Revista Colaborativa Rio Claro Online Contato WhatsApp: +55 19 9 9801.7240 | 3597.0881 contato@rioclaroonline.com.br


senac
11 de abril de 2019

Sala Senac de Educadores promove palestra gratuita na unidade Rio Claro


Ministrada por Priscila De Nadai Fonseca, apresentação debaterá a educação como o melhor caminho para evitar o esquecimento cultural

 

Termo raramente debatido, o epistemicídio originou-se no período de colonização do Brasil, com a morte cultural e a baixa produção de conhecimento sobre determinados povos, principalmente negros e indígenas. Para resgatar a questão, o Senac Rio Claro promove, dia 26 de abril, às 15 horas, uma palestra gratuita sobre o tema durante a Sala Senac de Educadores 2019.

 

Ministrada por Priscila De Nadai Fonseca, bacharel em direito, especialista em gestão escolar e coordenadora de desenvolvimento profissional do Senac Jaú, a palestra terá reflexões sobre o esquecimento histórico no país e o seu impacto na construção social do homem e da mulher negra na atual sociedade. Além disso, a atividade apresentará informações e exemplos de epistemicídio.

 

No evento, que tem a finalidade de promover a reflexão e contribuir com o processo de formação de educadores, Priscila destacará também a educação como o melhor caminho para evitar o apagamento cultural. “O ensino é uma das portas de entrada do racismo, mas também a saída para um novo olhar. Por isso, é importante que os currículos educacionais em todos os níveis tenham conteúdos sobre a história da África, como já é previsto em lei. Somente assim vamos prevenir e conscientizar a sociedade.”

 

A palestrante adianta ainda outros tópicos da sua palestra. “Vamos falar de transformações sociais, ensino livre e democrático, movimento negro, machismo, LGBTfobia. O Senac valoriza o aprendizado, o respeito e a convivência, e essa iniciativa mostra exatamente isso”, pontua.

 

Para Felipe Soave Viegas Vianna, gerente da unidade Rio Claro, a Sala Senac de Educadores 2019 promove a reflexão sobre temas importantes que fazem parte do universo da educação e contribuem com a formação de educadores. “Debates como o epistemicídio é fundamental para que possamos atuar como agentes na geração do conhecimento e trocarmos experiências vividas dentro e fora da sala de aula.”

 

Para obter mais informações e fazer inscrição, acesse o Portal Senac: www.sp.senac.br/rioclaro.

As vagas são limitadas.

 

Serviço:

Sala Senac de Educadores 2019
Data:
26 de abril de 2019

 

Palestra: Epistemicídio

Data: 26 de abril de 2019

Horário: sexta-feira, das 15 às 16 horas

 

Senac Rio Claro

Endereço: Avenida Dois, 720 – Centro – Rio Claro/SP

Informações e inscrições: www.sp.senac.br/rioclaro


yves_carbinatti
30 de março de 2019

Bate-Papo da Rio Claro Online na Câmara Municipal: Vereador Yves Carbinatti


A Rio Claro Online traz com exclusividade para você algumas respostas e posicionamentos dos nossos representantes, a população rioclarense no geral quer saber a opinião de cada um deles, nobres vereadores, a Rio Claro Online agradece a colaboração e participação dos entrevistados (as).

 

O entrevistado da vez é o Vereador Yves Carbinatti.

 

Yves Carbinatti é Atleta Profissional, Técnico Em Desportos e Vereador pelo Partido Popular Socialista, nasceu em 09/02/1987.
Contato: (19) 3526-1329 | (19) 3526-1347 | (19) 3526-1379
E-mail: yves.carbinatti@rioclaro.sp.leg.br
Facebook: https://www.facebook.com/Yves-Carbinatti-Official-621951314630217/

 

1- ) Pergunta: O que você achou do Projeto de empréstimo no valor de R$ 60 milhões de autoria do Poder Executivo, do Prefeito João Teixeira Júnior? Lembrando que o Projeto foi retirado para adequações.

Resposta: Sou contra o projeto de empréstimo de R$ 60 milhões. Acredito que a Prefeitura tenha outras formas de realizar melhorias em nossa cidade sem ter que pegar dinheiro emprestado com juros. Como eu disse na sessão, no próprio documento para justificar o empréstimo que foi enviado aos Vereadores, a Prefeitura informou que tem condições de arcar com mais de R$ 1 milhão de parcelas por mês. Se esse dinheiro fosse investido corretamente não seria necessário o empréstimo.

 

2- ) Pergunta: O que você achou do Pedido de Cassação representado pelo Partido Psol contra o vereador Paulo Guedes?

Resposta: Qualquer pedido protocolado nesse sentido é primeiro analisado pelo jurídico da Câmara e pelo Presidente, não tive acesso ao documento protocolado e portanto não posso me manifestar sobre esse documento.

 

3-) Pergunta: Você apoia o projeto de lei que institui a data da Semana e Parada LGBT do Movimento LGBT no município de Rio Claro/SP? Projeto LGBT que visa o fomento do estudo, das atividades sadias e socioeducacionais, saúde e segurança, do culto ao saber, à humanidade, à família, do culto ao respeito que o indivíduo deve a si mesmo, ao que é seu, ao respeito que deve aos demais e à propriedade alheia, visando direitos LGBT’s, para assim, formar na juventude a consciência cabal de sua responsabilidade perante a vida, seus semelhantes, sua cultura e o seu mundo.

Resposta: Não me oponho, pois acredito que a população rioclarense tem que ter mais conscientização e acesso participativo nos serviços de saúde, cultura, turismo e segurança pública da cidade, sem distinção de qualquer espécie, sou a favor da proteção à vida, sempre.


vereadora-maria-docarmo-rioclaro-sp
21 de março de 2019

Bate-Papo da Rio Claro Online na Câmara Municipal: Vereadora Maria do Carmo Guilherme


A Rio Claro Online traz com exclusividade para você algumas respostas e posicionamentos dos nossos representantes, a população rioclarense no geral quer saber a opinião de cada um deles, nobres vereadores, a Rio Claro Online agradece a colaboração e participação dos entrevistados (as).

 

A entrevistada da vez é a Vereadora Maria do Carmo Guilherme.

 

Maria do Carmo Guilherme é Assistente Social e Vereadora pelo Partido Movimento Democrático Brasileiro, nasceu em 12/01/1962.
Contato: (19) 3526-1308
E-mail: contato@mariadocarmo.net
Facebook: https://www.facebook.com/mcgrioclaro/

 

1- ) Pergunta: O que você achou do Projeto de empréstimo no valor de R$ 60 milhões de autoria do Poder Executivo, do Prefeito João Teixeira Júnior? Lembrando que o Projeto foi retirado para adequações.

Resposta: Eu acho que não está bem esclarecido ainda por 60 milhões, quem vai pagar quem não vai pagar, quais são os bairros que serão asfaltados, o recapeamento, a saúde, eu acho que ele teria que estar fazendo um trabalho junto a Santa Casa, e isso não está bem esclarecido, e quanto ao DAAE também, ele tem outras prioridades, não comprar moto, não comprar trator, ele que alugasse menos carros e fizesse esse trabalho, então eu sou contrária ao empréstimo. A e outra coisa, eu acho que a Fundação e o Conselho Municipal de Saúde tem que se posicionar com relação ao 5 milhões do empréstimo, primeiro, por que Bezerra de Menezes, os 30 leitos, segundo, como que os médicos vão passar visitas lá nesses 30 leitos, quais são esses médicos? Por que se você é do corpo clínico da Santa Casa, você não pode entrar no Bezerra né, então essas atas por exemplo não vem para a câmara, não sei se foi aprovado pelo Conselho Municipal de Saúde, entendeu? Então eu acho que esse valor por exemplo de 5 milhões poderia estar fazendo aumento de leitos de UTI, é o que se precisa hoje, eu acho que tem coisas mais prioritárias para se fazer dentro da saúde a nível de Santa Casa, não sou contrária ao Bezerra, mas eu acho que poderíamos estar discutindo coisas melhores e mais urgentes para o município de Rio Claro e também para a Microrregião.

 

2- ) Pergunta: O que você achou do Pedido de Cassação representado pelo Partido Psol contra o vereador Paulo Guedes?

Resposta: O Vereador Paulo Guedes ainda tem os recursos que ele pode usufruir, enquanto a Justiça não deliberar não podemos ter atitude nenhuma quanto a isso, pois suponhamos que você cassa e depois ele consegue reverter essa situação, ele pode entrar com danos morais, então é melhor aguardar a Justiça sempre.

 

3-) Pergunta: Você apoia o projeto de lei que institui a data da Semana e Parada LGBT do Movimento LGBT no município de Rio Claro/SP? Projeto LGBT que visa o fomento do estudo, das atividades sadias e socioeducacionais, saúde e segurança, do culto ao saber, à humanidade, à família, do culto ao respeito que o indivíduo deve a si mesmo, ao que é seu, ao respeito que deve aos demais e à propriedade alheia, visando direitos LGBT’s, para assim, formar na juventude a consciência cabal de sua responsabilidade perante a vida, seus semelhantes, sua cultura e o seu mundo.

Resposta:  Sobre o Projeto de Lei do Movimento LGBT, eu vou dar entrada no Projeto que inclui no calendário oficial do município de Rio Claro/SP a Semana do Orgulho LGBT de Rio Claro/SP, prevista para ocorrer sempre próxima a segunda semana do mês de outubro de cada ano vigente, e ai os Srs. vereadores, cada um analisa e a decisão será no plenário, por votação.


1
12 de março de 2019

Garrafa Vazia: entrevista exclusiva com a nova formação!


O Garrafa Vazia, banda de Rio Claro/SP, comemora em 2019 uma década de existência.

 

Com muita história na bagagem, disco novo saindo do forno (feito na Europa) e convite para tocar na Inglaterra, agora a banda está mais viva do que nunca.

 

Recentemente, o Garrafa Vazia passou por mudanças na formação. Antes trio, agora é um quarteto, ou, como costuma dizer “um quarteirão”.

 

A Rio Claro Online entrevistou o fundador da banda, Mário Mariones e os dois novos guitarristas, Saulo DS e Vancil Cardoso. Confira:

 

Rio Claro Online: Como é estar na ativa por dez anos?

Mário Mariones:  É divertido e pura correria. A gente olha com orgulho pra nossa história, feliz em saber quantas pessoas curtem o nosso som, também a energia que as apresentações emanam. Agora, queremos cada vez mais ensaiar, compor, cair na estrada. Que venha mais dez anos!

 

Rio Claro Online: Quais os planos pra 2019?

Mário Mariones:  Estamos na nossa tour de 10 anos, né – vai rolar muita coisa. A agenda de shows está bem movimentada, vamos ter o show de comemoração de 10 anos de banda e também de lançamento do nosso vinil, com 14 músicas. Ele chama “Cirrose” foi produzido no Lab Sound, em Piracicaba, pelo Max Matta e o Rodrigo Bigga e prensado na Europa. Em breve vai estar disponível. Estamos muito orgulhosos e confiantes que esse ano vai ser especial, ainda mais que fomos selecionados pra tocar na Inglaterra, no Rebellion Festival, o maior festival punk do mundo, com as bandas mais fodas, um festival de quatro dias, que acontece desde os anos 90!

 

Rio Claro Online: E a nova formação? Agora a banda é um quarteto?

Mário Mariones: Vou deixar os caras se apresentarem. Sim, somos um quarteirão agora, bastante criativo, paredão de guitarras e riffs que vão grudar na cabeça! Em breve mais novidades!  Agora, passo a bola pros chefias se apresentarem.

 

INTEGRANTES

 

Vancil Cardoso: Meu nome é Vancil Cardoso, 38, professor e tradutor, toco guitarra e escrevo  músicas. Já toquei em diversas bandas e também componho o projeto Garagem Clandestina. As minhas influências sonoras que refletem no som que eu faço decolam no garage rock dos anos 60, sobrevoando Stooges, Ramones, The Clash e Pixies, e aterrisando  no punk surrealista do Sonic Youth. Fiquei honrado com o convite para entrar na banda, coincidindo com a comemoração de dez anos e também dez que conheci o Mariones, torna – se também uma comemoração pessoal. Com duas guitarras vamos fazer uma parede, será um ano punk rocker que o Garrafa Vazia merece, fico muito feliz em participar de tudo isso.

 

Saulo DS: Sou Saulo, 27 anos, formando em Pedagogia, recém desempregado pelas injustiças da vida. Vocalista, guitarrista e letrista na banda Alerta Mental. Influenciado por punk rock no geral, e rock dos leves aos pesados. Garrafa Vazia conheço há bastante tempo, comecei gostar de punk rock e achava ótimo os eventos organizados pelo Mário onde o Garrafa Vazia tocava, assim como o punk rock do Garrafa que sempre ouvi e compareci aos shows. Animei pela entrada, e a confirmação de que foi uma boa escolha ocorreu no primeiro show sentindo prazer em tocar a musica que já gostava.

 

 

O Garrafa Vazia nas redes sociais:

 

Spotify: https://open.spotify.com/artist/2V00y3YbLqg30TYFUg4I5l

Instagram: https://www.instagram.com/garrafavaziatour10anos/

Facebook: https://www.facebook.com/garrafavaziaoficial/

Youtube: https://www.youtube.com/user/rioclaropunk


denuncia-cultura-2019-rioclaro-sp-editais
11 de março de 2019

Denúncia: A Cultura jogada no lixo e dinheiro público para privilégio de poucos


A denúncia surgiu devido a indícios de irregularidades e problemas que aconteceram no EDITAL de Cultura Nº 01/2018, e outros possíveis indícios de erros de contemplação nos outros editais realizados no ano passado, essas irregularidades atingem genericamente todos os proponentes dos projetos acolhidos para análise de propriedade intelectual, assim como o investimento cultural que foi destinado pelo governo estadual para os editais no município de Rio Claro/SP para  descentralizar os recursos públicos destinado para o desenvolvimento da cultura na cidade.

 

A denúncia é sobre o EDITAL de Cultura Nº 01/2018 que surge para mostrar o quanto vulnerável estão as nossas secretarias e órgãos públicos no sentido da evasão da ética e da moralidade com o dinheiro público.

 

A denúncia é referente ao EDITAL Nº 01/2018 – “APOIO A PROJETOS DE CIRCULAÇÃO DE ESPETÁCULOS E REALIZAÇÃO DE EVENTOS CULTURAIS NO MUNICÍPIO DE RIO CLARO – SP”;

 

No caso referido, o Projeto Cultural contemplado para a realização de PROJETOS DE CIRCULAÇÃO DE ESPETÁCULOS E REALIZAÇÃO DE EVENTOS CULTURAIS NO MUNICÍPIO DE RIO CLARO – SP é o Projeto denominado “CIRCO VIVO! – O RESGATE AO PICADEIRO” sendo a “proponente” Maia Riemi Onishi, “CIA. PASSARINHAR”, Projeto proposto esse que tem a participação direta da atual Secretária de Cultura Daniela Ferraz, sendo a secretária a responsável pelo projeto contemplado no valor de 25 mil reais, envolvendo no projeto em questão, a servidora municipal Erika Layher (Assessora), amiga da secretária, a denúncia relata ação ilegal no repasse dos recursos financeiros destinados para a população rioclarense/fazedores de cultura independentes e favorecendo irregularmente a contemplação do projeto em questão “CIRCO VIVO! – O RESGATE AO PICADEIRO” – no EDITAL Nº 01/2018;

 

A representação ressalta também que existem outros indícios de irregularidades na aprovação e escolha de outros projetos culturais dos Editais realizados no ano de 2018, com proponentes/integrantes dos projetos contemplados ligados diretamente a Secretaria de Cultura – Ano de 2018, a difusão cultural não ocorreu e o repasse dos recursos financeiros continuam centralizados e ocultos.

 

Em representação anterior ao MP, a Secretária de Cultura Daniela Ferraz negou “não ter um possível vínculo” com a proponente do projeto contemplado no valor de R$ 25.000,00 em nome da Cia Passarinhar, mas as novas informações que foram apresentadas ao MP confirma que a secretária mentiu para o MP, e que as suas respostas não condizem com a realidade dos fatos.

 

A denúncia conclui que houve participação de forma obscura e tendenciosa da secretária de cultura, da proponente do Projeto representando a Cia Passarinhar e da funcionária pública da Secretaria de Cultura de Rio Claro/SP consiste em uma conduta ilegal de favorecimento ilícito para com terceiros, e diz respeito à prática de ato que gera prejuízo ao erário público em proveito do agente. Cuida-se de uma imoralidade administrativa qualificada pelo dano ao erário e correspondente vantagem ao ímprobo, revelando-se pela obtenção de vantagens patrimoniais indevidas às expensas do erário, pelo exercício nocivo das funções e empregos públicos, pelo ‘tráfico de influência’ nas esferas da Administração Pública e pelo favorecimento de poucos em detrimento dos interessados da sociedade, mediante a concessão de obséquios e privilégios ilícitos.

 

Outros fatos apontam que existe ligação entre as três citadas nessa denúncia/representação desde 2015 no mínimo.

 

A denúncia aponta que na internet, a secretaria de cultura Daniela Ferraz e Erika Layher atuam diretamente como representante da Cia Passarinhar, a Cia participou de outro edital em 2015, as fotos são públicas e aparece visivelmente a atual Secretaria de Cultura suspensa no ar, e as outras citadas nas fotos seguintes representando um projeto no Edital ProAC 37/2015. Outras imagens e links seguiram para a análise do MPF.

 

denuncia-cultura-2019-rioclaro-sp-editais

 

Conforme o Edital ProAC nº 37/2015 no ano de 2015, a Cia Passarinhar participou do Edital, mais uma vez representada pela atual Assessora da Secretária de Cultura, Erika Layher, segue abaixo:

http://www.proac.sp.gov.br/wp-content/uploads/Lista-de-Inscritos-1-6.pdf

cultura-rioclaro-sp

 

Página do Facebook da Cia Passarinhar

cia-passarinhar

Foto Divulgação / Facebook

 

cultura-rioclaro-sp02

 

O edital 01/2018 contemplou a “Cia Passarinhar ” com o projeto denominado como: “CIRCO VIVO! – O RESGATE AO PICADEIRO”; (entre outros) no valor de 25 mil reais e não promoveu a descentralização dos recursos culturais destinados para o município, a Secretaria de Cultura responsável pelos Editais não seguiu as devidas normas, ética proposta, intuito de moralidade e leis vigentes requeridas em qualquer Edital público municipal/estadual/federal e que envolve o dinheiro público, e também manteve o Edital sob a influência errônea da comissão julgadora conforme a denúncia aponta o direcionamento/favorecimento que foi realizado no edital 01/2018 para contemplar o Projeto da Cia Passarinhar onde as beneficiarias são as próprias agentes do Estado responsáveis pela promoção dos Editais.

 

A denúncia exposta evidência que a população de Rio Claro/SP solicita que o MP cumpra com o seu importante papel de agente fiscalizador do poder público e intervenha configurando essa situação como favorecimento ilícito e improbidade administrativa.

 

A denúncia foi realizada em forma de representação civil pública, sendo registrada ao Ministério Público e repassada com pedido de ciência para todos os gabinetes da câmara municipal de Rio Claro/SP. Até o fechamento dessa matéria, alguns vereadores ainda não tinham tomado ciência dessa denúncia por motivos de atrasos nos repasses de informações públicas por parte da presidência da câmara municipal, documentos protocolados na secretaria da câmara municipal na data de 22 de fevereiro de 2019.

 

“À Presidência da Câmara Municipal de Rio Claro/SP

Exmo. Sr. Vereador André Godoy

Exmo/a. (s.). 18 Vereadores atuantes na Câmara Municipal de Rio Claro/SP.

REPRESENTAÇÃO

 

Segue em anexo a representação na íntegra.

Diante de todo o exposto e do clamor popular por combate a corrupção e a velhas práticas políticas, requeremos que sejam tomadas as providências cabíveis no sentido de proceder á averiguação dos fatos narrados, recebendo a presente representação e submetendo-a a deliberação do Plenário para determinação de sua admissibilidade.

Termos em que, peço deferimento.

 

Rio Claro, 22 de fevereiro de 2019″


1
24 de fevereiro de 2019

‘O Vaticano é uma organização gay': o polêmico livro que diz revelar a corrupção e a hipocrisia na Igreja


Após celebrar missas em igrejas do Vaticano e pendurar as batinas, “milhares” de padres saem para curtir a noite gay de Roma.

 

É o que afirma o jornalista francês Frédéric Martel no livro No Armário do Vaticano, que tem lançamento mundial marcado para esta quinta-feira, mesmo dia em que os principais líderes da Igreja Católica se reúnem para discutir uma estratégia contra o abuso sexual de menores.

 

“O texto é resultado de uma investigação que realizei por mais de quatro anos, em que viajei por vários países e entrevistei dezenas e dezenas de cardeais, bispos, padres, seminaristas e pessoas muito próximas ao Vaticano”, afirmou o autor à BBC News Mundo.

 

 

É uma narrativa que denuncia, segundo a sinopse do livro, a “corrupção e a hipocrisia” dentro do catolicismo romano, que condenou a homossexualidade durante séculos.

 

Livro denuncia, segundo a sinopse, a 'corrupção e hipocrisia' dentro do catolicismo romano

©AFP Livro denuncia, segundo a sinopse, a ‘corrupção e hipocrisia’ dentro do catolicismo romano

 

Martel afirma que, por condições históricas e sociais, o sacerdócio foi uma fuga para centenas de jovens vítimas de bullying em seus povoados por causa da orientação sexual e que, portanto, a Igreja é agora, no seu ponto de vista, uma instituição formada “principalmente” por pessoas homossexuais.

 

“À medida que avancei na pesquisa, descobri que o Vaticano é uma organização gay no nível mais alto, uma estrutura formada em grande parte por pessoas homossexuais que durante o dia reprimem sua sexualidade e a dos outros, mas à noite, em muitos casos, pegam um táxi e vão a um bar gay”, afirma o escritor.

 

Uma de suas fontes chegou a garantir que 80% dos padres no Vaticano são homossexuais – dado que ele não conseguiu confirmar.

 

Porém, o autor diz que um dos fatos que chamou sua atenção foi a “banalidade da vida gay” para “milhares” de sacerdotes, “que não saíram do armário para a organização” e “estão presos no próprio sistema” – mas, ao mesmo tempo, desfrutam do que criticam no altar.

 

O Vaticano não respondeu à solicitação de comentário feita pela BBC News Mundo sobre o livro e as acusações que o autor fez nesta entrevista a respeito da instituição.

 

No entanto, o renomado teólogo jesuíta James Martin questionou os métodos utilizados por Martel para checar os dados e depoimentos.

 

“Martel fez uma pesquisa impressionante para seu novo livro e apresenta algumas ideias importantes sobre hipocrisia e homofobia na igreja”, disse ele à BBC News Mundo.

 

“Mas essas ideias estão enterradas sob uma avalanche de intrigas e insinuações pesadas que arrebatam o leitor e tornam difícil discernir os fatos da ficção”, acrescenta.

 

Sacerdócio e homossexualidade

 

'O abuso sexual não está relacionado com a homossexualidade, pode acontecer dentro de famílias heterossexuais, e a maioria das vítimas no mundo são mulheres', diz Martel

© AFP ‘O abuso sexual não está relacionado com a homossexualidade, pode acontecer dentro de famílias heterossexuais, e a maioria das vítimas no mundo são mulheres’, diz Martel

 

A partir desta quinta-feira, mais de 190 cardeais, bispos e outras autoridades da Igreja Católica se reúnem no Vaticano para decidir o que fazer diante da onda de denúncias de abuso sexual que surgiram contra padres em quase todo o mundo.

 

Dentro da ala mais à direita da instituição, uma das acusações mais frequentes é associar a ocorrência desses crimes à homossexualidade dos padres.

 

Na última terça-feira, dois cardeais conservadores dos Estados Unidos e da Alemanha enviaram uma carta aberta ao papa Francisco pedindo o fim do que chamam de “praga da agenda homossexual” e que os bispos deixem de ser cúmplices de casos de abuso sexual.

 

'À medida que avancei na pesquisa, descobri que o Vaticano é uma organização gay no nível mais alto', afirma Martel

© AFP ‘À medida que avancei na pesquisa, descobri que o Vaticano é uma organização gay no nível mais alto’, afirma Martel

 

Mas, de acordo com Martel, que é assumidamente gay, o problema dentro da Igreja não é a orientação sexual dos padres, que é um assunto privado, mas usar “dois pesos e duas medidas” para tratar a questão da sexualidade.

 

“O abuso sexual não está relacionado com a homossexualidade, pode acontecer dentro de famílias heterossexuais, e a maioria das vítimas no mundo são mulheres. Agora, se você olhar dentro da Igreja, a maioria dos abusos são cometidos por padres homossexuais”, diz ele.

 

O que acontece, segundo Martel, é que uma suposta “cultura de sigilo” existente na Igreja leva ao encobrimento dos abusos.

 

“Como muitos bispos são gays, eles têm medo de escândalos, da imprensa e, no fim das contas, deles mesmos. Eles protegem os agressores não para encobrir os abusos, mas para que não descubram que eles mesmos são homossexuais. Não estão apenas protegendo o agressor, estão se protegendo”, diz ele.

 

O livro alega que muitos padres no Vaticano têm uma vida dupla

© AFP O livro alega que muitos padres no Vaticano têm uma vida dupla

 

Na opinião de Martel, isso não só fez com que, durante anos, os abusos fossem encobertos, mas que muitos cardeais, bispos e padres se tornassem críticos fervorosos da homossexualidade.

 

“O que eu descobri é que, em muitos casos, quanto mais críticos em relação à homossexualidade, mais lasciva era a vida oculta deles como gays”, diz ele.

 

E o que acontece na América Latina?

 

Ao longo de mais de 500 páginas, o livro afirma que essa situação não é exclusiva do Vaticano – também acontece em Igrejas de muitos outros países, inclusive da América Latina.

 

“Estive várias vezes na Argentina, em Cuba, no México, no Chile e na Colômbia, e o que descobri foi que a situação não era muito diferente da do Vaticano”, diz ele.

 

Martel afirma que um denominador comum entre alguns desses países era uma relação “insólita” entre a cúpula religiosa e militar, seja décadas atrás nos governos de fato da Argentina e do Chile, nos tempos da guerrilha da Colômbia ou, mais tarde, no regime de Fidel Castro em Cuba.

 

“Na maioria desses casos, havia uma cumplicidade entre a Igreja e esses governos ou forças que fizeram com que a homossexualidade e os abusos dos padres fossem encobertos nesses países”, sinaliza.

 

Para o seu livro, Martel entrevistou 41 cardeais, 52 bispos e núncios apostólicos, além de 200 padres, seminaristas, jornalistas e diplomatas

© Getty Images Para o seu livro, Martel entrevistou 41 cardeais, 52 bispos e núncios apostólicos, além de 200 padres, seminaristas, jornalistas e diplomatas

 

No México, um dos casos mais notórios é o do fundador da Legião de Cristo, Marcial Maciel, mas ele também descobriu outros menos conhecidos, como o do falecido cardeal colombiano Alfonso López Trujillo.

 

De acordo com o livro, o pároco rondava seminaristas e jovens sacerdotes e contratava garotos de programa rotineiramente.

 

Ao mesmo tempo, pregava os ensinamentos da Igreja de que todos os homens gays eram “intrinsecamente desordenados” e questionava o uso de preservativos.

 

E apesar de Martel dizer que chegou a se encontrar com garotos de programa contratados pelo falecido cardeal, muitos críticos do livro questionam que a maioria das acusações carece de evidências sólidas ​​e é baseada apenas em “fofocas” e “disse me disse”.

 

O papa Francisco tenta controlar o abuso sexual na Igreja

© AFP O papa Francisco tenta controlar o abuso sexual na Igreja

 

Outros também afirmam que o texto poderia levar a uma “caça às bruxas” contra padres homossexuais ou promover estereótipos negativos, porque de acordo com Martin “é mais fácil buscar bodes expiatórios do que confrontar a hipocrisia e a cultura do sigilo” dentro da Igreja.

 

Para outros, o livro é a revelação do que muitos consideram um “segredo aberto” e poderia ser um convite para mudar as estruturas estagnadas do Vaticano.

 

“A Santa Sé deve ser um modelo para todas as dioceses do mundo, incluindo a seleção e monitoramento de seus próprios membros. E, neste momento, não é”, afirmou à BBC o monsenhor Stephen J. Rossetti, professor na Universidade Católica dos Estados Unidos.

 

“Eles devem fazer um trabalho melhor para garantir que seus padres sejam fiéis ao voto de celibato. Também devem ser mais agressivos, especialmente quando confrontados com clérigos homossexuais que não são celibatários. Houve vários casos recentemente e vai continuar havendo escândalos até que eles se encarreguem disso”, acrescenta.

 

 

Fonte: BBC News

Foto: © AFP De acordo com Martel,

grande parte dos padres do Vaticano são homossexuais


lgbt-2019-homofobia
16 de janeiro de 2019

Movimentos apostam em criminalização da LGBTfobia em 2019 via STF


“É inadmissível que a gente continue sendo o País que mais mata LGBTs no mundo”, afirma presidente da Associação Nacional de Travestis e Transexuais.

 

O STF (Supremo Tribunal Federal) definiu uma nova data para analisar duas ações que abrem caminho para a criminalização da LGBTfobia no Brasil. Depois de quase 7 anos e 2 adiamentos nos últimos meses, o julgamento está previsto para o dia 13 de fevereiro de 2019.

 

As ações pedem que o STF reconheça a omissão do Congresso Nacional em legislar sobre o assunto e determine um prazo para que deputados e senadores aprovem uma lei que criminalize atos de preconceito e violência baseados na orientação sexual ou identidade de gênero das vítimas.

 

Os pedidos sustentam que as condutas de discriminação de cunho homofóbico e transfóbico podem ser consideradas como um tipo de racismo ou que devem ser entendidas como “atentatórias a direitos e liberdades fundamentais” e, em ambos os casos, devem ter punição legal conforme determina a Constituição Federal.

 

“O STF já decidiu que racismo é qualquer inferiorização de um grupo social relativamente a outro. Entender a homotransfobia como racismo implica interpretar e aplicar a lei já existente, sem legislar”, explica o autor das peças, o advogado Paulo Iotti. Os processos foram apresentados ao STF em 2012 e 2013 pela Associação Brasileira de Gays, Lésbicas de Transgênero (ABGLT) e pelo partido PPS, respectivamente.

 

A lei penal terá o importante papel de mostrar que o Estado brasileiro não tolera a opressão homotransfóbica

– Paulo Iotti, autor e representante da ABGLT e do PPS nas ações.

 

O primeiro deles, o mandado de injunção 4733, relatado pelo ministro Edson Fachin, fundamenta que a cidadania e os direitos à livre orientação sexual e identidade de gênero de pessoas LGBTI são inviabilizados pelo alto grau de violência e discriminação sofridos por essas pessoas e pela ausência de lei que puna criminalmente tais condutas.

 

“A lei penal terá o importante papel de mostrar que o Estado brasileiro não tolera a opressão homotransfóbica”, argumenta Iotti, representante da ABGLT e do PPS nas ações apresentadas ao Supremo.

 

O jurista considera que o Código Penal é insuficiente para proteger a população LGBTI, porque as condutas mais comuns vivenciadas por essas pessoas, de discursos de ódio e de discriminação, não são criminalizadas. Somente no estado Rio de Janeiro, 431 pessoas foram vítimas de agressões LGBTfóbicas ao longo do ano passado, segundo relatório divulgado neste mês pela Secretaria de Estado de Segurança Pública.

 

“A homotransfobia precisa ser criminalizada porque vivemos verdadeira ‘banalidade do mal’ homotransfóbico, no sentido de muitas pessoas se acharem detentoras de um pseudo ‘direito’ de ofender, discriminar e até mesmo agredir e matar pessoas LGBTI por sua mera orientação sexual ou identidade de gênero”, afirma Iotti.

 

Os números da LGBTfobia em 2018

 

Uma pesquisa feita pelo Grupo Gay da Bahia e divulgada em janeiro apontou que, em 2017, foi registrado o maior número de casos de morte relacionados à LGBTfobia desde que o monitoramento começou a ser elaborado pela entidade, há 38 anos. No ano passado, 445 lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais foram mortos em crimes motivados por discriminação LGBTfóbica. Os dados representam uma vítima a cada 19 horas.

 

“É inadmissível que a gente continue sendo o País que mais mata LGBTs no mundo, e o Congresso Nacional não olhe para esses números e consiga aprovar um projeto para erradicar esse tipo de crime. E é por isso que a gente recorre ao Supremo”, afirma Keila Simpson, presidente da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (ANTRA).

 

É inadmissível que a gente continue sendo o País que mais mata LGBTs no mundo e o Congresso Nacional não olhe para esses números

– Keila Simpson, presidente da ANTRA.

 

“Em 1995 tivemos as primeiras discussões no Congresso sobre o assunto e até 2018 não temos nenhuma lei”, reforça Toni Reis, diretor-presidente da Aliança Nacional LGBTI+. Um projeto, o PL 5.003/2001, de autoria da ex-deputada federal pelo PT Iara Bernardi, chegou a ser aprovado na Câmara dos Deputados em 2006, mas acabou arquivado no Senado Federal em 2014.

 

A recusa do Congresso Nacional em votar legislação que tipifique o crime é tratada na Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão (ADO) 26, impetrada pelo PPS em 2013. O texto defende que “o legislador não aprova, mas também não rejeita, deixando este e todos os outros temas relativos à população LGBT em um verdadeiro limbo deliberativo”.

 

A discussão no STF em 2019

 

Depois de 6 anos em tramitação, o mandado de injunção havia sido incluído na pauta de julgamento em novembro, mas foi retirado a pedido da própria ABGLT, para que fosse julgado em conjunto com a ADO 26. Havia o temor de que o STF entendesse que o mandado não seria o instrumento adequado fazer essa alteração na lei, afirma Iotti.

 

Os dois pedidos foram pautados para o dia 12 de dezembro, mas na semana do julgamento foram adiados novamente. Dessa vez, a iniciativa partiu do relator da ADO, ministro Celso de Mello.

 

Em 1995 tivemos as primeiras discussões no Congresso sobre o assunto e até 2018 não temos nenhuma lei

– Toni Reis, diretor-presidente da ABGLT.

 

As duas ações já foram incluídas pelo presidente do STF, ministro Dias Toffoli, na pauta de julgamentos do dia 13 de fevereiro, mas ainda que os votos dos relatores sejam lidos na sessão, qualquer outro ministro pode interromper a análise se fizer um pedido de vista.

 

A expectativa de Iotti e de outros ativistas do movimento LGBT, no entanto, é de que a análise do tema seja concluída ainda no ano que vem e de forma favorável à criminalização.

 

Os 2 pedidos já tiveram parecer favorável da Procuradoria-Geral da República, lembra o advogado. A procuradoria apenas não concorda com o pedido de indenização das vítimas de homotransfobia pelo Estado defendido nas ações.

 

Para Keila Simpson, da Antra, a estratégia de adiar o julgamento para fevereiro, apesar de um pouco frustrante, é razoável. “Agora é importante continuar mobilizando nossos pares e atuando muito fortemente junto ao Supremo para que eles possam apreciar a matéria e votar favoravelmente”, reforça a ativista.

 

Toni Reis, da Aliança Nacional LGBTI+, conta que esteve com Toffoli em novembro e reforça a expectativa otimista para o julgamento. “O STF já deu provas que está do lado da Constituição e isso nos dá uma grande segurança”, avalia.

 

 

HUFFPOSTBRASIL


oficial_cartaz_carnatal_2018
4 de dezembro de 2018

Venha curtir o CARNATAL na Escola de Samba A Casamba do Movimento LGBT – Rio Claro


E ai todo mundo preparado para curtir uma folia às vésperas do Natal e no estilo carnavalesco?

 

Com o melhor do pop/funk/trash/indie/black/axé que a gente ama, só chegar NACASAMBA!

 

Dia 15 de Dezembro de 2018 a partir das 18:00 horas esperamos você e a sua turma para curtir um CARNATAL com a galeraaa.

 

LINE UP:

Naomi-X
Pink

 

Apresentação Grupo de Dança Over-X
Apresentação da Bateria Oficial
Escola de Samba A Casamba

 

A Casamba se apresenta com o melhor do Carnaval de Rio Claro/SP e região, seguida por diversos foliões apaixonados por sua magia, a Escola promete agitar a noite do sábado de dezembro, relembrando a magia que é o Carnaval e encanto que a Escola proporciona!

 

A noite vai rolar solta :P

 

Local: Escola de Samba A Casamba
Endereço: Rua 3A N° 1105 – Vila Martins – RIO CLARO/SP
ENTRADA R$10,00
Aceitamos crédito e débito.

 

Compartilhando esse Post ou pedindo sua música no mural do evento, você automaticamente concorre a 1 Entrada Free!

 

Link Oficial do Evento #CARNATAL #NACASAMBA:
https://www.facebook.com/events/2393385104022443/

UiIiIiiiiiI UiIiIiiiiiI rsss
CoOooOrreeee SORTEIO FREE

 

*** Precinho Joia no Bar ***
*** Aninha Pastéis – Fritos na Hora ***
*** Bolos & Bolotas ***

 

Durante o evento campanhas socioeducativas estarão sendo realizadas, e arrecadação voluntária de donativos, tais como: alimentos perecíveis, shampoo’s – condicionadores, sabonetes líquidos – meias – leites – lenços umedecidos – fraldas geriátricas – Pomadas para assadura – hidratantes – livros – brinquedos.

 

A iniciativa das arrecadações são da Organização Solidária do Consolação e Tia Dai Pet Shop.
Venha somar forças, dançar muito, rir conosco e curtir o Carnatal do Movimento LGBT

 

Participe!

 

oficial_cartaz_carnatal_2018

  
Se for dirigir não beba!
Proibido a venda de bebida alcoólica para menores de 18 anos.


equinocio2018
26 de novembro de 2018

Equinócio 2018 faz doação de dezenas de caixinhas de leites para serem distribuídas em Rio Claro


A XVII Edição do Equinócio Rio Claro/SP foi bombástica novamente, com muito som pesado, a galera das antigas da cidade de Rio Claro/SP se reuniu no dia 27 de outubro de 2018 no Tortuga’s Music Pub, o pessoal que representa o verdadeiro underground como sempre compareceram e bateram muito a cabeça com várias bandas incríveis que tocaram por mais esse ano de 2018.

 

A organização somou forças com a parceria do Tortuga’s para realizar a arrecadação voluntária de caixinhas de leite para o município de Rio Claro/SP, sendo entregues para as assistentes sociais responsáveis da UDAM – União dos amigos, onde a remessa de doações serão repassadas para as famílias mais carentes e em situação de maior vulnerabilidade na cidade.

 

O Encontro de Rock do Equinócio, ou simplesmente Equinócio, como é mais conhecido, surgiu em 2001 por iniciativa de Júlio Pizzotti, e tem como objetivo principal reunir a juventude num evento cultural e artístico, dando total apoio ao Rock Alternativo.

 

O Equinócio é Projeto de Lei de autoria do Vereador Yves Carbinatti, projeto que institui o Evento de Rock do Equinócio Rio Claro/SP no Calendário Oficial do Município de Rio Claro/SP, de 13 de Novembro de 2017.

 

Durante a realização dos eventos são desenvolvidas campanhas como “Diga Não às Drogas” e “Diga Não à Violência”.

 

O Evento ARRECADA CAIXINHAS DE LEITE, que por 16 anos foram encaminhadas ao Fundo Social de Solidariedade do Município, reforçando a iniciativa e parceria de movimentos populares com a Prefeitura.

 

O local escolhido para a realização desse evento cultural, que sempre recebe o apoio das secretarias de Cultura e Turismo da Prefeitura Municipal de Rio Claro/SP, é a Estação Ferroviária de Rio Claro, na Rua 1 com Avenida 1.

 

O evento recebe em média acima de 3.000 pessoas, reúne bandas do Estado de São Paulo e do Brasil, e faz parte do calendário cultural anual da cidade, é um dos maiores eventos do Rock Underground Brasileiro e referência nacional.

 

“Todo ano o Equinócio arrecadou quantidade significativa de caixinhas de leite para apoiar e dar suporte para as famílias que se encontram em situação de maior vulnerabilidade na cidade de Rio Claro/SP.

 

O Evento pioneiro denominado Rock do Equinócio, é um evento que abriu portas para diversos novos produtores de eventos/fazedores de cultura independentes a ocuparem e desenvolverem da melhor forma a ocupação do espaço público que é a Estação Ferroviária, é um evento muito importante na cidade, mas infelizmente ano passado e esse ano tivemos que alterar a sua data e o local de última hora (formalizamos todos os documentos e solicitações no começo do ano, como sempre fazemos), devido as respostas equivocadas, atrasadas e não formalizadas das diversas secretarias procuradas e da Prefeitura Municipal de Rio Claro/SP, nos trazendo muita dor de cabeça, exposição desnecessária e nos trazendo sérios prejuízos para com o festival e jovens que frequentam e seguem o Festival desde 2001.

 

Lamentável essa gestão não apoiar eventos beneficentes e organizações pioneiras na cidade, uma vez que esses mesmos eventos ajudam muitas pessoas voluntariamente. De qualquer forma, realizamos a doação anual do Equinócio para explicitar, que apesar da Prefeitura estar realizando visivelmente uma retaliação pelo segundo ano seguido acerca do Festival, afirmamos o nosso compromisso de continuar com as doações, uma vez que não participamos de “joguinhos políticos e não nos vendemos”, e o nosso interesse é maior: o bem comum das pessoas que vivem em situações de risco, como é o caso de muitas famílias na cidade, que não tem nem o que dar de comer para os  seus filhos.

 

Independente da ajuda da Prefeitura, ano que vem terá mais Equinócio, e a organização espera que em 2019 a situação melhore, assim como a capacidade das pessoas que recebem altos salários pagos com o dinheiro dos nossos impostos, pois do jeito que está as ações dessa gestão municipal do Sr. João Teixeira Junior não é aceitável, onde comissionados e incompetentes dessa administração terrível, se sobrepõem frente a pessoas concursadas e capacitadas para atendimento da população.

 

Agradecemos a todos que compareceram e seguem o festival que é referência e pioneiro em Rio Claro/SP e na região, agradecemos toda a participação e compreensão, que fique aqui registrado o nosso muito obrigada novamente a todos que foram prestigiar o evento beneficente”, comenta Leila Pizzotti – Assessora de Imprensa e Comunicação da Organização do Equinócio.


CHILE-SOCIETY-HALLOWEEN
1 de novembro de 2018

Conheça a origem do nome Halloween e da sua celebração


O surgimento da celebração vem de povo antigos que habitavam a Grã-Bretanha nos séculos 2 e 3 antes de Cristo.

 

Uma das datas festivas mais famosas da história, o Halloween, também chamado de Dia das Bruxas é comemorado nesta quarta-feira, dia 31 de outubro e mobiliza pessoas para se reunirem em festas a fantasia e eventos com temas de terror e leva crianças às ruas para o clássico “doces ou travessuras”. Essas brincadeiras surgiram de tradições de povos antigos.

 

O termo Halloween é derivado de “All Hallow’s Eve”, que em português significa “véspera do Dia de Todos os Santos”, comemorado no dia 1º de novembro. “Hallow” é um nome antigo para “santo”, e “eve” é “véspera”.

 

As data foi popularizadas pela cultura norte-americana, mas, na verdade, a comemoração tem origem britânica. A celebração original marcava o início de um festival dos celtas, povo que habitava a Grã-Bretanha entre os séculos 2 e 3 antes de Cristo. O ritual era chamado de Samhain, “fim do verão”, traduzido para o português, e durava três dias.

 

De acordo com pesquisadores entrevistados pela revista Superinteressante, a festa homenageava o “rei dos mortos” celebrando a abundância de comida após a colheita do verão, o início do inverno e o Ano Novo Celta. A festividade inspirou alguns dos costumes da atual celebração do Halloween (sustos, fantasias e doces).

 

No perído da festa, os celtas acreditavam que podiam entrar em contato com o mundo dos mortos. Nesse contato, todos os tipos de espíritos eram libertados e demônios, fantasmas e fadas ficavam a solta nos vilarejos, criando um “caos”. Para isso, os celtas se fantasiavam com cabeças e peles de animais. Esse fato motivou o uso de fantasias e adereços no Halloween moderno.

 

Leite e comida eram deixados nas portas de casas para acalmar as almas do além. Esse costume se transformou em “doces ou travessuras”. Hoje em dia, crianças se fantasiam e batem de casa em casa pedindo “gostusores” sob a condição de pregar peças nos moradores em caso de recusa, como se fossem fantasmas ou espíritos.

 

 

Fonte: O Povo
Foto: AFP – No dia 31 de outubro, crianças saem às ruas fantasiadas para pedir doces