Revista Colaborativa Rio Claro Online Contato WhatsApp: +55 19 99646.5260 | 3597.0881 contato@rioclaroonline.com.br


coronavirus
25 de março de 2020

Secretaria Estadual da Saúde registra um caso positivo de coronavírus em Rio Claro


A Secretaria de Estado da Saúde confirmou que o município de Rio Claro registra o primeiro caso positivo de coronavírus (Covid-19).

 

O Governo Estadual não relatou outros detalhes, apenas que o paciente possui registro na cidade de Rio Claro/SP.


educacao21
22 de março de 2020

Coletivo afirma que 900 trabalhadores eventuais não vão receber salários no período de quarentena do Covid-19 por decisão da Prefeitura de Rio Claro/SP em meio à Pandemia


A denúncia que a Prefeitura de Rio Claro/SP não pagaria os salários de 900 trabalhadores eventuais na área da Educação veio por meio das redes sociais, em forma de protesto do Coletivo “Professores pela Educação” e de pessoas revoltadas com a situação em meio à Pandemia do Coronavírus.

 

O Coletivo Professores pela Educação publicou o seguinte texto na data de ontem (20):

 

REPÚDIO A DECLARAÇÃO DO PREFEITO JUNINHO E A DISPENSA NÃO REMUNERADA DOS TRABALHADORES EVENTUAIS !

 

O Coletivo Professores pela Educação posiciona-se frontalmente contra o corte de salário dos trabalhadores eventuais durante o período de suspensão das atividades escolares.

 

“AH, MAS ELES NÃO TEM VÍNCULO EMPREGATÍCIO… NÃO TEM COMO JUSTIFICAR O PAGAMENTO…”

E A PANDEMIA? E O DIREITO A SOBREVIVÊNCIA? NÃO SERIA UMA BOA JUSTIFICATIVA, PREFEITO?

educacao19 educacao17educacao16educacao13 educacao12  educacao21educacao11educacao10 educacao09 educacao08educacao07 educacao04 educacao03 educacao02educacao01

Todos sabemos que as escolas municipais de Rio Claro não estariam funcionando não fosse pelo trabalho de tantos trabalhadores em regime de informalidade e sem quaisquer direitos garantidos. Sabemos também que a ampla maioria desses que trabalham nas escolas seja como professores ou em outros cargos, são mulheres. Mulheres que com esse salário sustentam suas famílias, mulheres que já tem tanta dificuldade em conseguir empregos pelo simples fato de serem mães. Mulheres que não terão com quem deixar seus filhos durante a suspensão das aulas e tampouco poderão trabalhar em qualquer outro “bico” durante esse momento de pandemia.

 

Nós que trabalhamos nas escolas, sabemos que grande parte dessas trabalhadoras e trabalhadores, apesar de serem chamados “eventuais”, de eventual pouco ou nada tem. As escolas permanecem com essas pessoas por meses ou até anos inteiros. Essas pessoas aprendem o trabalho nas escolas e se dedicam tanto quanto qualquer efetivo. Não fosse isso, e a vida e o trabalho das escolas seria inviável, pois exige o mínimo de continuidade para que um trabalho educativo aconteça!

 

educacao05

 

E é por isso que nós do Coletivo Professores pela Educação queremos nos solidarizar, e para além disso reivindicar junto aos nossos colegas, o direito à sobrevivência durante essa pandemia.
E apresentamos à toda a comunidade escolar, famílias, alunos, bairros a situação em que nos encontramos: Serão cerca de 900 pessoas dispensadas sem garantia de qualquer meio para subexistir durante a suspensão das aulas.ISSO É INACEITÁVEL!

 

educacao18

 

EXIGIMOS RESPEITO. PELO DIREITO A SOBREVIVÊNCIA!

NÃO À INTERRUPÇÃO DOS SALÁRIO PARA OS EVENTUAIS DURANTE A SUSPENSÃO DAS AULAS!

 

O Coletivo também cobrou posicionamento do Sindicado SINDMUNI:

“E aí Sindicato? Qual vai ser?”

 

sindicato educacao20

Todos os envolvidos levantaram a #tag:

#somostodostrabalhadoresdaeducação

 

Trabalhadores eventuais se organizaram e criaram uma

Petição Pública também:  Petição – Clique aqui!

 

 

PSOL Rio Claro – SP também se posicionou:

 

educacao15

 

Senhor Prefeito, estamos em uma PANDEMIA! Momento que precisamos ter um olhar cuidadoso pelos nossos munícipes, principalmente o GESTOR. Teremos tempos difíceis, e abandonar a própria sorte os eventuais que trabalham no serviço público há, 5, 6, 7 anos é no mínimo desumano e covarde. São 900 pessoas, mas temos que ler que são 900 famílias! E uma questão jurídica, que pode ser analisada diante do atual momento, não poderá abandonar essas MULHERES, pois a maioria são mulheres, mães de famílias!


Mas enquanto o senhor, demite funcionários da área da educação, que cumprem um papel fundamental no nosso município, ao mesmo tempo quer manter cerca de 500 funcionários comissionados, que, segundo a justiça, já deveriam ter sido demitidos a tempos. Se o senhor prosseguir com tal decisão, acabará por entrar na história do município de pior maneira possível.


Agora resta ao senhor, tomar consciência de seus atos e tomar providências quanto ao bem estar desse 900 funcionários, garantido maneiras de que eles não fiquem desamparados em um momento tão instável da conjuntura nacional e internacional.

 

O debate se intensificou nas redes sociais nas últimas horas e ganhou mais adeptos favoráveis ao Coletivo “Professores pela Educação”. A gestão do Prefeito João Teixeira Junior, “Juninho da Padaria”, foi citada diversas vezes em comentários negativos.

 

A representante da Prefeitura de Rio Claro/SP, a Secretária de Cultura do município, Daniela Ferraz, se posicionou ontem também (20), através de um grupo no facebook denominado “Rio Claro Grupo”, a secretária foi contra o Coletivo e realizou críticas alegando que a movimentação nas redes sociais se tratava de “Fake News”:

 

daniela-ferraz-rioclaro-sp

a2

 

A reação da população a respeito do posicionamento da Secretária de Cultura foi imediata, inúmeros comentários surgiram e a indagaram mais a respeito sobre o assunto, Daniela Ferraz até tentou responder alguns, mas a grande maioria deles ficou sem respostas.

 

A Repórter da Rio Claro Online, Leila Pizzotti cobrou respostas da secretária e comentou a postagem também com os seguintes dizeres:

 

“Que maravilha Daniela, resolveu aparecer no meio do povo em vésperas de eleição? Eu acho PERFEITO! Vamos conversar PUBLICAMENTE sobre a corrupção que está rolando faz anos na SECRETARIA DE CULTURA DE RIO CLARO/SP a qual você está representando desde o início da gestão da Padaria? A conversa é somente entre você e eu, vamos lá Sra? SEM FAKES! Todos nós queremos ler as suas palavrinhas bonitinhas… e aí, vamos conversar a respeito?! #mostreasuacoragem #sejamulherdeverdade #vamosconversar #publicamenteok e obs.: No meio judicial a gente conversa em off e na frente do juiz também, fica tranquilinha.”

 

A secretária não respondeu mais os comentários, e no início dessa manhã (21) apagou a postagem.

 

A dúvida e a aflição de 900 trabalhadores ainda segue sem a devida resposta do poder público:

 

Será que todos vão conseguir sobreviver em meio à pandemia do coronavírus que se aproxima sem receber os seus salários? O Coletivo busca alternativas para essa questão e aguarda que a Prefeitura mude de ideia ainda.


MPF
24 de janeiro de 2020

MPF pede à Justiça Federal suspensão de Sisu, Fies e Prouni


O pedido é para que o calendário seja interrompido até realização de uma auditoria no resultado do Enem, sob pena de multa diária no valor de R$ 10 milhões.

 

Ministério Público Federal (MPF) pediu nesta sexta-feira (24) à Justiça Federal que determine a suspensão das inscrições e a consequente alteração dos calendários 2020 do Sistema de Seleção Unificada (SiSU), do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) e do Programa Universidade para Todos (Prouni). A solicitação foi feita por meio da Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão (PRDC) em Minas Gerais.

 

Caso as medidas sejam descumpridas, o MPF requereu que seja aplicada uma multa diária no valor de R$ 10 milhões.

 

O pedido é para que a suspensão seja aplicada até a realização de uma auditoria no resultado do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2019, sugerida por especialistas em avaliação educacional.

 

O pedido foi apresentado à Justiça Federal em uma ação civil pública contra a União e o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), responsável pela realização do Enem.

 

Também é solicitado que o Inep realize nova conferência dos gabaritos de todos os candidatos que compareceram ao Enem 2019, de forma a garantir a idoneidade, a correção do resultado do exame e a correspondência entre o gabarito utilizado e a prova realizada pelo candidato.

 

Na ação, é solicitada concessão de tutela de urgência, diante dos “danos irreversíveis” que podem ser causados aos estudantes — visto que as inscrições para o Sisu foram iniciadas na terça-feira (21) e devem seguir até domingo (26), com divulgação do resultado final agendada para o dia 28 de janeiro.

 

Para o MPF, a adoção da medida é essencial para assegurar a lisura e idoneidade do Exame Nacional do Ensino Médio, que neste ano contou com a participação de 3,9 milhões de candidatos.

 

“Além disso, a providência mostra-se indispensável em razão de o Enem ser utilizado como porta de acesso ao ensino superior em universidades públicas brasileiras, por meio do Sistema de Seleção Unificada (SiSU). Também se presta ao ingresso no ensino superior em instituições privadas, seja em substituição à prova de vestibular, seja por meio do Programa Universidade para Todos (ProUni), bem como para obtenção de financiamento através do Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (Fies). Também é utilizado para o acesso a algumas universidades no exterior, sendo uma política pública tão importante que chegou a substituir o vestibular em muitas universidades/faculdades brasileiras”, diz a ação.

 

De acordo com o MPF, o Ministério da Educação (MEC) e o Inep utilizaram parâmetro de amostragem para tentar identificar as inconsistências ocorridas, sem, todavia, considerar os 173 mil candidatos (número divulgado pelos próprios) que encaminharam e-mails apontando inconsistências em suas notas. “Não se podendo olvidar que esse número poderia ser bem maior, já que expressivo número de candidatos encaminharam seus pedidos a despeito da inexistência de comunicação oficial, do curto prazo e de se tratar de situação ocorrida em final de semana”, diz o documento.

 

Seis mil erros

 

No começo da semana, o MEC admitiu que cerca de 6 mil erros foram identificados em notas do Enem 2019. Além da falha inicial ocorrida na gráfica, também foram encontradas notas erradas provocadas por outras falhas, como na aplicação. Mesmo assim, o governo optou por manter o cronograma do Sisu.

 

Na ação, também há pedido para que a Justiça intime a União e o Inep para uma audiência de conciliação, com máxima urgência, e que pode contar com a participação de especialistas em avaliação educacional.

 

O MPF solicita, ainda, que seja apresentada resposta formal a todos os pedidos de correção/apuração feitos pelos estudantes, com eventual retificação da nota final e sua devida repercussão no conjunto global de candidatos, se for o caso.

 

No dia 22 de janeiro, a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão pediu para que a inscrição no Sisu fosse suspensa pelo governo federal, mas a recomendação não foi seguida.

 

Postura do MEC afronta defesa dos direitos, diz MPF

 

Para o MPF, a postura do MEC e do Inep em relação aos candidatos prejudicados afronta o disposto no artigo 12 da Lei 13.460/ 2017 (Código de Usuário do Serviço Público), que dispõe sobre participação, proteção e defesa dos direitos do usuário dos serviços públicos da administração pública.

 

“Como apurado pelo Ministério Público Federal, as requeridas descumpriram todos os incisos do parágrafo único da referida lei. Não emitiram comprovante ao e-mail pessoal dos candidatos, não analisaram todas as solicitações feitas, não houve decisão administrativa final e tampouco ciência ao usuário.”

 

O MPF destaca que os editais e regramentos do Enem devem ser entendidos como “leis” do exame e de tudo que ele representa, de modo que a própria legalidade também é descumprida quando não há o estrito cumprimento das regras pertinentes.

 

“Mais do que as inconsistências apuradas, a resposta do MEC e do Inep geram insegurança jurídica acerca do resultado do Enem 2019.”

 

A ação judicial aponta que as Salas de Atendimento ao Cidadão do MPF em todo o Brasil receberam quase 500 representações sobre problemas nos resultados do Enem. Em Minas Gerais, o MPF recebeu mais de 100 representações, a PRDC entrou em contato com vários desses estudantes que haviam buscado o órgão para atuar na questão e todos eles afirmaram não terem recebido devolutiva acerca dos recursos apresentados ao Inep (via e-mail) — os quais, inclusive, não foram identificados por nenhum protocolo, nem mesmo uma resposta automática.

 

Para o MPF o que está em jogo não é apenas o resultado do Enem 2019, mas a credibilidade e lisura dessa forma de acesso ao Ensino Superior.

 

“O bem jurídico sob tutela vai muito além do interesse imediato dos 3,9 milhões de alunos participantes do Enem 2019 — número que, por si só, já seria suficiente para que o MEC e o Inep tratassem a ocorrência de qualquer falha daquele exame com maiores cuidados e cautelas. Em verdade, a depender do tratamento que seja dispensado à apuração da extensão das ‘inconsistências’ e às consequências daí decorrentes é a credibilidade do maior instrumento de política educacional do Brasil que está em jogo, pois referido exame vem se afirmando, há mais de duas décadas, como o meio mais justo, adequado e legítimo de acesso ao ensino superior e avaliador do Ensino Médio no país”.

 

O MPF lembra ainda que o Enem é também o meio pelo qual o Estado avalia, anualmente, a qualidade do Ensino Médio e de seus alunos em todo o Brasil.

 

“Corresponde, portanto, a instrumento fundamental para estabelecer diagnósticos e traçar políticas públicas voltadas ao ensino médio. Nesse caso, abrange público jovem, ao qual a Constituição da República, o Estatuto da Criança e do Adolescente e o Estatuto da Juventude conferem absoluta prioridade pelo Estado, pela família e por toda a sociedade”, diz a ação.

 

 

Com informações UOL


unesp
24 de janeiro de 2020

Vestibular Unesp 2020 divulga segunda-feira (27/1) o resultado final


Calendário completo prevê ainda matrículas do Processo Seletivo Olimpíadas do Conhecimento e preenchimento de vagas remanescentes pelo Enem 2018 ou 2019

 

A Universidade Estadual Paulista (Unesp) publicará a partir das 10 horas de 27 de janeiro, segunda-feira, o resultado final do Vestibular 2020, com oferta de 7.725 vagas em 24 cidades. Os candidatos poderão fazer a consulta nos sites vestibular.unesp.br e www.vunesp.com.br. A matrícula em primeira chamada será realizada nos dias 27 e 28 de janeiro, de forma virtual, com link pelo site da Vunesp ou diretamente pelo Sistema de Graduação da Unesp (Sisgrad), no endereço http://sistemas.unesp.br/calouros.

 

Estão previstas ainda duas formas de ingresso para a Unesp neste início de ano: Processo Seletivo Olimpíadas Científicas Unesp 2020 e Preenchimento de Vagas Remanescentes pelas Notas do Enem. Os inscritos na seleção das Olimpíadas, com oferta de 195 vagas adicionais criadas pela Universidade, poderão consultar o resultado em 30 de janeiro e realizar a matrícula a partir das 10 horas de 7 de fevereiro, também pelo Sisgrad da Unesp.

 

O preenchimento de eventuais vagas remanescentes da Unesp para candidatos do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2018 ou 2019 estende-se pela primeira vez a todos os inscritos nos dois anos, mais de 10,5 milhões de candidatos, sem necessidade de estar inscrito no Vestibular Unesp. O período para estes interessados declararem interesse e participarem das chamadas seguintes para matrícula vai de 13 a 17 de fevereiro, com cadastramento exclusivo pelo site da Vunesp (www.vunesp.com.br).

 

As 7.725 vagas do Vestibular Unesp 2020 são para as seguintes cidades: Araçatuba (170 vagas), Araraquara (855), Assis (405), Bauru (1.085), Botucatu (600), Dracena (80), Franca (410), Guaratinguetá (310), Ilha Solteira (470), Itapeva (80), Jaboticabal (280), Marília (475), Ourinhos (90), Presidente Prudente (640), Registro (80), Rio Claro (490), Rosana (80), São João da Boa Vista (80), São José do Rio Preto (460), São José dos Campos (120), São Paulo (185), São Vicente (80), Sorocaba (80) e Tupã (120).

 

A Unesp destina pelo menos 50% das vagas por curso (total de 3.878 vagas entre as 7.725 do Vestibular) ao Sistema de Reserva de Vagas para Educação Básica Pública. Destas vagas do sistema, reserva 35% a quem se autodeclara preto, pardo ou indígena.

 

 

 

CALENDÁRIO DE INGRESSO NA UNESP (PRÓXIMOS EVENTOS)

 

27 de janeiro (segunda-feira)

Divulgação do resultado e dos convocados em primeira chamada (10h)

Matrícula virtual em primeira chamada (a partir das 10h)

 

28 de janeiro (terça-feira)

Matrícula virtual em primeira chamada (até as 18h)

 

30 de janeiro (quinta-feira)

Divulgação dos convocados em segunda chamada (a partir das 10h)

Matrícula virtual em segunda chamada (a partir das 10h)

Divulgação do resultado do Processo Seletivo Olimpíadas Científicas (a partir das 10h)

 

31 de janeiro (sexta-feira)

Matrícula virtual em segunda chamada (até as 18h)

 

4 de fevereiro (terça-feira)

Divulgação dos convocados em terceira chamada (a partir das 10h)

Matrícula virtual em terceira chamada (a partir das 10h)

 

5 de fevereiro (quarta-feira)

Matrícula virtual em terceira chamada (até as 18h)

 

7 de fevereiro (sexta-feira)

Divulgação dos convocados em quarta chamada (a partir das 10h)

Divulgação dos convocados do Processo Seletivo Olimpíadas Científicas (a partir das 10h)

Matrícula virtual em quarta chamada (a partir das 10h)

Matrícula virtual do Processo Seletivo Olimpíadas Científicas (a partir das 10h)

Declaração de interesse em reopção de curso (a partir das 10h)

 

 

Mais informações

Informações sobre todos os cursos da Universidade estão no Guia de Profissões, em www.unesp.br/guiadeprofissoes

Para tirar dúvidas sobre o vestibular, o candidato pode fazer contato com o Disque Vunesp, no telefone (11) 3874-6300, em dias úteis, das 8h às 18h. Ou então acessar os sites vestibular.unesp.br e www.vunesp.com.br.

 

 

Sobre a Unesp

A Unesp é uma universidade pública e gratuita, que está entre as maiores e melhores do país e da América Latina. Presente em 24 cidades do Estado de São Paulo, com 34 unidades universitárias, desenvolve atividades de ensino, pesquisa e extensão em todas as áreas do conhecimento.

 

Criada em 1976, a Universidade tem aproximadamente 54 mil estudantes, entre alunos de graduação e pós-graduação (stricto sensu).

 

Oferece ainda cursos pré-vestibulares gratuitos e mantém programas de extensão abertos para a comunidade.

 

Três escolas de ensino técnico também são mantidas pela Unesp, que possui cerca de 1.900 laboratórios e 30 bibliotecas, além de cinco fazendas de ensino e pesquisa e três hospitais veterinários.


unesp
4 de dezembro de 2019

Vestibular Unesp 2020 divulga hoje o resultado da primeira fase


Provas comuns da segunda fase serão aplicadas nos dias 16 e 17 de dezembro

 

A Universidade Estadual Paulista (Unesp) divulgará a partir das 10 horas desta quarta-feira (4/12) o resultado da primeira fase do Vestibular 2020, com oferta de 7.725 vagas em 24 cidades. O exame registra 95.440 inscritos. A consulta do desempenho na prova do dia 15 de novembro e a eventual consulta de local de prova dos convocados para a segunda fase poderão ser feitas no site da Fundação Vunesp (www.vunesp.com.br), responsável pelo exame. A lista de convocados para a segunda fase e a tabela com o número mínimo de acertos por curso dos convocados serão divulgadas no decorrer do dia 4, no site da Vunesp e também na página da Unesp (unesp.br/vestibular).

 

As provas comuns da segunda fase serão aplicadas nos dias 15 e 16 de dezembro, domingo e segunda, em 31 cidades paulistas (além das 24 onde estão sendo oferecidos cursos, os exames acontecerão em Americana, Campinas, Guarulhos, Jundiaí, Piracicaba, Ribeirão Preto e Santo André) e ainda em Brasília (DF), Campo Grande (MS), Curitiba (PR) e Uberlândia (MG).

 

Para os cursos do Instituto de Artes, na capital, e de Arquitetura e Urbanismo, Artes Visuais e Design, de Bauru, é aplicada a prova de habilidades, entre os dias 8 e 14 de dezembro, conforme o calendário do Manual do Candidato, disponível para consulta na página da Vunesp.

 

As 7.725 vagas do Vestibular Unesp 2020 são para as seguintes cidades: Araçatuba (170 vagas), Araraquara (855), Assis (405), Bauru (1.085), Botucatu (600), Dracena (80), Franca (410), Guaratinguetá (310), Ilha Solteira (470), Itapeva (80), Jaboticabal (280), Marília (475), Ourinhos (90), Presidente Prudente (640), Registro (80), Rio Claro (490), Rosana (80), São João da Boa Vista (80), São José do Rio Preto (460), São José dos Campos (120), São Paulo (185), São Vicente (80), Sorocaba (80) e Tupã (120).

 

A Unesp destina pelo menos 50% das vagas por curso (total de 3.878 vagas entre as 7.725 do Vestibular) ao Sistema de Reserva de Vagas para Educação Básica Pública. Destas vagas do sistema, reserva 35% a quem se autodeclara preto, pardo ou indígena.

 

Mais informações

 

Informações sobre todos os cursos da Universidade estão no Guia de Profissões, em www.unesp.br/guiadeprofissoes

Para tirar dúvidas sobre o vestibular, o candidato pode fazer contato com o Disque Vunesp, no telefone (11) 3874-6300, em dias úteis, das 8h às 18h. Ou então acessar os sites vestibular.unesp.br e www.vunesp.com.br.

 

Sobre a Unesp

 

A Unesp é uma universidade pública e gratuita, que está entre as maiores e melhores do país e da América Latina. Presente em 24 cidades do Estado de São Paulo, com 34 unidades universitárias, desenvolve atividades de ensino, pesquisa e extensão em todas as áreas do conhecimento.

 

Criada em 1976, a Universidade tem aproximadamente 54 mil estudantes, entre alunos de graduação e pós-graduação (stricto sensu).

 

Oferece ainda cursos pré-vestibulares gratuitos e mantém programas de extensão abertos para a comunidade.

 

Três escolas de ensino técnico também são mantidas pela Unesp, que possui cerca de 1.900 laboratórios e 30 bibliotecas, além de cinco fazendas de ensino e pesquisa e três hospitais veterinários.


unesp
14 de novembro de 2019

Primeira fase do Vestibular Unesp 2020 será aplicada nesta sexta 15.11 para 95 mil candidatos


Caneta para realizar o exame deve ser de tinta preta em tubo transparente.

 

Será realizada em 15 de novembro, sexta-feira, a prova da primeira fase do Vestibular Unesp 2020. Os 95.440 vestibulandos podem consultar local de exame no site www.vunesp.com.br. Os portões serão fechados às duas horas da tarde. Os candidatos devem comparecer ao prédio com uma hora de antecedência, portando original de um dos seguintes documentos: RG, Carteira de Habilitação, Certificado Militar, Carteira de Trabalho, Passaporte, Registro Nacional de Estrangeiros, Identidade expedida pelas Forças Armadas ou carteira de órgão ou conselho de classe.

 

Os materiais de prova a serem levados pelos candidatos são lápis preto (proibido uso de lapiseira), apontador, borracha, caneta esferográfica com tinta preta (fabricada em material transparente) e régua transparente. O exame terá duração de cinco horas, com saída do prédio liberada somente após 3 horas e 30 minutos do início.

 

O exame será aplicado em 31 cidades paulistas (além das 24 onde estão sendo oferecidos cursos, os exames acontecerão em Americana, Campinas, Guarulhos, Jundiaí, Piracicaba, Ribeirão Preto e Santo André) e ainda em Brasília (DF), Campo Grande (MS), Curitiba (PR) e Uberlândia (MG).  A segunda fase será aplicada nas mesmas cidades, nos dias 15 e 15 de dezembro, domingo e segunda-feira.

 

As 7.725 vagas do Vestibular Unesp 2020 são para as seguintes cidades: Araçatuba (170 vagas), Araraquara (855), Assis (405), Bauru (1.085), Botucatu (600), Dracena (80), Franca (410), Guaratinguetá (310), Ilha Solteira (470), Itapeva (80), Jaboticabal (280), Marília (475), Ourinhos (90), Presidente Prudente (640), Registro (80), Rio Claro (490), Rosana (80), São João da Boa Vista (80), São José do Rio Preto (460), São José dos Campos (120), São Paulo (185), São Vicente (80), Sorocaba (80) e Tupã (120).

 

A Unesp destina pelo menos 50% das vagas por curso (total de 3.878 vagas entre as 7.725 do Vestibular) ao Sistema de Reserva de Vagas para Educação Básica Pública. Destas vagas do sistema, reserva 35% a quem se autodeclara preto, pardo ou indígena.

 

Mais informações

Informações sobre todos os cursos da Universidade estão no Guia de Profissões, em www.unesp.br/guiadeprofissoes

Para tirar dúvidas sobre o vestibular, o candidato pode fazer contato com o Disque Vunesp, no telefone (11) 3874-6300, em dias úteis, das 8h às 18h. Ou então acessar os sites vestibular.unesp.br e www.vunesp.com.br.

 

Sobre a Unesp

A Unesp é uma universidade pública e gratuita, que está entre as maiores e melhores do país e da América Latina. Presente em 24 cidades do Estado de São Paulo, com 34 unidades universitárias, desenvolve atividades de ensino, pesquisa e extensão em todas as áreas do conhecimento.

 

Criada em 1976, a Universidade tem aproximadamente 54 mil estudantes, entre alunos de graduação e pós-graduação (stricto sensu).

 

Oferece ainda cursos pré-vestibulares gratuitos e mantém programas de extensão abertos para a comunidade.

 

Três escolas de ensino técnico também são mantidas pela Unesp, que possui cerca de 1.900 laboratórios e 30 bibliotecas, além de cinco fazendas de ensino e pesquisa e três hospitais veterinários.


unesp
21 de agosto de 2019

Unesp cadastrará a partir de 2 de setembro os pedidos de isenção e redução da taxa do Vestibular 2020


A Universidade Estadual Paulista (Unesp) receberá a partir de 2 de setembro os requerimentos dos interessados nas isenções para o Vestibular 2020. Também estará aberto o período para solicitação de redução de 50% do valor da taxa de R$ 170. O exame é o maior da história da Unesp, com 7.725 vagas em 24 cidades.

 

Para pedir isenção, os candidatos deverão preencher até 8 de setembro o formulário de inscrição, disponível na página www.vunesp.com.br. Os pedidos de isenção podem ser feitos de duas formas. Podem pedir isenção vestibulandos cadastrados no CadÚNICO (gerido pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome para Programas Sociais), ou seja, os que têm renda familiar mensal per capita de até meio salário mínimo ou que possuam renda familiar mensal de até três salários mínimos. Estes estudantes preencherão o Número de Identificação Social (NIS) no requerimento de isenção.

 

Também têm direito a pedir isenção os candidatos que concluíram ou concluirão este ano o ensino médio com todo o currículo cumprido em escola pública, na Educação de Jovens e Adultos (EJA) ou com bolsa de estudo integral, se o curso for de instituição particular. Estes vestibulandos precisam ainda ter renda familiar bruta mensal igual ou inferior a um salário mínimo e meio por pessoa, além de residir no Estado de São Paulo ou estar vinculado a uma instituição de ensino localizada em território paulista.

 

O resultado da solicitação de isenção será divulgado em 24 de setembro, no site da Vunesp. Os pedidos deferidos já significarão a efetivação da inscrição do solicitante.

 

O pedido de redução de 50% do valor da taxa destina-se a candidatos matriculados no ensino médio ou em curso pré-vestibular e que recebam remuneração mensal inferior a dois salários mínimos ou estejam desempregados. O prazo é semelhante ao do pedido de isenção. O resultado dos pedidos de redução também será divulgado em 24 de setembro.

 

A Unesp oferece ainda redução de 75% aos cerca de 400 mil alunos matriculados no último ano do ensino médio da rede pública estadual paulista. O período para cadastramento destes candidatos é o mesmo da inscrição dos pagantes de taxa integral, de 9 de setembro a 7 de outubro.

 

A Unesp destina pelo menos 50% das vagas por curso (total de 3.878 vagas entre as 7.725 do Vestibular) ao Sistema de Reserva de Vagas para Educação Básica Pública. A porcentagem de ingressantes oriundos de escolas públicas no Vestibular Unesp 2019  foi de 54,6%. Quando o programa foi iniciado, em 2014, era de 40,7%, ou seja, incentivou o aumento de 34,1% no intervalo de cinco anos.

 

As provas da primeira fase da seleção serão realizadas no dia 15 de novembro, em 31 cidades paulistas e ainda em Brasília (DF), Campo Grande (MS), Curitiba (PR) e Uberlândia (MG). No ano passado, o total foi de 98.435 inscritos no Vestibular Unesp.

 

Mais informações:

 

Informações sobre todos os cursos da Universidade no Guia de Profissões, em www.unesp.br/guiadeprofissoes

Disque Vunesp – (11) 3874-6300 (em dias úteis, das 8 às 18 horas)

Sites – vestibular.unesp.br e www.vunesp.com.br


senac
23 de julho de 2019

Evolução tecnológica gera alternativas econômicas às empresas e otimização de processos


Conceitos como Internet das Coisas e economia criativa digital modernizam funcionalidades corporativas e integram informações

 

A evolução tecnológica está fomentando a automação de serviços e sistemas que proporcionam alternativas administrativas mais econômicas às empresas, como a redução de custos e otimização de investimentos. Com isso, projetos integrados que conectam dispositivos fixos e móveis são grandes elementos dessa nova relação e já estão mais do que presentes no cotidiano corporativo.

 

Para Fernando de Souza Pereira, docente da área de tecnologia da informação do Senac Piracicaba, se pensarmos nossa rotina diária hoje, estamos completamente conectados por meio de aplicativos, seja pessoalmente ou profissionalmente. “Atualmente, conceitos como a Internet das Coisas, o avanço da linguagem de programação e até o fenômeno das redes sociais nos liga, mesmo que indiretamente, a um único ponto de conexão: a web”.

 

Segundo o docente, bons exemplos dessa integração são ferramentas básicas como o WhatsApp, Facebook e Instagram, que não são mais pensadas somente do ponto de vista social, mas como ações integrativas de capital. “Se a empresa conseguir aproveitar essa variedade de tecnologias e dispositivos, ela já terá uma predisposição a assumir a vanguarda econômica e administrativa perante a concorrência”.

 

Fundamentais à economia criativa digital, os dispositivos tecnológicos, aliados a ilimitada criatividade humana, possibilitam um avançado processamento e desempenho dos serviços empresariais. “Os exemplos vão desde um aplicativo de entrada e saída de despesas a grandes plataformas bancárias digitais”, pontua Fernando.

 

Um exemplo de sistema integrado capaz de beneficiar economicamente serviços empresariais foi desenvolvido por Tiago Félix, 32 anos, ex-aluno do curso Assistente de Desenvolvimento de Aplicativos Computacionais no Senac Piracicaba. Idealizada em 2018, a plataforma começou como um projeto prático das aulas, que unificaria informações de entrada e saída de carros para inspeção em empresas que lidam com a manutenção de automóveis.

 

Todo o processo de criação do sistema foi um período de novas experiências para Tiago, que trabalhou com linguagens tecnológicas e suas funções. “No total, foram três meses entre o desenvolvimento da plataforma até a entrega final, sempre recebendo orientação pedagógica da unidade. Hoje, ele já é utilizado no mercado e reúne mais de 10 mil cadastros. Pelo feedback que recebo constantemente, simplificou o trabalho dos responsáveis pelos caixas dos clientes no fechamento de cada mês”, explica o ex-aluno.

 

Internet das Coisas

 

Consequência da revolução tecnológica, a Internet das Coisas é parte fundamental desse processo. Derivada do termo em inglês Internet of Things, o conceito refere-se à total conexão de sistemas e pessoas com a rede mundial de computadores e abre amplas possibilidades administrativas e organizacionais.

 

Nas empresas, esses dispositivos podem monitorar temperaturas e velocidade de máquinas, índices de umidade, radiação e muito mais. No campo, podem controlar o crescimento de plantas, a incidência de pragas e coloração das frutas, por exemplo. Em casa, um simples controle de luzes é possível de ser feito pela internet.

 

“Por meio de sensores em objetos físicos ou orgânicos, conectados por meio de redes com e sem fio, é possível agilizar processos e descobrir efetividades e anomalias. Esses sistemas trazem inteligência e racionalidade ao planejamento público, privado e social, além, claro, de diminuir custos de operações”, diz Diego João de Ramos, docente da área de tecnologia da informação do Senac Rio Claro.

 

Serviço:

Senac Piracicaba

Endereço: Rua Santa Cruz, 1148 – Bairro Alto – Piracicaba/SP

 

Senac Rio Claro

Endereço: Avenida Dois, 720 – Centro – Rio Claro/SP


site_educacao
18 de maio de 2019

Memecracia: a força destrutiva por trás do Ministério da Educação


Ao desafiar a lógica, a ética e a Constituição, o ministro Abraham Weintraub consegue superar seu antecessor em inépcia, e reduz o MEC a um mero produtor de memes governistas.

 

O Ministério da Educação é um dos gigantes do governo. Pelos dados recentes do orçamento, ele só gastou menos, até agora, do que a previdência, a saúde e a assistência social. Dos R$ 117 bilhões orçados, a educação já usou R$ 29,5 bi. Sob o guarda-chuva do ministério está uma complexa rede de programas de apoio a Estados e municípios, o que inclui a compra de livros didáticos e a administração de universidades federais e dos hospitais ligados às instituições de ensino. A grande especialidade do MEC nos últimos meses, porém, foi a produção de memes para os apoiadores mais radicais do presidente Jair Bolsonaro.

 

No reinado de Ricardo Vélez Rodriguez, o breve, tivemos o hino nacional gravado e obrigatório – e depois o recuo para nem gravado, nem obrigatório. Ele também rotulou os brasileiros de canibais e propôs uma revisão dos livros de história para que eles refletissem a visão do presidente sobre o período. Vélez caiu, mas seu sucessor, Abraham Weintraub, se mostrou um sucessor ainda mais competente na tarefa de produzir material de apoio à campanha eleitoral permanente do governo. Poucas pessoas seriam capazes de provocar tanto rebuliço em tão pouco tempo.

 

Em cinco semanas no cargo, Weintraub desafiou o bom senso, a Constituição e a ética. Ele propôs cortar investimentos na área de humanas, filosofia e sociologia para privilegiar áreas que, segundo ele, seriam mais úteis. Faltou combinar com a história – não a disciplina, mas o registro das mudanças do pensamento humano. Também faltou um consultor jurídico, já que a medida é ilegal. A legislação do País garante autonomia para as universidades. Por fim, ainda faltou combinar com a realidade. Afinal, filosofia e sociologia consomem uma quantidade ínfima de recursos públicos no ensino superior.

 

O corte de 30% afeta mais as áreas de biológicas e exatas, que o governo diz priorizar, do que as de humanas.

 

Como o MEC é brasileiro e não desiste nunca, Weintraub dobrou a aposta. Anunciou corte de 30% do orçamento de três universidades que, segundo ele, produziam “balbúrdia”. Uma vez que balbúrdia não é critério técnico, o ministro teve de voltar atrás. Ele corria o risco de sofrer, no mínimo, um processo por improbidade administrativa. Parecia uma grande oportunidade de retorno à normalidade. Não foi.

 

O ministro estendeu o corte para todas as universidades. Segundo ele, a ideia era priorizar a educação básica. E, claro, atrapalhar a vida dos professores universitários. Porém, a realidade, essa grande produtora de balbúrdias, atrapalhou novamente os planos da dupla Bolsonaro-Weintraub.

 

O corte de 30% afeta muito mais as áreas de biológicas e exatas do que as de humanas. O orçamento público, grosso modo, tem duas áreas. Uma é formada por despesas obrigatórias, como salários. A outra tem mais flexibilidade e é chamada de custeio. Entram aí a compra de materiais para laboratório, salário de funcionários terceirizados, comida para o bandejão, energia elétrica, água. Nos cursos de humanas, muitas vezes basta giz e professor. Exatas e biológicas dependem de experimentos em laboratório, substâncias para fazer testes, viagens para conferências. O ministro mirou na antropologia e acertou a medicina. Mirou os estudos de gênero e afetou a veterinária. Mirou o professor de esquerda e acertou a faxineira terceirizada. É um erro tão impressionante que merece umas três teses de doutorado em ciência política.

 

A justificativa de que os cortes se transformariam em investimentos na educação básica também flopou. Os programas de apoio a essa área também sofreram com cortes. Em alguns casos, de 40%. O principal argumento do MEC foi desmentido pelo próprio MEC. Em um governo normal, o ministro sairia dos holofotes, voltaria para as planilhas, reuniria os aliados e criaria um programa. Foi, aliás, o que alguns militares tentaram fazer, sem sucesso, na transição de Vélez para Weintraub. Esses militares, é bom lembrar, foram demitidos.

 

Em vez de seguir o bom senso, Weintraub resolveu desafiar a ética. Numa transmissão ao vivo feita junto com o presidente Bolsonaro, ele disse que o corte não era de 30% nas verbas universitárias, mas de 3,5%. Malandramente, juntou as despesas obrigatórias, como salários, junto com o dinheiro de custeio. Aglutinou o que pode cortar com o que não pode para diminuir o impacto das suas declarações.

 

Tudo isso acontece num ministério-chave. Embora o MEC administre apenas 0,4% das cerca de 185 mil escolas brasileiras, ele é, ou deveria ser, o maestro das políticas públicas na área. É o papel, aliás, que o ministério assumiu durante os últimos 30 anos.

 

Nas gestões do PSDB, do PT e do MDB, com diferenças de visão aqui e ali, o MEC teve um programa claro. Na década de 1990, o foco foi em universalizar o acesso ao ensino fundamental, do primeiro ao nono ano. Também dessa época é a criação de um fundo, com recursos do governo federal, Estados e municípios, para garantir o financiamento da área. Deu certo. O País fez em pouco mais de dez anos o que não tinha feito em 150. Pela primeira vez, estávamos conseguindo colocar (quase) todo mundo nas escolas.

 

Na década de 2000, o foco foi em avaliação da qualidade educacional, na ampliação do acesso e no ensino superior. Aos poucos, o Brasil ia fazendo valer aquilo que está na Constituição de 1988: educação era direito de todas as pessoas e um dever do Estado diante dos seus cidadãos. Os investimentos na área cresceram em números absolutos e em proporção ao PIB, cobrindo os buracos das décadas anteriores. Quando Michel Temer deixou o Palácio do Planalto, havia um caminho a seguir. Embora nem tucanos nem petistas admitam, eles provavelmente concordariam com muitas das políticas do ex-presidente – afinal, boa parte delas foram gestadas por petistas e tucanos.

 

Os grandes desafios da área de educação são claros. É preciso investir na formação de professores, para melhorar substancialmente a qualidade da aprendizagem dos alunos. É urgente colocar mais dinheiro em infraestrutura, já que muitas escolas sobrevivem em condições precárias. É preciso garantir, num cenário de escassez de dinheiro público, mais recursos para a educação – e isso passa por trabalhar junto com Estados e municípios para priorizar a área em vez de, digamos, publicidade.

 

O caminho é óbvio. Do PSOL ao DEM, provavelmente a maior diferença não esteja no programa, mas em como executá-lo. Há um certo consenso entre os partidos normais sobre o papel do MEC. Infelizmente, porém, não estamos vivendo em tempos normais. Estamos em uma memecracia. Animar as bases de apoio parece mais relevante do que o futuro das milhões de crianças que, todos os dias, vão às escolas para, quem sabe, ter um futuro.

 

 

Por Leandro Beguoci

Foto:  Fernando Frazão – Agência Brasil


conselho-saude-rioclaro-sp
18 de maio de 2019

Conselho Municipal de Saúde de Rio Claro/SP – Ata do Mês de Abril/2019 – 16.04


Aos dezesseis dias do mês de abril de dois mil e dezenove, deu-se inicio a reunião ordinária do Conselho Municipal de Saúde de Rio Claro, às 19h00 na sala de reuniões da Fundação Municipal de Saúde, Rua 06, 2572 entre avenidas 30 e 32 – Centro. Estiveram presentes na reunião, os seguintes conselheiros: Aretuza Maria Ferreira Nagata, Hilda de Lourdes Uhlmann, Dr. Gustavo Roberto Fink e Carmelita Brescansin, representando Associação de Moradores e Movimento Popular; Aldo Alves de Oliveira, representando Sindicato de Trabalhadores, José Domingos de Almeida, representando os Conselhos Gestores Locais; Maria Clélia Bauer, representando a Fundação Municipal de Saúde; Maria Valéria Di Donato e Diego Reis, representando Outras Secretarias ou órgãos da Prefeitura; Ariane Cristina Arruda Zamariola, representando Prestadores Privados contratados ou conveniados do SUS; Milena Di Grazia Zanfelice, Marta Teresa Gueldini Linardi Bianchi E Elias Dias, representando os Trabalhadores da Fundação Municipal de Saúde. Justificou ausência: Maria Helena Betanho Romualdo, Agnaldo Luís Biscaros e Leila Duckur Pizzotti, representando Associação de Moradores e Movimento Popular; Milton Antonio Roberto, representando Sindicato de Trabalhadores; Selma Varzeloni Beccaro, representando Conselho Gestores Locais; Eliana Cristina Vaz da Silva, representando Portadores de Patologia; Vicente José Claro e Rosangela Deliberali Siqueira da Fonseca, representando Pessoas com Deficiência ou Familiares; Amanda da Silva Servidoni, representando; a Fundação Municipal de Saúde de Rio Claro; Márcio Aparecido da Silva, representando Prestadores Privados contratados ou Conveniados do SUS; Nádia Maria Augusta de Oliveira Joaquim, representando Trabalhadores da Fundação Municipal de Saúde; e Talita Camargo Claro Pedroso, representando Sindicatos e ou Conselho de Profissionais. Estiveram presentes ainda, Karla Pereira, secretária executiva do CMS; e Eleny Freitas de Almeida, diretora de Gestão do SUS.

 

Assuntos de pauta: I – Assuntos Gerais; II – Expediente: 1. Aprovação da ata de 19 de Março de 2019; III – Ordem do Dia: 1. Deliberação do RAG – Relatório Anual de Gestão 2018; 2. Deliberação sobre Emenda nº 956384/19-001; 3. Apresentação do Mapa da Saúde; 4 – Avaliação sobre a 14ª Conferência Municipal de Saúde de Rio Claro; 5. Deliberação sobre a inclusão do SESMT e CIPA na CISTT – Comissão Intersetorial de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora; 6. Ofício Circular – Crefito – 3/GAPRE/Nº 005/2019; e 7 – Readequação das Comissões.

 

O presidente, Sr. José Domingos saúda a todos e passa a discutir a pauta do dia.

 

I – 1.  Karla informa que a Fundação Municipal de Saúde enviou o ofício 092/2019 em resposta a solicitação de esclarecimentos sobre os processos administrativos que envolvem o óbito de três crianças na UPA-29, sendo esclarecido que um processo foi arquivado, pois não houve culpados e os demais continuam em analise e assim que finalizado, a devolutiva será enviada para conhecimento do Conselho. Ressalta que toda análise precisa de uma escuta qualificada, de todas as partes, para que possa ser concluído.

 

O Sr. Elias informa que tem observado na UPA do Cervezão, uma demora no atendimento, todas as quartas-feiras e a Sr.ª Aretuza reforça que tanto na terça- feira como na quarta-feira existe uma dificuldade no atendimento, inclusive menciona um caso que ocorreu recentemente, o qual não achavam o pediatra plantonista e o mesmo veio de fora da Unidade, ao invés de descansarem no quarto disponibilizado na Unidade, há suspeita que estejam descansando no carro.

 

A Sr.ª Valeria questiona se é um horário especifico, sendo esclarecido que é o dia todo.

 

O Sr. Elias fala ainda da maquina de esterilização que está quebrada cerca de seis meses e neste período está sendo utilizada a do Hospital Santa Filomena.

 

O Sr. Domingos reforça sobre os aparelhos de ar-condicionado do CAPS III que foram retirados da Unidade e até agora não foram devolvidos. Todos os questionamentos acima serão enviados via ofício para Fundação Municipal de Saúde.

 

A Sr.ª Aretuza questiona sobre o Pronto Atendimento Infantil e a Sr.ª Maria Clélia informa que o projeto ainda não foi elaborado, pois está na terceira semana de trabalho, com diversas demandas e após estudos e elaboração do Projeto, o mesmo será apresentado ao Conselho.

 

A Sr.ª Carmelita questiona se não está sendo repassado recurso municipal para Entidade e a Sr.ª Maria Clélia esclarece que não existe nenhum investimento da Fundação, nem de recurso, nem assistencial.

 

O Sr. José Domingos informa que solicitou o cronograma das inaugurações, pois até o momento não havia recebido.

 

A Sr.ª Maria Clélia entregou uma cópia e informou que as datas foram definidas na sexta-feira de manhã, na reunião dos secretários. Será enviado o cronograma no e-mail de todos.

 

O Sr. Diego ressalta que 27/04 será a inauguração do CCZ e reforça o convite a todos.

 

A Sr.ª Marta questiona se as Unidades que irão inaugurar, já estão com a equipe mínima prevista, sendo esclarecido que sim.

 

A Sr.ª Aretuza questionou sobre o trabalho dos agentes comunitários que não conseguem adentrar os condomínios do Pq. Jardim das Nações.

 

A Sr.ª Eleny esclarece que não existe USF no condomínio, pois na construção não foi prevista e que portanto, os usuários daquele território estão referenciados na UBS 29.

 

O Sr. Diego informa que a dificuldade é dos agentes de Combate à Endemias, pois os profissionais fazem o casa a casa, com as orientações, mas no condomínio existe uma certa resistência.

 

II – 1 O Sr. José Domingos coloca a ata de 19 de Março em regime de votação, sendo aprovada por unanimidade dos presentes.  I

 

II – 1. O Sr. José Domingos coloca o RAG – Relatório Anual de Gestão em regime de votação, sendo aprovado por unanimidade.

 

O Dr. Gustavo ressalta que a apresentação foi diferente das outras, mas entende a dificuldade do município em elaborar, e, portanto segue pela aprovação. Na oportunidade a Sr.ª Eleny solicita um apoio do Conselho, pois é uma dificuldade grande trabalhar sem acesso aos sistemas e ressalta que muitos municípios não conseguiram cumprir o prazo de entrega do RAG.

 

O Sr. José Domingos sugeriu que a mesma faça uma moção na Conferência Macrorregional sobre o tema.

 

2. O Sr. José Domingos coloca em regime de votação a proposta de emenda parlamentar nº 956384/19-001, destinada para compra de equipamentos para Santa Casa, sendo aprovado por unanimidade dos presentes.

 

3. Karla informa que na ultima reunião, durante a apresentação do RAG, o Sr. Eduardo destacou algumas dificuldades na analise do instrumento e a Sr.ª Maria Clélia citou o MAPA da Saúde.

 

Karla informa que achou interessante, pois também não conhecia e incluiu na pauta para apresentação, porém, o sistema que até o momento era utilizado também está fora do ar e em consulta ao Ministério da Saúde, foi informada que ficará disponível na plataforma DIGISUS, mas ainda não está em funcionamento.

 

A Sr.ª Maria Clélia informou que foi construído em 2012, no DRS-X e que poderia verificar a disponibilidade de pegar os dados apenas de Rio Claro.

 

O Sr. Domingos solicita que seja apresentado, quando a plataforma estiver disponível. 4. Karla falou sobre a realização da 14ª Conferência Municipal de Saúde de Rio Claro, que faz uma avaliação positiva, porém destaca a baixa participação, inclusive de usuários.

 

O Sr. Elias informa que ouviu reclamações sobre o local que foi realizada as pré-conferências, não sendo nas unidades e sim centralizadas.

 

O Sr. Domingos informa que embora tenha sido realizada as pré-conferências de cada eixo, foi aberto para que todos os interessados pudessem agendar e somente a Pastoral da Saúde agendou.

 

A Sr.ª Marta falou que o Conselho foi na reunião da Atenção Básica para reforçar sobre os Conselhos Gestores, pois precisa ser um processo continuo e a proposta era fortalecer a participação das Unidades, mas não houve nenhuma movimentação, mesmo a comissão se colocando a disposição, não houve procura.

 

A Sr.ª Eleny reforça que enquanto esteve na coordenação do PA do Cervezão, teve Conselho Gestor e os membros eram super ativos e contribuíam com a Unidade, mas percebe que quando a população tem um espaço, não participa.

 

A Sr.ª Maria Clélia destaca que precisa ser identificada as lideranças locais nos territórios, pois é um movimento nacional que vem se enfraquecendo e, portanto precisa estabelecer quais estratégias para retomar.

 

O Sr. Domingos informa que esteve em algumas unidades, nas quais não viu o cartaz e o Sr. Elias informa que foi entregue em todas, mas que percebe a dificuldade na Unidade.

 

Karla apresentou o relatório, com todo o processo da Conferência e ressalta mais uma vez a pouca participação, lembrando que a Conferência não era responsabilidade apenas de uma Comissão e sim de todo o Conselho.

 

O Sr. Domingos destaca que mesmo com pouca participação, foi muito produtivo, e ocorreu tudo bem. Para etapa macrorregional, teremos oito delegados, sendo 04 representantes do segmento usuários, 02 do segmento de trabalhadores e 02 do segmento gestor.

 

A etapa macrorregional acontecerá no dia 09 de maio, no município de Campinas.

 

5. Karla informou sobre o andamento da CISTT – Comissão Intersetorial de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora e que foi observado à necessidade de inclusão do SESMT e CIPA. Reforça que a CISTT é nova em Rio Claro e a comissão tem aprimorado bastante.

 

O Sr. Aldo destaca que pode ser que sejam identificados outros atores necessários e que no momento ainda não conseguimos a participação do Ministério do Trabalho.

 

Karla informa que na ultima reunião foi feita apresentação do INSS sobre as novas mudanças e que as reuniões estão sendo bem produtivas. Assim sendo, o Sr. José Domingos coloca em votação a inclusão do SESMT e CIPA sendo aprovado por unanimidade dos presentes.

 

6. Karla informa que o CREFITO enviou um ofício solicitando ao Conselho que apresente os indicadores dos serviços públicos de fisioterapia e de terapia ocupacional, assim como o numero de profissionais ativos no município, bem como estratégias de ampliação desses serviços para beneficio da população.

 

O oficio será enviado para Fundação Municipal de Saúde. 7. Karla informa que houve alteração de membros e, portanto há necessidade de adequação das comissões.

 

A Sr.ª Marta e Sr.ª Milena se colocaram a disposição para participar da Secretaria Executiva e as demais comissões serão definidas na próxima reunião.

 

A Sr.ª Aretuza questionou sobre o e-mail enviado do curso ministrado pelo Tribunal de Contas, que acontecerá no município de São Paulo e em Bauru.

 

Karla informa que é necessário a inscrição e os conselheiros que tiverem interesse deverão avisá-la com antecedência para que possa ser agendado veículo. Nada mais a ser tratado, o Presidente, Sr. José Domingos encerra a presente reunião.

 

Para constar, eu Karla Pereira, lavrei a presente ata que após lida e aprovada, será assinada por mim e pelos presentes.