o problema central dos psicopatas é que eles não conseguem sentir emoções. Mas por que isso acontece? “A crença de que tudo é causado por famílias instáveis ou condições sociais pobres nos faz fingir que o problema não existe”, afirma Hare.

 

Para a neurologia, a coisa é mais objetiva: os “circuitos” do cérebro de um psicopata são fisicamente diferentes dos de uma pessoa normal. Uma descoberta importante foi feita pelo neuropsiquiatra Ricardo de Oliveira-Souza e pelo neurologista Jorge Moll Neto, pesquisador do Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos dos EUA. Em 2000, os dois identificaram, com imagens de ressonância magnética, as partes do cérebro ativadas quando as pessoas fazem julgamentos morais. Os participantes da pesquisa tiveram o cérebro mapeado enquanto decidiam se eram certas ou erradas frases como “podemos ignorar a lei quando necessário” ou “todos têm o direito de viver”, além de outras sem julgamento moral, como “pedras são feitas de água”. A maioria dos voluntários ativou uma área bem na testa, chamada Brodmann 10, ao responder às perguntas.

 

E aí vem o pulo-do-gato: a dupla repetiu o estudo em 2005 com pessoas identificadas como psicopatas, e descobriu que elas ativam menos essa parte do cérebro. Daí a incompetência que os sujeitos com transtorno anti-social têm para sentir o que é certo e o que é errado. Agora, resta saber se essas deficiências vêm escritas no DNA ou se surgem depois do nascimento.

 

Hoje, se sabe que boa parte da estrutura cerebral se forma durante a vida, sobretudo na infância. Mas cientistas buscam uma causa genética porque a psicopatia parece surgir independentemente do contexto ou da educação. “Nascem tantos psicopatas na Suécia ou na Finlândia quanto no Brasil”, afirma Hilda Morana. “Os pais costumam se perguntar onde foi que erraram.” A impressão é que psicopatas nasceram com o problema. “Eles também surgem em famílias equilibradas, são irmãos de pessoas normais e deixam seus pais perplexos”, afirma Oliveira-Souza.

 

James Blair vai pela mesma linha: “Estudos com pessoas da mesma famíla, gêmeos e filhos adotados indicam que o comportamento dos psicopatas e as disfunções emocionais são coisas hereditárias”, afirma.

 

Cobras de terno

 

Mesmo quem defende uma origem 100% genética para a psicopatia não descarta a importância do ambiente. A criação, nessa história, seria fundamental para determinar que tipo de psicopata um camarada com tendência vai ser.

 

“Fatores sociais e práticas familiares influenciam no modo como o problema será expresso no comportamento”, afirma Rigonatti. Por exemplo: psicopatas que cresceram sofrendo ou presenciando agressões teriam uma chance bem maior de usar sua “habilidade” psicopática para matar pessoas.

 

Um bom exemplo desse tipo é o americano Charles Manson. Filho de uma prostituta alcoólatra e dono de uma mente pra lá de sociopata, transformou um punhado de hippies da Califórnia em um grupo paramilitar fanático nos anos 70. Manson foi responsável pela carnificina na casa do cineasta Roman Polanski. Entre os 5 mortos, estava a atriz Sharon Tate, mulher do diretor e grávida de 8 meses. Detalhe: ele nem sequer participou da ação. Só usou sua capacidade de liderança para convencer um punhado de seguidores a realizar o massacre.

 

Já os que vêm de famílias equilibradas e viveram uma infância sem grandes dramas teriam uma probabilidade maior de se transformar naqueles que mentem, trapaceiam, roubam, mas não matam. Mais de 70% dos psicopatas diagnosticados são desse grupo, mas não há motivo para alívio. Psicopatas infiltrados na política, em igrejas ou em grandes empresas podem fazer estragos ainda piores.

 

Exemplos não faltam. O político absurdamente corrupto que é adorado por eleitores, cativa jornalistas durante entrevistas, não entra em contradição nem parece sentir culpa por ter recheado suas contas bancárias com dinheiro público é um. O líder religioso que enriquece à custa de doações dos fiéis é outro. E por aí vai.

 

“Eles costumam se dar bem em ambientes pouco estruturados e com pessoas vulneráveis. Agem como cartomantes, pais de santo, líderes messiânicos”, afirma Oliveira-Souza. Psicopatas não tão fanáticos, mas com a mesma falta de escrúpulos, também estão em grandes empresas, sugando dinheiro e tornando a vida dos colegas um inferno.

 

A habilidade para mentir despudoradamente sem levantar suspeitas faz com que eles se dêem bem já nas entrevistas de emprego. O charme que eles simulam ajuda a conquistar a confiança dos chefes e a pressionar para que colegas que atrapalham sua ascensão profissional acabem demitidos. Não raro, costumam ocupar os cargos hierárquicos mais altos.

 

O psicólogo ocupacional Paul Babiak cita o exemplo de Dave, um executivo de uma empresa americana de tecnologia. Logo na primeira semana, o chefe notou que ele gastava mais tempo criando picuinhas entre os funcionários do que trabalhando e plagiava relatórios sem medo de ser pego. Quando o chefe recomendou sua demissão, Dave foi reclamar aos chefes do seu chefe. Com sua lábia, conseguiu ficar dois anos na empresa, sendo promovido duas vezes, até causar um rombo na firma e sua máscara cair. “Certamente há mais psicopatas no mundo dos negócios que na população em geral”, diz o psiquiatra Hare, que escreveu com Babiak o livro Snakes in Suits – When Psychopaths Go to Work (“Cobras de Terno – Quando Psicopatas vão Trabalhar”, inédito no Brasil). Para ele, sociopatas corporativos são responsáveis por escândalos como o da Enron, em 2002, quando a empresa americana mentiu sobre seus lucros para bombar preços de ações. “O poder e o controle sobre os outros tornam grandes empresas atraentes para os psicopatas”, diz.

 

O que fazer?

 

Seja nas empresas, nas ruas, ou numa casinha de sapê, nossos amigos com transtorno anti-social são tecnicamente incapazes de frear seus impulsos sacanas. Mas, para os psiquiatras, essa limitação não significa que eles não devam ser responsabilizados pelo que fazem. “Psicopatas têm plena consciência de que seus atos não são corretos”, afirma Hare. “Apenas não dão muita importância para isso.” Se cometem crimes, então, devem ir para a cadeia como os outros criminosos.

 

Só que até depois de presos psicopatas causam mais dores de cabeça que a média dos criminosos. Na cadeia, tendem a se transformar em líderes e agir no comando de rebeliões, por exemplo. “Mas nunca aparecem. Eles sabem como manter suas fichas limpas e acabam saindo da prisão mais cedo”, diz Antônio de Pádua Serafim.

 

Por conta disso, a psiquiatra forense Hilda Morana foi a Brasília em 2004 tentar convencer deputados a criar prisões especiais para psicopatas. Conseguiu fazer a idéia virar um projeto de lei, que não foi aprovado. Nas prisões brasileiras, não há procedimento de diagnóstico de psicopatia para os presos que pedem redução da pena. “Países que aplicam o diagnóstico têm a reincidência dos criminosos diminuída em dois terços, já que mantêm mais psicopatas longe das ruas”, diz ela. Tampouco há procedimentos para evitar que psicopatas entrem na polícia – uma instituição teoricamente tão atraente para eles quanto as grandes empresas. Também não há testes de psicopatia na hora de julgar se um preso pode partir para um regime semi-aberto. Nas escolas, professores não estão preparados para reconhecer jovens com o transtorno.

 

“Mesmo dentro da psiquiatria existe pouca gente interessada no assunto, já que os psicopatas não se reconhecem como tal e dificilmente vão mudar de comportamento durante a vida”, diz o psiquiatra João Augusto Figueiró, de São Paulo. Também não existem tratamentos comprovados nem remédios que façam efeito. Outro problema: quando levados a consultórios, os psicopatas acabam ficando piores. Eles adquirem o vocabulário dos especialistas e se munem de desculpas para justificar seu comportamento quando for necessário. Diante da falta de perspectiva de cura, quem convive com psicopatas no dia-a-dia opta por vigiá-los o máximo possível. É o que faz a dona-de-casa Norma, do Guarujá, com o filho Guilherme. “Enquanto eu e o pai dele estivermos vivos, podemos tomar conta”, diz. “Mas… e depois?”

 

“Ele mentia muito. Armava um teatro para nos transformar em culpados. Não tinha apego nem responsabilidade. Não evitava falar coisas que deixassem os outros magoados. Nunca pensou que, se fizesse alguma coisa ruim, os pais ficariam bravos. Na escola, ele não obedecia a ordens. Se não queria fazer a lição, não tinha ninguém que o convencesse. A inteligência dele até era acima da média, mas um mês ele tirava 10 em tudo e no outro tirava 0. Dos 3 aos 25 anos, ele rodou comigo por psicólogos. Foi uma busca insana. Começamos a tratar pensando que era hiperatividade, ele tomou antidepressivos e outros remédios. Nada deu certo. Pessoas como o meu filho conseguem manipular psicólogos com facilidade. E os pais se tornam os grandes culpados. Quando descobri o problema, com uma psiquiatra, foi uma luz para mim. Hoje sei que pessoas como ele inventam um mundo na cabeça. É um sofrimento para os pais que convivem com crianças ou com adultos assim. Hoje, temos que vigiá-lo e carregá-lo pela mão para tudo que é canto. Senão, ele rouba coisas ou arma histórias. Fica 3 meses em cada emprego e pára, diz que não está bom. O problema nunca é com ele, sempre os outros é que estão errados. Eu ainda torço para que tenha um remédio, porque viver assim é muito ruim. Se está tudo bem agora, você não sabe qual vai ser a reação daqui a 5 minutos. É como uma bomba relógio, uma panela de pressão que vai explodir. Nunca dá pra saber exatamente o que ele pensa nem para acreditar em alguma coisa que ele promete. Às vezes penso que deveriam criar uma sociedade paralela só para sociopatas, mas uns matariam os outros, com certeza. Para não correr o risco de botar no mundo outra pessoa dessas, convencemos nosso filho a fazer vasectomia. Dói muito dizer que seu filho é um psicopata, mas fazer o quê? Matar você não pode. Tem que ir convivendo na esperança de que um dia a medicina dê conta de casos assim.”

 

*Depoimento de Norma, 50 anos, dona-de-casa do Guarujá (SP), mãe de Guilherme, 28, diagnosticado como psicopata.

 

As características de um psicopata

 

Charme

 

Tem facilidade em lidar com as palavras e convencer pessoas vulneráveis. Por isso, torna-se líder com freqüência. Seja na cadeia, seja em multinacionais.

 

Inteligência

 

O QI costuma ser maior que o da média: alguns conseguem se passar por médico ou advogado sem nunca ter acabado o colegial.

 

Ausência de culpa

 

Não se arrepende nem têm dor na consciência. É mestre em botar a culpa nos outros por qualquer coisa. Tem certeza de que nunca erra.

 

Espírito sonhador

 

Vive com a cabeça nas nuvens. Mesmo se a situação do sujeito estiver miserável, ele só fala sobre as glórias que o futuro lhe reserva.

 

Habilidade para mentir
Não vê diferença entre sinceridade e falsidade. É capaz de contar qualquer lorota como se fosse a verdade mais cristalina.

 

Egoísmo

 

Faz suas próprias leis. Não entende o que significa “bem comum”. Se estiver tudo ok para ele, não interessa como está o resto do mundo.

 

Frieza

 

Não reage ao ver alguém chorando e termina relacionamentos sem dar explicação. Sabe o cara que “foi comprar cigarro e nunca mais voltou?” Então.

 

Parasitismo

 

Quando consegue a confiança de alguém, suga até a medula. O mais comum é pedir dinheiro emprestado e deixar para pagar no dia 31 de fevereiro.

 

 

The Psychopath – James Blair e outros, Blackwell, EUA, 2006
Without Conscience – Robert Hare, Guilford, EUA,1993
The Sociopath Next Door – Martha Stout, Broadway, EUA, 2005

Texto Leandro Narloch, Via: Super Interessante
Fonte: Conti Outra


forum-rioclaro-sp
1 de março de 2019

Obras do novo Fórum Criminal de Rio Claro terão de contar com segurança 24 horas.


Solicitação foi feita por Promotoria em ação civil pública.

 

O local das obras do novo Fórum Criminal de Rio Claro terão de contar com segurança e vigilância 24 horas contratada por empresa vencedora de licitação no prazo de cinco dias, a contar da decisão judicial desta terça-feira (26/2). O local é ermo, facilita a ação de criminosos e de baderneiros, e está sujeito a invasões, saques, depredações, furtos e incêndios, uma vez que não há vigilância patrimonial permanente que iniba tais práticas. À empresa caberá tomar as providências que entender pertinentes quanto a iluminação, limpeza e cercamento, sob pena de multa diária de R$ 10 mil, até o montante de R$ 1 milhão.

 

A decisão atende a pedido do promotor de Justiça Gilberto Porto Camargo feito em ação civil pública urbanística, movida no dia 12 de junho de 2017 contra a Fazenda Pública do Estado e o município de Rio Claro. O quarto pedido de concessão de tutela de urgência foi protocolado pela Promotoria no dia 20 de fevereiro.

 

Um inquérito civil, instaurado no dia 23 de março de 2016, apurou que a construção foi iniciada em 2010 com o prazo de término de 12 meses. Passados mais de cinco anos e após várias prorrogações no contrato com a RTA Engenharia e Construções Ltda, então empresa responsável, a estrutura encontrava-se, à época, sem qualquer tipo de proteção para impedir deteriorações e depredações. O inquérito baseou-se em uma reportagem veiculada por um jornal da cidade.

 

A matéria também noticiava que o município realizou toda a infraestrutura de galerias, guias, sarjetas, asfalto e iluminação pública no trecho do Anel Viário que dá acesso ao novo Fórum, com investimento da ordem de R$ 4 milhões, em um convênio com o Estado, acrescentando que o convênio não foi renovado, pois o Governo assumiu a responsabilidade pela obra. Na ação, o promotor pede que o Estado conclua as obras, regularize a estrutura física e repare os danos pendentes, no prazo de um ano.

 

Fonte: Núcleo de Comunicação Social.
Ministério Público do Estado de São Paulo – Rua Riachuelo, 115
São Paulo (SP)
comunicacao@mpsp.mp.br
Tel: (11) 3119-9027 / 9028 / 9031 / 9032 / 9039 / 9040 / 9095


conselho-saude-rioclaro-sp
25 de fevereiro de 2019

Conselho de Saúde Rio Claro/SP – Ata de Janeiro – 15/01/2019


Aos quinze dias do mês de janeiro de dois mil e dezenove, deu-se inicio a reunião ordinária do Conselho Municipal de Saúde de Rio Claro, às 19h00 na sala de reuniões da Fundação Municipal de Saúde, Rua 06, 2572 entre avenidas 30 e 32 – Centro.

 

Estiveram presentes na reunião, os seguintes conselheiros: Aretuza Maria Ferreira Nagata, Cacilda Lopes, Maria Helena Betanho Romualdo, José Manoel Martins, Agnaldo Luís Biscaro, Gustavo Roberto Fink, Carmelita Brescansin e Leila M. Duckur Pizzotti, representando Associação de Moradores e Movimento Popular; Aldo Alves de Oliveira, representando Sindicato dos Trabalhadores; José Domingos de Almeida e Aguinaldo Cesár Fiório, representando os Conselhos Gestores Locais; José Ricardo Naitzke, representando a Fundação Municipal de Saúde; Danilo Ciriaco, representando Entidade Formadora de Ensino Superior, Luiz Carlos Lauriano Jardim, representando Outras Secretarias ou órgãos da Prefeitura; Ariane Cristina Arruda Zamariola, representando Prestadores privados contratados ou conveniados do SUS; Talita Camargo Claro Pedroso, representando Sindicatos e ou Conselho de Profissionais. Justificou ausência: Milton Antonio Roberto, representante de Sindicato dos Trabalhadores; Eliana Cristina Vaz da Silva, representantes do segmento Portadores de Patologia; Rosangela Deliberali Siqueira da Fonseca, representando segmento pessoas com deficiência ou familiares; Nadia Maria Augusta de Oliveira Joaquim, Marta Teresa Gueldini Linardi Bianchi e Alessandro Cristiano Ribeiro, representando os Funcionários da Fundação Municipal de Saúde. Dr. Alvaro Salvio Bastos Camarinha, representante Sindicatos e ou Conselho de Profissionais.

 

Estiveram presentes ainda, Karla Pereira, secretária executiva do CMS e Paulo Roberto Coelho Filho do CEREST Rio Claro.

 

Assuntos de pauta: I – Assuntos Gerais; II – Expediente: 1. Aprovação das atas de 06 e 18 de Dezembro de 2018;

 

III – Ordem do Dia: 1. Deliberação da Programação Anual de Metas do Programa de IST/AIDS/HEPATITES 2019; 2. Apresentação do Relatório de Gestão 2018 – CEREST; 3. Informe sobre a 14ª Conferência Municipal de Saúde de Rio Claro; 4 – Formação da Comissão de Acompanhamento de Projetos; e 5 – Formação de Comissão para readequação da legislação do CMS.

 

O presidente, Sr. José Domingos saúda a todos e passa a discutir a pauta do dia: I – 1.  A Sr.ª Leila solicita que todas suas falas sejam registradas em ata. Questiona se os encaminhamentos/ofícios de 2018 feito para a Fundação Municipal de Saúde foram respondidos e Karla esclarece que todas as devolutivas são passadas em reunião. Sobre a formação de comissão para readequação da legislação sugere que antes de formá-la sejam preenchidas as vagas que estão abertas e reitera que fez a indicação para sua suplência nos dois processos eleitorais, pois novos conselheiros estão participando e a indicação que fez não foi aceita, porém dos outros conselheiros foram. Na sequencia, a Sr.ª Leila coloca um encaminhamento para votação deste Conselho, devido a denúncia grave e séria que foi realizada essa semana (10/01/2019), sugerindo que o Conselho solicite a Fundação Municipal de Saúde, a quantidade, entrada e saída dos remédios segregados do ano de 2017 e 2018, bem como, os valores gastos em medicamentos nos anos de 2017 e 2018, pois a população quer respostas com base em informações e dados específicos.

 

Karla esclarece sobre o processo eleitoral, pois a inscrição que a conselheira Leila se refere foi entregue fora do prazo e na ocasião, foi deliberado pelo Conselho que as inscrições entregues fora do prazo, não poderiam ser aceitas e, portanto seria realizado um novo processo de eleição.

 

A eleição foi realizada novamente e não houve inscrição do interessado, e não poderia ser aceito a anterior, pois todos os interessados apresentaram os documentos no tempo determinado. Karla esclarece ainda que não houve indicação de nenhum conselheiro, todos fizeram a inscrição e entregaram os documentos solicitados e participaram da eleição. Não houve concorrência, pois não se atingiu o numero necessário, mas todos os critérios foram respeitados. Para preencher as vagas que ainda faltam é necessário que se faça uma nova eleição.

 

Sobre a questão dos medicamentos Karla ressalta que o Conselho precisa decidir sobre o encaminhamento e a Sra. Maria Helena questiona quem foi o responsável pelo vídeo.

 

O Sr. Luiz Carlos informa que o responsável pelo vídeo, fazia parte do programa de capacitação e estava no dispensário para ajudar.

 

O Sr. José Ricardo esclarece que já está sendo tomada as providencias referente à pessoa que fez e divulgou o vídeo e que o mesmo foi desligado do programa.

 

O Sr. Luiz Carlos lembra sobre a solicitação da conselheira e se todos concordam com o texto.

 

O Sr. Aldo destaca que na Prestação de Contas são apresentados os valores gastos.

 

O Sr. Aguinaldo concorda com a fala do conselheiro Aldo e ressalta que na Audiência é o momento para se questionar e tirar dúvidas, porém nos dois anos que participou observou que os conselheiros não participam e lembra que a audiência é aberta, portanto a população pode participar.

 

O Sr. Luiz Carlos informa que foi implantado o setor de custos devido ao posicionamento do Conselho e informa que o dispensário tem controle de entrada e saída, porém alguns medicamentos ficam nas Unidades, e que a parte de segregação não tem controle do estoque (não dá para saber quantos remédios foram segregados) conforme afirmou o conselheiro classificados como carrinhos de emergência, que muitas vezes não são usados, mas existe a obrigatoriedade em manter e, portanto quando vencidos os descartes são realizados na Unidade.

 

Com relação ao vídeo, o medicamento que aparece, veio da FURP e normalmente os medicamentos são enviados com 02 meses para vencer, é difícil garantir a distribuição, pois atrasa a entrega e envia em grande quantidade, isso não ocorre exclusivamente no município de Rio Claro, por isso os municípios vizinhos estão sempre contatando e algumas vezes trocam medicamentos. Sobre os dados no sistema, informa que ainda está em processo de implantação.

 

O Sr. José Manoel questiona sobre medicamentos com dois meses para vencimento e o Sr. Luiz Carlos esclarece que são os medicamentos recebidos, com relação à compra, os fornecedores devem entregar com um ano para vencer e esse controle é realizado, portanto não há problemas.

 

A Sra. Cacilda destaca que a nota informativa da Fundação foi esclarecedora e o Sr. Aguinaldo informa que também se sentiu esclarecido com a nota e não vê motivos para enviar o ofício, pois alem da nota já está sendo discutido e esclarecido na reunião, ficando registrado em ata.

 

Nesse sentido, Karla propõe que seja enviado ofício para a Fundação, solicitando os valores gastos em 2017 e 2018 e esclarecimentos sobre o período de validade dos medicamentos.

 

O Sr. José Domingos coloca em regime de votação as três propostas.

 

Proposta do Sr. Aguinaldo, favoráveis os conselheiros, Aldo, José Ricardo, Agnaldo Luís, Luiz Carlos, Aguinaldo Cesar, Danilo e Carmelita; Proposta da Karla, favoráveis a Sr.ª Maria Helena, Dr. Gustavo, Sr.ª Talita e Sr.ª Ariane;

 

Proposta da Leila, favorável a Sr.ª Leila.

 

O conselheiro Sr. José Manoel e a Sr.ª Aretuza, se abstiveram.

 

Assim sendo, a proposta do Sr. Aguinaldo foi aceita e não será enviado ofício, pois além da nota esclarecedora, o assunto já foi debatido em reunião.

 

Karla informa que recebemos da Santa Casa, um oficio comunicando sobre destinação de emenda parlamentar, no valor de R$ 150.000,00 que será utilizado para aquisição de equipamento médico para uso dos pacientes do Sistema Único de Saúde.

 

Recebemos do conselheiro Sr. Francisco Orides Nadai Junior, a solicitação de desligamento do Conselho, será providenciada sua substituição.

 

II – 1 O Sr. José Domingos coloca as atas de 06 e 18 de Dezembro em regime de votação, sendo aprovadas por unanimidade dos presentes.

 

III – 1. O Sr. José Domingos coloca em votação a Programação Anual de Metas do Programa de IST/AIDS/HEPATITES 2019, a qual foi aprovada por unanimidade dos presentes.

 

2. O Sr. Paulo, chefe de Núcleo do CEREST inicia a apresentação do Relatório Anual de Gestão 2018. Informa que o órgão é de abrangência Regional, atendendo a 11 municípios, um total de 588.407 munícipes, sendo que 176.522 é a população economicamente ativa.

 

As áreas de atuação são: Vigilância em Saúde do Trabalhador, Assistência Referenciada – nexo causal, Educação em Saúde do Trabalhador, Inspeção de processos e ambientes de trabalho, Embasamento legal – Legislações do Ministério da Saúde, Epidemiologia aplicada a Saúde do Trabalhador, Notificação dos agravos relacionados ao trabalho e Projetos específicos. Na avaliação das metas cumpridas, o Sr. Paulo apresenta os dados, sendo que 46% das ações foram realizadas integralmente, 22% foram concluídas e 32% não foram realizadas. Ressalta que o motivo pelo qual não conseguiu atingir um numero maior na execução do que foi proposto, foi a publicação da Portaria 3.992 que fez uma divisão nos blocos de repasses, passando para custeio e investimento e, portanto os R$ 30.000,00 mensais recebidos pelo CEREST passou a compor o bloco de custeio e nesse sentido, houve dificuldades em cumprir ações de investimentos planejadas para o ano.

 

Sobre a RAAT – Relatório de Atendimento ao Acidentado do Trabalho informa que foram abertas 3.125 e 636 via SINAN – agravos de notificação compulsória. Nos informes referente ao Controle Social, destaca que participam do grupo Regional de CEREST, tem atuação do Conselho Gestor e recentemente a criação da CISTT, requisito para continuar recebendo recurso e que desde 2015 se tentava a implantação, sem sucesso, e agora está funcionando com participação de todas as representações. Referente aos procedimentos realizados pela Unidade informa que em 2017 foram 6.244 procedimentos, já em 2018 passou a 9.400 procedimentos, sendo um aumento de 53%. Comparando esses dados a recursos, em 2017 houve um total de R$ 33.845,40 de retorno de recurso, já em 2018 passou para R$ 98.351,86, ou seja, um aumento de 190% na geração de recursos para o município. Foram bastantes os avanços que o serviço teve em 2018, porém existem dificuldades, como a portaria nº 3992, a reforma trabalhista, Lei de terceirização, Redirecionamento dos recursos da Previdência Social (Operação Pente Fino) e Lei nº 13.457/2017 (Revisão da Previdência).

 

O Sr. Paulo destaca que o CEREST atua de acordo com a legislação e a parceria com a Região, Conselho Gestor e implantação da CISTT auxilia o trabalho diário. Após apresentação o Sr. Paulo coloca-se a disposição e não havendo mais duvidas, o Sr. José Domingos agradece pela presença

 

3. Karla informa que a comissão responsável pela organização 14ª Conferência Municipal de Saúde se reuniu e definiu que a mesma acontecerá em 13 de Abril de 2019, cujo tema central é “A Consolidação do SUS para manutenção do Direito à Saúde”.

 

Informou que há uma dificuldade em trabalhar com o documento orientador, pois é necessário adequá-lo a realidade municipal e trazer para discussão de forma que o usuário compreenda quais avanços são necessários na Política de Estado, afinal é uma conferência que acontecerá na esfera Estadual e Nacional, por isso a comissão já vem trabalhando na formatação de um documento. Foi discutida em comissão também, a realização de quatro pré Conferências temáticas, de acordo com os eixos definidos, sendo estes:

 

I – O papel do Estado como disciplinador e fomentador do Direito à Saúde; II – A função reguladora do Estado na estruturação do SUS;III – A resistência do SUS frente às formas restritivas do financiamento; e IV – Participação Social – Cidadania, ética, direitos e deveres, para emancipação do coletivo.

 

Sobre as Pré- Conferências informa que embora esteja sendo organizadas as Pré-Conferências temáticas, poderão ser agendadas outras pré-conferências, ou seja, qualquer conselheiro, Unidades e/ou interessados, poderão agendar pré-conferências.

 

O objetivo não é excluir esse processo, mas garantir que se tenha proposta em todos os eixos para a esfera Estadual e Nacional. Karla informa que a Comissão se dividiu na hora de escolha do local e, portanto é necessário decidir em reunião, com votação assim estabelecida. Realização no NAM – Núcleo Administrativo Municipal 2 votos e realização no Claretiano Faculdade, 14 votos.

 

Karla finaliza solicitando a colaboração de todos conselheiros na divulgação, pois não é somente responsabilidade de uma comissão e sim de todo o Conselho.

 

4. Karla lembra que foi sugerida na reunião passada, a criação de uma comissão para acompanhamento de Projetos e não se sabe ainda, se o município irá pactuar o empréstimo ou não, mas pautou a comissão como definido anteriormente. Assim sendo, a comissão ficou comporta por Agnaldo Luís Biscaro, Aguinaldo Cesar Fiório, José Domingos de Almeida e Ariane Zamariola.

 

5. Karla informou que é necessário rever a legislação do Conselho e em uma apresentação na reunião da CISTT, foi sugerido que fosse pauta da reunião, a formação de uma Comissão para readequação da legislação e lembra que é um processo demorado, por isso colocou na primeira reunião, pois no final do ano, teremos eleição.

 

A Comissão foi composta por: Luiz Carlos Lauriano Jardim, Leila Pizzotti, Aretuza Nagata, José Domingos de Almeida e Ariane Zamariola.

 

6. A Sr.ª Leila lembra sobre os crachás, que vem sendo falado desde o inicio do mandato e até agora não foi feito, o Sr. José Domingos informa que não foram todos conselheiros que enviaram fotos e por isso não foi feito.

 

Karla solicita que os conselheiros presentes em reunião, que ainda não enviaram suas fotos, aguardem, pois a mesma pode tirar as fotos. Decidiu-se que será feito os crachás dos conselheiros que já mandaram as fotos. Nada mais a ser tratado, o Presidente, Sr. José Domingos encerra a presente reunião.

 

Para constar, eu Karla Pereira, lavrei a presente ata que após lida e aprovada, será assinada por mim e pelos presentes.


seron
25 de fevereiro de 2019

Bate-Papo da Rio Claro Online na Câmara Municipal: Vereador Ruggero Seron


A Rio Claro Online traz com exclusividade para você algumas respostas e posicionamentos dos nossos representantes, a população rioclarense no geral quer saber a opinião de cada um deles, nobres vereadores, a Rio Claro Online agradece a colaboração e participação dos entrevistados (as).

 

O entrevistado da vez é o Vereador Ruggero Seron.

 

Ruggero Seron é Policial Militar e Vereador pelo Partido Democratas, nasceu em 08/11/1982.
Contato: (19) 3526-1312
E-mail: seron@rioclaro.sp.leg.br
Facebook: https://www.facebook.com/policialseron/

 

1- ) Pergunta: O que você achou do Projeto de empréstimo no valor de R$ 60 milhões de autoria do Poder Executivo, do Prefeito João Teixeira Júnior? Lembrando que o Projeto foi retirado para adequações.

Resposta: Sou contra o empréstimo, estamos em um momento fiscal muito difícil, e a arrecadação não está boa, todo mundo sabe que empréstimo é emergencial, o Prefeito foi precipitado, deveria chamar as lideranças e bancadas para conversar melhor a respeito.

 

2- ) Pergunta: O que você achou do Pedido de Cassação representado pelo Partido Psol contra o vereador Paulo Guedes?

Resposta: Gosto muito da constituição, sou Policial Militar, sempre vou agir dentro da legalidade, vou aguardar a decisão da Justiça.

 

3-) Pergunta: Você apoia o projeto de lei que institui a data da Semana e Parada LGBT do Movimento LGBT no município de Rio Claro/SP? Projeto LGBT que visa o fomento do estudo, das atividades sadias e socioeducacionais, saúde e segurança, do culto ao saber, à humanidade, à família, do culto ao respeito que o indivíduo deve a si mesmo, ao que é seu, ao respeito que deve aos demais e à propriedade alheia, visando direitos LGBT’s, para assim, formar na juventude a consciência cabal de sua responsabilidade perante a vida, seus semelhantes, sua cultura e o seu mundo.

Resposta: Sou da Igreja Evangélica, o direito de um não deve sobrepor ao outro, sou contra dinheiro público para manifestações, em qualquer aspecto, seja para o Carnaval, para a Marcha de Jesus, ou mesmo, para a Parada LGBT, eu entendo e sei que aqui em Rio Claro/SP não foi utilizado nenhum dinheiro público nas atividades e manifestações no ano passado, e quero ressaltar que eu respeito manifestações pacíficas que sejam realizadas sem armas. Quero já olhar o Projeto, com muita calma primeiro antes de opinar totalmente, mas reforço a ideia que eu respeito todos os seres humanos, sem distinção.


luciano_bomsucesso
25 de fevereiro de 2019

Bate-Papo da Rio Claro Online na Câmara Municipal: Vereador Luciano Bom Sucesso


A Rio Claro Online traz com exclusividade para você algumas respostas e posicionamentos dos nossos representantes, a população rioclarense no geral quer saber a opinião de cada um deles, nobres vereadores, a Rio Claro Online agradece a colaboração e participação dos entrevistados (as).

 

O entrevistado da vez é o Vereador Luciano Bom Sucesso

 

Luciano Bom Sucesso é Garçom e Vereador pelo Partido da República, nasceu em 29/08/1981.
Contato: (19) 3526-1315
E-mail: luciano.bonsucesso@rioclaro.sp.leg.br
Facebook: https://www.facebook.com/lubonsucesso/

 

1- ) Pergunta: O que você achou do Projeto de empréstimo no valor de R$ 60 milhões de autoria do Poder Executivo, do Prefeito João Teixeira Júnior? Lembrando que o Projeto foi retirado para adequações.

Resposta: Achei uma pouca vergonha, sou totalmente contra, e eu fui o primeiro vereador a fazer um vídeo e expor em público que eu sou contra o empréstimo, esse Prefeito aí vai afundar Rio Claro/SP. Tem dívidas com o DAAE já cobra quem deve, nada a ver essa ideia de empréstimo!

 

2- ) Pergunta: O que você achou do Pedido de Cassação representado pelo Partido Psol contra o vereador Paulo Guedes?

Resposta: O povo e o partido tem que se posicionar e tem o direito ao manifesto sim, acho válido.

 

3-) Pergunta: Você apoia o projeto de lei que institui a data da Semana e Parada LGBT do Movimento LGBT no município de Rio Claro/SP? Projeto LGBT que visa o fomento do estudo, das atividades sadias e socioeducacionais, saúde e segurança, do culto ao saber, à humanidade, à família, do culto ao respeito que o indivíduo deve a si mesmo, ao que é seu, ao respeito que deve aos demais e à propriedade alheia, visando direitos LGBT’s, para assim, formar na juventude a consciência cabal de sua responsabilidade perante a vida, seus semelhantes, sua cultura e o seu mundo.

Resposta: Respeito todo mundo, quem sou eu para julgar as pessoas, sou contra o preconceito e violência em todas as suas formas, não sou Deus, mas sei que tem que existir leis sim que defendam pessoas LGBT, eu respeito o espaço dos outros, sou a favor.


rafael_andreeta
25 de fevereiro de 2019

Bate-Papo da Rio Claro Online na Câmara Municipal: Vereador Rafael Andreeta


A Rio Claro Online traz com exclusividade para você algumas respostas e posicionamentos dos nossos representantes, a população rioclarense no geral quer saber a opinião de cada um deles, nobres vereadores, a Rio Claro Online agradece a colaboração e participação dos entrevistados (as).

 

O entrevistado da vez é o Vereador Rafael Andreeta

 

Rafael Andreeta é Empresário e Vereador pelo Partido Trabalhista Brasileiro, nasceu em 30/06/1981.
Contato: (19) 3526-1310
E-mail: rafael.andreeta@rioclaro.sp.leg.br
Facebook: https://www.facebook.com/vereador.andreeta/

 

1- ) Pergunta: O que você achou do Projeto de empréstimo no valor de R$ 60 milhões de autoria do Poder Executivo, do Prefeito João Teixeira Júnior? Lembrando que o Projeto foi retirado para adequações.

Resposta: Tiraram o projeto mas ele vai voltar, e eu sempre fui contra esse empréstimo! Primeiro: O Prefeito não tem palavra, e eu aprendi na vida pública que político tem que honrar a sua palavra e segundo é que o Prefeito não vem cumprindo o que prometeu para o povo, um exemplo claro é a famosa Taxa de Iluminação né, o fim do carnaval para melhorar a saúde, e o que falar da saúde? A Saúde está um caos, e o que o Prefeito faz? Ele sempre cobrou a dívida da Santa Casa e hoje ele é outro Prefeito devendo, prometeu enxugar a máquina pública e diversos gastos à toa, mas se recusa a cumprir o pedido do Ministério Público de exonerar os comissionados… ele está gastando muito dinheiro em radares, em aluguéis caríssimos  de carros e milhões em contrato com empresas que não trazem benefícios reais e concretos para a nossa cidade, ai falta dinheiro na cidade mesmo.

 

2- ) Pergunta: O que você achou do Pedido de Cassação representado pelo Partido Psol contra o vereador Paulo Guedes?

Resposta: O partido tem o direito dessa representação sim, mas nós vereadores precisamos esperar a Justiça em segunda instância, e se ele estiver errado mesmo, com certeza deve pagar.

 

3-) Pergunta: Você apoia o projeto de lei que institui a data da Semana e Parada LGBT do Movimento LGBT no município de Rio Claro/SP? Projeto LGBT que visa o fomento do estudo, das atividades sadias e socioeducacionais, saúde e segurança, do culto ao saber, à humanidade, à família, do culto ao respeito que o indivíduo deve a si mesmo, ao que é seu, ao respeito que deve aos demais e à propriedade alheia, visando direitos LGBT’s, para assim, formar na juventude a consciência cabal de sua responsabilidade perante a vida, seus semelhantes, sua cultura e o seu mundo.

Resposta: Cobro sempre por mais saúde e segurança para todas as pessoas, sem distinção, com certeza eu respeito todas as pessoas, apoio o Projeto.


adriano_latorre
25 de fevereiro de 2019

Bate-Papo da Rio Claro Online na Câmara Municipal: Vereador Adriano La Torre


A Rio Claro Online traz com exclusividade para você algumas respostas e posicionamentos dos nossos representantes, a população rioclarense no geral quer saber a opinião de cada um deles, nobres vereadores, a Rio Claro Online agradece a colaboração e participação dos entrevistados (as).

 

O entrevistado da vez é o Vereador Adriano La Torre

 

Adriano La Torre é Almoxarife e Vereador pelo Partido Progressista, nasceu em 14/08/1970.
Contato: (19) 3526-1323
Site: http://www.adrianolatorre.com.br/
E-mail: adriano.latorre@rioclaro.sp.leg.br
Facebook: https://www.facebook.com/AdrianoLaTorreOficial/

 

1- ) Pergunta: O que você achou do Projeto de empréstimo no valor de R$ 60 milhões de autoria do Poder Executivo, do Prefeito João Teixeira Júnior? Lembrando que o Projeto foi retirado para adequações.

Resposta: Nesse momento não seria viável, deram esperança para o povo, fui na Nova Rio Claro e já afirmaram que iriam fazer os serviços… com a retirada do projeto o povo fica frustrado, estão criando muita expectativa na população… a retirada do projeto foi uma ação correta, precisamos estudar melhor esse pedido de empréstimo, do jeito que foi apresentado para a população sou contra.

 

2- ) Pergunta: O que você achou do Pedido de Cassação representado pelo Partido Psol contra o vereador Paulo Guedes?

Resposta: Não somos nós que temos que julgar, quem julga é a Justiça, eu sei que o Paulo tem família também… assim como todos nós.

 

3-) Pergunta: Você apoia o projeto de lei que institui a data da Semana e Parada LGBT do Movimento LGBT no município de Rio Claro/SP? Projeto LGBT que visa o fomento do estudo, das atividades sadias e socioeducacionais, saúde e segurança, do culto ao saber, à humanidade, à família, do culto ao respeito que o indivíduo deve a si mesmo, ao que é seu, ao respeito que deve aos demais e à propriedade alheia, visando direitos LGBT’s, para assim, formar na juventude a consciência cabal de sua responsabilidade perante a vida, seus semelhantes, sua cultura e o seu mundo.

Resposta: Todo mundo é igual, cada um tem o direito de ser como é e de se manifestar, apoio projetos que valorizam a vida  humana. Sou a favor.


irander_augusto
24 de fevereiro de 2019

Bate-Papo da Rio Claro Online na Câmara Municipal: Irander Augusto


A Rio Claro Online traz com exclusividade para você algumas respostas e posicionamentos dos nossos representantes, a população rioclarense no geral quer saber a opinião de cada um deles, nobres vereadores, a Rio Claro Online agradece a colaboração e participação dos entrevistados (as).

 

O entrevistado da vez é o Vereador Irander Augusto

 

Irander Augusto é Vendedor de Comércio Varejista/Atacadista e Vereador pelo Partido Republicano Brasileiro (PRB), nasceu em 15/12/1977.
Contato: (19) 3526-1301
E-mail: irander.lopes@rioclaro.sp.leg.br
Facebook: https://www.facebook.com/vereador.iranderaugusto/

 

1- ) Pergunta: O que você achou do Projeto de empréstimo no valor de R$ 60 milhões de autoria do Poder Executivo, do Prefeito João Teixeira Júnior? Lembrando que o Projeto foi retirado para adequações.

Resposta: Para asfalto não precisa de empréstimo, sou contra, não é necessário o empréstimo, e o Prefeito sabe muito bem disso… 

 

2- ) Pergunta: O que você achou do Pedido de Cassação representado pelo Partido Psol contra o vereador Paulo Guedes?

Resposta: Situação muito complicada…independente da ideologia todos tem o direito de pedir a cassação, é direito do partido se manifestar.

 

3-) Pergunta: Você apoia o projeto de lei que institui a data da Semana e Parada LGBT do Movimento LGBT no município de Rio Claro/SP? Projeto LGBT que visa o fomento do estudo, das atividades sadias e socioeducacionais, saúde e segurança, do culto ao saber, à humanidade, à família, do culto ao respeito que o indivíduo deve a si mesmo, ao que é seu, ao respeito que deve aos demais e à propriedade alheia, visando direitos LGBT’s, para assim, formar na juventude a consciência cabal de sua responsabilidade perante a vida, seus semelhantes, sua cultura e o seu mundo.

Resposta: Olha… não sou contra LGBT, eu respeito e até tenho amizade, mas acho que a maioria é desordeira, sou contra.


neypaiva
24 de fevereiro de 2019

Bate-Papo da Rio Claro Online na Câmara Municipal: Vereador Ney Paiva


A Revista Digital Rio Claro Online começa apresentar uma série de entrevistas curtas com os vereadores na Câmara Municipal de Rio Claro/SP, abordando rapidamente três assuntos de interesse público e que a população rioclarense ainda está com dúvidas sobre o que foi apresentado nesse começo de ano na cidade.

 

A Rio Claro Online traz com exclusividade para você algumas respostas e posicionamentos dos nossos representantes, a população rioclarense no geral quer saber a opinião de cada um deles, nobres vereadores, a Rio Claro Online agradece a colaboração e participação dos entrevistados (as).

 

Abrindo essa série de entrevistas, começamos com o vereador Ney Paiva.

 

Ney Paiva é Locutor, Gerente da Rádio Cultura e Vereador pelo Democratas (DEM), nasceu em 18/05/1959.
Contato: (19) 3526-1320
E-mail: ney.paiva@rioclaro.sp.leg.br
Facebook: https://www.facebook.com/NeyPaiva1140/

 

1- ) Pergunta: O que você achou do Projeto de empréstimo no valor de R$ 60 milhões de autoria do Poder Executivo, do Prefeito João Teixeira Júnior? Lembrando que o Projeto foi retirado para adequações.

Resposta: Existem vários pontos, não é só asfalto, me lembro que o DAAE emprestava dinheiro da Prefeitura, ele está abandonado, o DAAE tem muita dívida, pessoas que devem para o órgão tem que acertar seus débitos. A saúde está mal, e esse empréstimo eu vejo pelo lado bom, no cervezão por exemplo tem espaço para construir um mini hospital. Não tem outros caminhos, as carretas estão indo embora, então concordo com o empréstimo. Concordo com 30 milhões para o asfalto, nós pagamos o asfalto, e isso valoriza o terreno, e é claro que tem que ser muito bem explicado e acompanhado tudo que envolver esse empréstimo com certeza.

 

2- ) Pergunta: O que você achou do Pedido de Cassação representado pelo Partido Psol contra o vereador Paulo Guedes?

Resposta: Não é um caso nosso para resolver…nunca foi condenado ninguém em primeira instância, isso leva de dois a três anos para o juiz decidir, e a Câmara não pode tomar uma decisão sendo que é a Justiça que manda, sou favor sim que se cometeu erro tem que pagar, mas ressalto que quem julga é a Justiça, esse processo pode ser lento e podemos fazer uma injustiça.

 

3-) Pergunta: Você apoia o projeto de lei que institui a data da Semana e Parada LGBT do Movimento LGBT no município de Rio Claro/SP? Projeto LGBT que visa o fomento do estudo, das atividades sadias e socioeducacionais, saúde e segurança, do culto ao saber, à humanidade, à família, do culto ao respeito que o indivíduo deve a si mesmo, ao que é seu, ao respeito que deve aos demais e à propriedade alheia, visando direitos LGBT’s, para assim, formar na juventude a consciência cabal de sua responsabilidade perante a vida, seus semelhantes, sua cultura e o seu mundo.

Resposta: Apoio sim o Projeto, mas não gosto da exposição forçada de alguns LGBT’s, é o que eu sempre afirmo na rádio: “Quem bate em LGBT é gay, tá na cara”.


acessoinformacao2019
19 de fevereiro de 2019

Câmara aprova projeto que derruba decreto de Mourão sobre Lei de Acesso à Informação


General publicou o decreto na condição de presidente da República, durante a viagem de Jair Bolsonaro (PSL) à Suíça.

 

A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (19) um projeto que derruba o decreto do governo federal que modifica a Lei de Acesso à Informação e dificultava o acesso a dados públicos. A aprovação é considerada uma vitória dos parlamentares de oposição ao governo Bolsonaro (PSL), que criticaram a medida desde a publicação em Diário Oficial, no dia 24 de janeiro.

 

“O partido do presidente da República [PSL] liberou o voto, tão vergonhoso era esse decreto do Executivo”, disse a deputada Margarida Salomão (PT), em vídeo publicado em sua conta oficial no Twitter após a vitória na Câmara em votação simbólica. “Estamos muito felizes. É uma vitória”, acrescentou.

 

O texto ainda tem que ser aprovado pelo Senado. Se entrar em vigor, ele tornará sem efeitos o decreto assinado pelo vice-presidente.

 

Relembre o caso

 

O decreto assinado por Hamilton Mourão permite que servidores comissionados e dirigentes de fundações, autarquias e empresas públicas classifiquem dados públicos como “sigiloso” e “ultrassecreto”, impedindo o livre acesso pela população. Se uma informação é considerada “ultrassecreta”, ela só pode se tornar pública depois de 25 anos. Antes, essa “barreira” no acesso aos dos documentos só podia ser feita pelo presidente e vice-presidente da República, ministros de Estado e autoridades equivalentes, além dos comandantes das Forças Armadas e chefes de missões diplomáticas no exterior.

 

Mourão publicou o decreto na condição de presidente da República, durante a viagem de Jair Bolsonaro (PSL) a Davos, na Suíça.

 

O documento modifica a Lei de Acesso à Informação, que entrou em vigor em 2012 durante o governo Dilma Rousseff (PT), criando mecanismos para que qualquer pessoa física ou jurídica tivesse acesso às informações públicas dos órgãos e entidades, sem necessidade de apresentar justificativa para a consulta.

 

 

Edição: Daniel Giovanaz
Fonte: Brasil de Fato
Foto: Aprovação é considerada uma vitória dos parlamentares de
oposição ao governo Bolsonaro (PSL) / Divulgação / Câmara dos Deputados