1

Documento foi enviado aos deputados e senadores após divulgação do vídeo de Funaro

 

BRASÍLIA – O presidente Michel Temer encaminhou, nesta segunda-feira, uma carta aos deputados e senadores do Legislativo na qual diz ser vítima, desde maio, de “torpezas e vilezas” e que, apesar de “jamais” ter acreditado haver uma conspiração para o retirar do cargo de presidente da República, agora enxerga esses fatos como “incontestáveis”. Um dos argumentos utilizados pelo presidente é uma entrevista concedida pelo ex-deputado Eduardo Cunha à revista “Época”. (LEIA AQUI A ÍNTEGRA DA CARTA)

 

“Começo pelo áudio da conversa entre os dirigentes da JBS. Diálogo sujo, imoral, indecente, capaz de envergonhar aqueles que o ouvem. (…) Quem o ouviu verificou urdidura conspiratória dos que dele participavam demonstrando como se deu a participação do ex-procurador-geral da República (Rodrigo Janot), por meio de seu mais próximo colaborador, Dr. Marcelo Miller”, avalia Michel Temer.

 

No texto, o presidente se diz “indignado” por ser “vítima de gente tão inescrupulosa”. Na entrevista à “Época”, Cunha diz que sua tentativa de fechar um acordo de delação premiada junto à força-tarefa da Operação Lava-Jato não foi bem sucedida porque o procurador-geral exigia que ele incriminasse o presidente da República.

 

“Esta negativa levou o procurador Janot a buscar alguém disposto”, pondera Temer no documento ao se referir às delações de Lúcio Funaro, apontado como operador do PMDB no esquema de propina: “Ressaltando que ele, Funaro, sequer me conhecia”, destaca.

 

O presidente também cita o vazamento dos áudios com conversas dos dirigentes da JBS, Joesley Batista e Ricardo Saud, em que avalia ficar claro o objetivo de “derrubar o presidente da República”. Temer pontua ainda que nos áudios Joesley diz que, “no momento certo, e de comum acordo com Rodrigo Janot, o depoimento já acertado com Lúcio Funaro ‘fecharia a tampa do caixão'”.

 

“Tudo combinado, tudo ajustado, tudo acertado, com o objetivo de: livrar-se de qualquer penalidade e derrubar o presidente da República. (…) Afirmações falsas, denúncias ineptas alicerçadas em fatos construídos artificialmente e, portanto, não verdadeiros, sustentaram as mentiras, falsidades e inverdades que foram divulgadas”, critica Michel Temer.

 

O peemedebista aproveitou para exibir índices que apontam a retomada do crescimento do país. Entre eles estão a queda da taxa Selic – que em maio de 2016 marcava 14,25% e, em setembro deste ano, chegou a 8,25% -, e o aumento do valor exportado, que acumulou US$ 164,603 bilhões desde janeiro de 2017.

 

“O Brasil não parou, apesar das denúncias criminosas que acabei de apontar”, pondera Temer ao ressaltar a agenda de reformas propostas pelo seu governo: “O País avança com o teto de gastos públicos, lei das estatais, modernização trabalhista, reforma do ensino médio, proposta de revisão da Previdência, simplificação tributária”.

 

Temer ressalta ainda que a carta tem tom de “desabafo”, e afirma que a “armação está sendo desmontada”. “É uma explicação para aqueles que me conhecem e sabem de mim. É uma satisfação àqueles que democraticamente convivem comigo”, destaca sobre o teor do documento.

 

A carta, com quatro páginas, foi enviada aos parlamentares na semana em que a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara se prepara para votar o parecer de Bonifácio Andrada (PSDB-MG) pelo arquivamento da segunda denúncia feita contra o presidente pelo Ministério Público (MPF) por obstrução à Justiça e organização criminosa.

  

Foto: Presidente Michel Temer no Palácio do Planalto – Ailton de Freitas / Agência O Globo

Foto: O Globo


1

Senado aguarda o julgamento de Adin para decidir sobre o caso de Aécio Neves

 

BRASÍLIA – A Advocacia-Geral da União (AGU) encaminhou parecer ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra a aplicação de medidas cautelares na ação direta de inconstitucionalidade (Adin) em que determinará se Congresso tem a palavra final sobre o afastamento de políticos das funções parlamentares. A ação será julgada nesta quarta-feira.

 

O Senado aguarda o julgamento desta ação para decidir sobre o afastamento de Aécio Neves (PSDB-MG) do mandato e o recolhimento noturno, medida determinada pela Primeira Turma do STF no final de setembro.

 

De acordo com o parecer da AGU , o artigo 53 da Constituição veta expressamente a prisão preventiva de parlamentares , salvo os casos de flagrante de crime inafiançável.

 

“É inegável, por conseguinte, que, com exceção da prisão flagrancial de crime inafiançável, qualquer outro ato que implique esvaziamento da representação democrática conferida pelo voto popular deve ser tido como incompatível com a redação literal conferida ao art. 53, § 2°, por força da Emenda Constitucional n°. 35/2001”, diz o texto.

 

O parecer da AGU foi elaborado por três advogados da União e chancelado pela advogada-geral da União, Grace Mendonça.

 

A ação proposta pelo PP, PSC e SD pede que o Supremo considere a possibilidade de o Congresso rever, em até 24h, qualquer medida cautelar imposta a qualquer parlamentar.

 

PARECER DA CÂMARA

 

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, enviou parecer na última sexta-feira em que manifesta que só pode aquilo que está na Constituição. Da mesma forma que o Senado, o documento representa uma mudança em relação ao que foi defendido no ano passado. Na época, a Câmara se mostrou favorável à aplicação de medidas cautelares, desde que aprovadas referendadas posteriormente pelo Congresso. Na ocasião, a casa era comandada interinamente pelo deputado Waldir Maranhão.

 

“As hipóteses de afastamento ou extinção do mandato eletivo por circunstâncias alheias à vontade do parlamentar – ressalvada obviamente a hipótese de falecimento, encontram-se exaustivamente previstas no texto constitucional, devido à sua posição estrutural no regime democrático e no sistema representativo, constituindo o tema verdadeira ‘reserva da Constituição'”, diz trecho do documento da Câmara.

  
Fonte: O Globo


1

Brasil tem o quarto pior índice entre os 20 países pesquisados e fica atrás de Venezuela, Chile e Peru

 

SÃO PAULO – Oito entre dez brasileiros acreditam que o nível de corrupção no Brasil nos últimos 12 meses cresceu, segundo o estudo Barômetro Global da Corrupção, da ONG Transparência Internacional, divulgado na manhã desta segunda-feira em Berlim, na Alemanha. É o quarto pior índice entre os 20 países da pesquisa (78%), atrás de Venezuela (87%), Chile (80%) e Peru (79%). Para 56% dos brasileiros, o governo tem comportamento negativo naquilo que diz respeito ao combate à corrupção no setor público.

 

Apesar do diagnóstico ruim, a pesquisa também traz esperança para o enfrentamento do problema no país. Pelo menos 71% dos brasileiros que responderam à pesquisa disseram ser capazes de passar um dia inteiro em um tribunal para fornecer evidências de casos de corrupção. Do total, 83% acreditam que pessoas comuns podem fazer a diferença na luta contra o problema.

 

O Barômetro é considerado pela Transparência Internacional a pesquisa de opinião mais importante do mundo sobre comportamentos relacionados à corrupção. O relatório é baseado em pesquisas com 22,3 mil pessoas em 20 países da América Latina e do Caribe, entre maio e dezembro de 2016. Políticos e policiais são citados por quase metade dos entrevistados (47%) como maiores agentes de corrupção.

 

O estudo menciona a investigação sobre corrupção originada de apurações na Petrobras, a chamada Operação Lava-Jato, que originou o pagamento de bilhões de dólares em multas. Há menção ao risco de propostas legislativas que buscam processar procuradores que investigam grandes casos de corrupção e também à tentativa de investigar o presidente Michel Temer, recentemente interrompida pela Câmara dos Deputados.

 

“Pagamento de propina é uma experiência comum para muitas pessoas com dificuldade de acesso a serviços básicos. Estimamos que mais de 90 milhões de pessoas tiveram que pagar propina no último ano nos 20 países pesquisados – quase um terço daqueles com acesso a serviços básicos,”, escreveram os pesquisadores da Transparência Internacional no relatório divulgado nesta segunda.

 

De acordo com a análise, a realidade brasileira é diferente da observada em outros países da América Latina – apenas 11% dos brasileiros declararam ter pagado propina para ter acesso a serviços básicos, como escola, hospital, documento de identidade, acesso à polícia, tribunais ou saneamento. As maiores taxas estão no no México (51%) e na República Dominicana (46%).

  

Fonte: O Globo

marta-fischer

“Só existem dois dias no ano que nada pode ser feito. Um se chama ONTEM e o outro se chama AMANHÃ, portanto HOJE é o dia certo para amar, acreditar, fazer e principalmente viver”. (Dalai Lama) “

 

O Verso do Reverso do Não Fazer Escolhas

 

“Nossos fracassos são, às vezes, mais frutíferos que nossos êxitos” (Henry Ford)

 

“Só se pode alcançar um grande êxito quando nos mantemos fiéis a nós mesmos” (Nietzche)

 

“De acordo com a Física, resiliência trata-se da capacidade de um ‘corpo’ voltar ao seu estado original, após ter submetido a algum tipo de deformação. O mesmo acontece, quando um indivíduo possui habilidades em adaptar-se às mudanças em qualquer tempo. Captura estratégias para encontrar resultados às questões que se apresentam, ainda que, convivendo com o problema. O autoconhecimento é norteador no processo de superação.

 

“Conhecer o homem – esta é a base de todo o sucesso”(Charles Chaplin)

 

As soluções para os enigmas exige muita resiliência, porque abarcam as relações interpessoais de toda ordem. Na atualidade, ser resiliente é exigência primeira para inserção no mundo corporativo, pois o mercado de trabalho preconiza o profissional que tem capacidade em adequar-se às situações-limite, sem deixar-se envolver, porquanto a aceitação é arbitrária de conformismo e falta de ação.

 

A pessoa com característica ‘resiliente’ é empreendedora e arrojada para assumir riscos e perdas. Reconhece seus pontos fortes e limitações; antecipa-se aos obstáculos, se necessário; também recua e receia diante dos problemas, mas não se detém, mantém o equilíbrio, sem desestruturar-se. Graças a sua plasticidade, enfrenta momentos adversos de crises e se fortalece com isso, porque centra nos recursos de que dispõe, sem lamentar as intercorrências; aprende com os exercícios, em vez de sentir-se derrotado durante o aprendizado.

 

“A felicidade não se resume na ausência de problemas, mas sim na capacidade de lidar com eles”

(Albert Einstein)

 

Conheça o Website da Dra Marta Fischer ;)

Sejam Bem Vindos!  – www.martafischer.com.br

 

1-2


desigualdade_01

Jorge Paulo Lemann (AB Inbev), Joseph Safra (Banco Safra), Marcel Hermmann Telles (AB Inbev), Carlos Alberto Sicupira (AB Inbev), Eduardo Saverin (Facebook) e Ermirio Pereira de Moraes (Grupo Votorantim) são as seis pessoas mais ricas do Brasil. Eles concentram, juntos, a mesma riqueza que os 100 milhões mais pobres do país, ou seja, a metade da população brasileira (207,7 milhões). Estes seis bilionários, se gastassem um milhão de reais por dia, juntos, levariam 36 anos para esgotar o equivalente ao seu patrimônio. Foi o que revelou um estudo sobre desigualdade social realizado pela Oxfam.

 

O levantamento também revelou que os 5% mais ricos detêm a mesma fatia de renda que os demais 95% da população. Além disso, mostra que os super ricos (0,1% da população brasileira hoje) ganham em um mês o mesmo que uma pessoa que recebe um salário mínimo (937 reais) – cerca de 23% da população brasileira – ganharia trabalhando por 19 anos seguidos. Os dados também apontaram para a desigualdade de gênero e raça: mantida a tendência dos últimos 20 anos, mulheres ganharão o mesmo salário que homens em 2047, enquanto negros terão equiparação de renda com brancos somente em 2089.

 

Segundo Katia Maia, diretora executiva da Oxfam e coordenadora da pesquisa, o Brasil chegou a avançar rumo à correção da desigualdade nos últimos anos, por meio de programas sociais como o Bolsa Família, mas ainda está muito distante de ser um país que enfrenta a desigualdade como prioridade. Além disso, de acordo com ela, somente aumentar a inclusão dos mais pobres não resolve o problema. “Na base da pirâmide houve inclusão nos últimos anos, mas a questão é o topo”, diz. “Ampliar a base é importante, mas existe um limite. E se você não redistribui o que tem no topo, chega um momento em que não tem como ampliar a base”, explica.

 

Fonte: El Pais


1

Deputado também defende que Câmara se desvincule do Executivo

 

SÃO PAULO – O presidente da Câmara e presidente da República em exercício, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou na manhã desta segunda-feira que a eventual nova denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o presidente Michel Temer deve ser analisada rapidamente.

 

— Parece que haverá uma segunda denúncia contra o presidente da República. Nós, cumprindo os prazos regimentais, devemos analisar com todo respeito e decidir de forma rápida para que o Congresso volte a olhar no horizonte essa agenda de mudanças que o Brasil tanto precisa — disse Maia, ao participar de um fórum promovido pela revista “Exame”.

 

O presidente da Câmara destacou ser “aliado de Temer desde o primeiro momento” e prometeu “continuar sendo”. Admitiu, porém, fissuras na base do presidente com as denúncias.

 

— Acho que a base do governo no Congresso perdeu alguma força, claro que esse tipo de ato, uma denúncia, gera desgaste e algum tipo de desarticulação — afirmou.

 

Para a denúncia da PGR ter prosseguimento, são necessários os votos de 342 deputados. Caso isso aconteça, o Supremo Tribunal Federal (STF) decide se abre o processo. Caso abra, Temer é obrigado a se afastar do cargo por até seis meses.

 

Na avalição de Maia, a Câmara precisa se desvincular do Executivo:

 

— Temos que começar a separar, não porque o presidente Michel Temer é mal avaliado, é porque a gente precisa que a Câmara tenha uma agenda de reformas permanentes. Vamos ter eleição e não sabemos o que vai sair da eleição.

 

Para a plateia de empresários, o presidente da Câmara defendeu a reforma da Previdência, classificada como “coração” de todas as mudanças que o país precisa. Sua expectativa é votar as mudanças na Previdência em outubro.

 

Maia disse também que no futuro deve ser discutida a estabilidade dos servidores públicos.

  

Fonte: O Globo
O presidente em exercício Rodrigo Maia, participa de Fórum promovido pela revista Exame no Hotel Unique Foto:  Edilson Dantas / Agência O Globo


1

Decreto de Temer acaba com a Reserva Nacional de Cobre entre o Pará e o Amapá. WWF Brasil fala em ‘catástrofe anunciada’

 

BRASÍLIA — Depois de mais de 30 anos fechada à atividade de mineração, uma imensa área da Amazônia rica em ouro poderá ser explorada pela iniciativa privada. Por meio de um decreto publicado na edição desta quarta-feira do Diário Oficial da União, o governo federal extinguiu a Reserva Nacional de Cobre e Associados (Renca), criada em 1984, ainda durante a ditadura militar. Com isso, uma área de cerca de 47 mil quilômetros quadrados entre o Pará e o Amapá está liberada para extração de ouro e outros minerais nobres. A área fechada tem o tamanho equivalente ao do estado do Espírito Santo, ou oito vezes a dimensão do Distrito Federal.

 

A expectativa do governo é, agora, iniciar os leilões das áreas para as empresas interessadas em explorar a área. No decreto, assinado pelo presidente Michel Temer, o governo destaca que a extinção da Renca “não afasta a aplicação de legislação específica sobre proteção da vegetação nativa, unidades de conservação da natureza, terras indígenas e áreas em faixa de fronteira”.

 

Apesar de ter cobre no nome, a reserva é rica sobretudo em ouro, mas também em tântalo, minério de ferro, níquel, manganês e outros minerais. Não há informações sobre o tamanho dos depósitos. Mas a avaliação do Ministério de Minas e Energia é que a área poderá se tornar algo de relevância mundial e despertar a atenção de mineradoras de todo o planeta.

 

A reserva do cobre foi criada por meio de um decreto assinado pelo presidente militar João Figueiredo, que impediu a exploração mineral na mata. A área fechada tem o tamanho equivalente ao do estado do Espírito Santo, ou oito vezes a dimensão do Distrito Federal. O plano dos militares era explorar, por meio de uma estatal, grandes jazidas de cobre na região. Essa intenção, no entanto, não saiu do papel.

 

Sem mineração, a área reúne florestas protegidas e terras indígenas. Por isso, a liberação da região para as mineradoras preocupa ambientalistas. O governo federal ainda não detalhou como será a entrada de mineradoras na região.

 

Área da Reserva Nacional de Cobre e Associados (Renca),
agora liberada para mineração – WWF Brasil

 

‘CATÁSTROFE ANUNCIADA’

 

A extinção da Reserva Nacional de Cobre e Associados (Renca) por meio de decreto nesta quarta-feira foi classificada como “catástrofe anunciada” pelo coordenador de políticas públicas do WWF Brasil, Michel de Souza. Ele vê com preocupação a decisão do governo e diz que coloca em risco as nove áreas protegidas que estão dentro dos limites da reserva — como o Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque, que é o maior parque de florestas tropicais do mundo:

 

— A Floresta Amazônica é nosso maior ativo. Nesse momento de desespero e de crise, estão colocando em risco as áreas protegidas que se encontram dentro da reserva — destaca Souza.

 

O coordenador da WWF Brasil reconhece a importância da atividade de mineração para a economia brasileira, mas diz é fundamental avaliar o risco envolvido:

 

— É um risco tremendo dar esse tipo de sinalização por decreto, sem discutir com a sociedade. Abrir a reserva sem transparência nos preocupa muito. É uma catástrofe anunciada. Temos vários exemplos de contaminação mineral. Pode haver uma corrida para a região. E como garantir que as grandes empresas de mineração vão seguir acordos de cooperação dos quais o Brasil não é signatário?

 

Fonte: O Globo

Foto: Vista aérea da Amazônia – Marcelo Sayão / Agência O Globo/07-02-1998


1

Presidente da Câmara leva comitiva para encontro de presidentes de Parlamentos

BRASÍLIA – Depois de não conseguir votar a reforma política, o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), viajou nesta quinta-feira para o Peru, para uma viagem oficial de dois dias, acompanhado de seis deputados. A viagem oficial será para um encontro de presidentes de Parlamentos.

 

Segundo a programação divulgada, Maia participará na sexta-feira de evento no Congresso peruano, onde será recebido pelo presidente da Casa, Luís Galarreta Velarde.

Maia viajou acompanhado de um grupo fiel de interlocutores dentro da Câmara: Benito Gama (PTB-BA), Celso Russomano (PRB-SP), Heráclito Fortes (PSB-PI), Marcus Pestana (PSDB-MG), Rubens Bueno (PPS-PR) e Rogério Rosso (PSD-DF).

 

O retorno ao Brasil esta previsto para dia 18 à noite.

 

O presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) 

ANDRE COELHO / Agência O Globo 16/08/2017


1

Tribunal condenou o deputado em uma ação cível, e não em um processo criminal ou por improbidade administrativa, categorias incluídas na Lei da Ficha Limpa

 

A confirmação, pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), da condenação do deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) ao pagamento de uma indenização de 10.000 reais à deputada federal Maria do Rosário (PT-RS) em uma ação danos morais, divulgada ontem, criou uma oportunidade perfeita àqueles que criam notícias falsas a partir de notícias verdadeiras.

 

Depois que a decisão do STJ veio a público, o site Folha Brasil não demorou a inventar que Bolsonaro, autodeclarado candidato à presidência da República em 2018, não poderia concorrer ao Planalto porque a condenação o tornara inelegível com base na Lei da Ficha Limpa. A informação é falsa.

 

“Acabou! Maria do Rosário tirou Bolsonaro das eleições de 2018”, publicou o blog, que, já depois de o texto ser compartilhado nas redes sociais e replicado por outros sites, mudou o título para a condicional: “Maria do Rosário pode tirar Bolsonaro da disputa eleitoral”. No link da “reportagem”, contudo, o título original permaneceu igual (veja abaixo).

 

Fake news - Bolsonaro 2018

 

 

Veja abaixo a versão original do boato:

 

A nova condenação do deputado federal Jair Messias Bolsonaro no processo movido pela também deputada Maria do Rosário tirou Bolsonaro das eleições 2018 em função das restrições da Lei da Ficha Limpa.

 

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) rejeitou, nesta terça-feira (15), recurso do deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) contra condenação do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) por ofensa à deputada Maria do Rosário (PT-RS). Em 2014, o parlamentar disse que a colega não merecia ser estuprada por ser “feia e não fazer seu gênero”.  “Ela não merece porque ela é muito ruim, porque ela é muito feia. Não faz meu gênero. Jamais a estupraria”, disse Bolsonaro. A decisão foi por unanimidade entre os ministros da 3ª Turma da Corte.

 

Com a condenação em segunda instância, Bolsonaro é considerado formalmente inelegível, nos termos da Lei da Ficha Limpa. Presidenciável que ocupa o segundo lugar do eleitorado, atrás apenas do ex-presidente Lula, nas principais pesquisas de intenção de voto (Ibope, Datafolha etc), o deputado só pode reverter a condição de inelegibilidade caso o o Supremo Tribunal Federal (STF) acolha o recurso que ele deve ajuizar contra o resultado do julgamento.

[…]

 

Quem comemorou a decisão foi o ex-presidente Lula. Com o afastamento de Bolsonaro das eleições ele estatisticamente estaria eleito como o próximo presidente do Brasil. Nos bastidores do Instituto Lula ele teria dito: Agora não tem pra ninguém, o Brasil é nosso novamente.

 

Ao contrário do que diz a lorota, a condenação de Bolsonaro pelo STJ não o torna inelegível pela Lei da Ficha Limpa porque se deu em uma ação cível por danos morais, e não em um processo criminal ou por improbidade administrativa.

 

A lei, criada em 2010 para barrar candidatos com enroscos judiciais, prevê que não possam disputar eleições aqueles “que forem condenados, em decisão transitada em julgado ou proferida por órgão judicial colegiado” em dez tipos de crime, incluindo corrupção e lavagem de dinheiro. Neste caso, portanto, a ação cível por danos morais vencida por Maria do Rosário não “tirou” e nem “pode tirar” Bolsonaro da disputa pela presidência.

 

Além desta ação em que foi condenado a pagar 10.000 reais à petista, a declaração de Jair Bolsonaro de que a colega não merecia ser estuprada porque “ela é muito feia” levou o Supremo Tribunal Federal (STF) a aceitar denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra ele pelo crime de incitação ao crime de estupro, cuja pena varia de três a seis meses de prisão, além do pagamento de multa.

 

Mesmo que seja condenado pelo STF, um órgão colegiado, neste processo criminal, contudo, Bolsonaro não ficará inelegível. Segundo o advogado criminalista Gustavo Badaró, o delito do qual o parlamentar é acusado pela PGR é enquadrado no Código Penal como “crime contra a paz pública”, categoria também não prevista de punição pela Lei da Ficha Limpa.

 

Fonte: Veja


1

Saiba o que querem os diferentes segmentos da direita radical americana

WASHINGTON – A cidade de Charlottesville, no estado da Virgínia nos Estados Unidos, foi o epicentro de um protesto da extrema direita americana organizado por grupos de ideologia supremacista branca no fim de semana. Homens carregando bandeiras dos Estados Confederados da América, que representa os estados sulistas nos EUA na época da Guerra Civil, caminharam lado a lado com simpatizantes neonazistas e da Ku Klux Klan contra a retirada de uma estátua do general Robert E. Lee, herói de movimentos escravocratas, de um parque da cidade.

 

O evento foi nomeado pelos participantes de “Unir a direita”, como uma tentativa de reunir conservadores radicais contra o avanço de ideais progressistas. As manifestações foram tomadas por violência, e o governador do estado, Terry McAuliffe, declarou estado de emergência. Mas quem são os nacionalistas brancos e o que querem?

 

O QUE É NACIONALISMO BRANCO?

 

O termo surgiu como um eufemismo para supremacia branca: a crença de que pessoas brancas são superior a outras etnias e, portanto, deveriam dominar a sociedade, segundo Oren Segal, diretor da Centro sobre Extremismo da Liga Antidifamação. Os apoiadores da ideia também atuam sob outros nomes, como “alt-right” (direita alternativa), identitarianos e realistas raciais — as nominações são apenas “um novo nome para esse velho ódio”, afirma.

 

Richard Spencer, presidente do Instituto de Política Nacional, é conhecido por conceber o termo “alt-right”.

 

— Não uso o termo nacionalista branco para me descrever — esclarece. — Gosto do termo “alt-right”. Há uma abertura a isso, e é imediatamente compreensível. Viemos de uma nova perspectiva.

 

Outros grupos supremacistas brancos incluem a Ku Klux Klan e neonazistas. Mas a maioria dos supremacistas não são afiliados a grupos organizados, indica Segal. Alguns evitam se distanciar de associações reconhecidas como grupos de ódio, como a KKK. Segundo o especialista, isso dificulta o rastreamento desses indivíduos e indica uma tendência a flexibilidade desses grupos extremistas.

 

Apesar das diferenças, o objetivo é o mesmo: construir um Estado branco onde haja separação étnica, já que, para eles, a diversidade é uma ameaça. Especialistas destacam a vitimização como elemento-chave dos movimentos supremacistas:

 

— Há uma sensação de que os brancos estão sob cerco e sendo deliberadamente despojados por elites hostis que esperam guiar uma nova ordem multicultural — indica George Hawley, cientista político da Universidade de Alabama.

 

QUE IDEAIS DEFENDEM?

 

Segundo Heidi Beirich, diretora do Projeto de Inteligência do Southern Poverty Law Center, que monitora grupos de ódio e extremistas, supremacistas brancos defendem genocídio e limpeza étnica sob um sistema de governo tirânico. Para ela, a visão de futuro desses indivíduos para os Estados Unidos se parece com o que o país era por volta de 1600, ou até antes.

 

— Todos os direitos civis para não-brancos seriam removidos — indica a especialista em entrevista à CNN. — Todo poder político estaria nas mãos de pessoas brancas, em particular homens brancos porque esse movimento é extremamente masculino e, muitos diriam que é um movimento toxicamente masculino. Eles têm visões bem retrógradas sobre o que as mulheres devem fazer.

 

Segundo especialistas, a possibilidade de uma sociedade assim realmente se desenvolver é extremamente remota:

 

— Uma liderança política real está tão longe da realidade que não se encontra muito na maneira como documentos de políticas da “alt-right” detalham instruções sobre diferentes agências governamentais — avalia Hawley.

 

QUE TIPO DE AMEAÇA REPRESENTAM?

 

Como muitos não se afiliam a grupos organizados, é difícil mensurar a dimensão da ameaça que os supremacistas representam. A direita alternativa, por exemplo, não tem organização formal, e muitos atuam de maneira anônima e virtual, segundo Hawley. Já Segal indica que o movimento parece crescer, com mais adesões ao engajamento na internet que resultam na promoção de eventos como a marcha em Charlottesville. De acordo com Beirich, há mais de 900 grupos de ódio nos Estados Unidos, ante 600 em 2000.

 

— Eles querem ganhar vantagem no atual clima político, que sentem que é sem precedentes para dar boas vindas a suas visões de mundo — indica Segal. — O resultado da marcha de Charlottesville e outros eventos este ano vão dar uma ideia clara do quão bem recebidas essas visões são, e vão, sem dúvida, ajudar a moldar os planos para os próximos meses.

 

E AINDA: Democratas e republicanos criticam Trump sobre protesto na Virgínia

 

Filha de Trump denuncia ‘supremacia branca e neonazistas’

 

Charlottesville: campanha levanta US$ 100 mil para família de vítima

 

Ele afirma que extremistas de todos os tipos são sempre uma ameça, “mas quando qualquer grupo extremista se sente encorajado, isso é um sério motivo para preocupação. Muitos dos participantes do “Unir a direita” se sentem representados pelos comentários controversos do presidente americano Donald Trump sobre imigrantes, muçulmanos e mexicanos. Os supremacistas se sentem validados e de que podem fazer parte do sistema político.

 

— A história das últimas décadas de supremacia branca no país é de que eles viam tanto republicanos como democratas como uma perda de tempo. Em outras palavras, a política era um fim morto para eles. Mas tudo mudou com Trump — afirma Beirich.

 

O presidente fez comentários sobre a violência em Virgínia que foram alvos de críticas, pois ele não condenou especificamente os ataques supremacistas:

 

“Nós condenamos nos termos mais fortes possíveis essa escandalosa demonstração de ódio, intolerância e violência de muitos lados, muitos lados” disse o presidente no sábado.

 

Fonte: O Globo

Foto: Mykal McEldowney


1

Mensagem encontrada em celular de deputado cassado trata de pagamento indevido de empreiteira, diz PF

 

BRASÍLIA – Um relatório da Polícia Federal produzido a partir de mensagens capturadas do telefone do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso no âmbito da Lava-Jato, mostra que os tentáculos do político alcançavam as mais diversas áreas.

 

O ex-deputado influenciava nomeações para cargos públicos, distribuição de propina para o PMDB e até vagas de internação de hospitais do Rio. Quando o assunto era o pagamento de vantagens indevidas, ele se garantia. “Chegou! Valeu. Agradeça lá”, escreveu o ex-presidente da Câmara Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), também preso, em mensagem de 2012. “Claro, não tinha dúvidas. Aqui se atrasa, mas não falha”, responde Cunha.

 

O diálogo foi um dos muitos em que Cunha e Alves acertam suposto pagamento de propina, muitas vezes oriunda de empreiteiras. No dia 15 de agosto de 2012, Alves havia cobrado o pagamento de propina que viria da Carioca Engenharia, segundo a interpretação dos investigadores. Aparentemente, a cobrança deu certo, porque o agradecimento foi repassado a Cunha no dia seguinte.

 

As trocas de mensagens foram feitas ao longo de 2012 e estavam no celular de Cunha, que foi apreendido pela PF em buscas feitas em dezembro de 2015. O relatório foi concluído em dezembro de 2016 e enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF). Somente agora foi retirado o sigilo do documento. O material será encaminhado ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que poderá juntá-lo a inquéritos que já estão em curso na Corte.

 

Em outros diálogos, Cunha aparece dando orientação para que outros parlamentares atuem por ele em medidas provisórias.

 

Em 2012, Cunha mandou mensagem para o deputado Hugo Motta (PMDB-PB) para atuar em nome dele. “Acredita-se que o ex-parlamentar (Cunha) utilizaria, supostamente, do deputado Hugo Motta, também do PMDB, para interceder na MP 561”, diz o relatório da PF. Na mensagem, Cunha digitou: “Vou pôr uma emenda para vc assinar que é do veto da 561”. Motta respondeu: “Ok, aguardo. Abs!!!”.

 

Em outra ocasião, uma assessora de Cunha chamada Claudia Medeiros enviou ao chefe um e-mail com uma minuta de requerimento e o questiona sobre a possibilidade de envio ao deputado Hugo Motta para assinatura. A mensagem foi em agosto de 2012. “Posso mandar para o Hugo Motta assinar?????”, diz a mensagem da assessora.

 

O requerimento era para o Ministério de Minas e Energia enviar informações sobre a parceria da Petrobras Bio Combustível com a Açúcar Guarani SA e o Grupo Tereos. Para a PF, o requerimento foi apenas enviado para Hugo Motta assinar. Motta informou que não se lembrava especificamente do assunto, mas que era comum conversar com os colegas sobre atividade parlamentar.

 

EMPENHO PARA NOMEAR ALIADOS

 

O relatório da PF também conta como Eduardo Cunha influenciava a nomeação de aliados em cargos públicos. “Informações levantadas ao longo de análises desenvolvem a hipótese de Eduardo Cunha fazer uso da função parlamentar para viabilizar esquemas ilícitos que o favoreciam. Para manter esquemas utilizando a função política, o ex-deputado se empenhava em controlar cargos estratégicos através de indicação política. Para tal finalidade, exercia pressões no governo em conjunto com sua base de aliados”, dizem os investigadores

 

Em troca de mensagens com o senador Romero Jucá (PMDB-RR), Cunha reclama de nomeações recentes e diz que não saiu a da Caixa Econômica Federal. “Saiu no DO já a nomeação do BNDES e não nosso nome. Saiu Conab também e nada de CEF”, reclamou Cunha. “Vamos falar com Palocci. Saiu o q na Conab?”, indagou Jucá. “PTB. Não é nosso. Nosso não sai nada, é incrível”, disse Cunha. E Jucá: “Vamos agir”.

 

Em outra conversa, Cunha pergunta se Jucá esteve com Edison Lobão, que, na época, era ministro de Minas e Energia. Jucá confirma que estava com ele naquele momento, e Cunha lembrou: “Não esquece internacional e biodiesel”. Jucá respondeu: “Conversamos. Ficou de cobrar as indicações com Palocci”. A PF afirma que, “quando se referiu a ‘internacional e biodiesel’, acredita-se que Eduardo Cunha fazia menção à Diretoria Internacional da Petrobras e à empresa subsidiária Petrobras Combustível. Essa conclusão advém do contexto de que a Petrobras e suas subsidiárias são vinculadas ao Ministério de Minas e Energia, no qual Edison Lobão ocupava cargo máximo”.

 

Segundo o relatório da PF, a Diretoria Internacional da Petrobras era cargo indicado da cota do PMDB, e Jorge Zelada o exerceu de 2008 a 2012.

  

Fonte: O Globo

Foto: O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), ao telefone, durante sessão da Câmara, em 2015 – Givaldo Barbosa / Agência O Globo


1

Empresas e empregados poderão firmar, por acordo, data para compensar folga

 

RIO – Quem já está planejando o que fazer nos feriados de 2018 (são pelo menos oito nacionais, em dias úteis), deve se preparar. Quando entrar em vigor, em novembro, a reforma trabalhista permitirá que empregadores e empregados negociem quando tirar as folgas correspondentes a esses dias. Dessa forma, um feriado que cai na segunda-feira, por exemplo, pode ser deslocado para outro dia da semana, ou até mesmo para outro mês, mediante acordo. Para especialistas, há chance de judicialização, caso os acordos não sejam claros o bastante.

 

A previsão está em um dos principais artigos da nova lei, aquele que prevê 15 itens nos quais o acordado entre as partes vale mais que a legislação. O advogado Luiz Marcelo Góis, sócio da área trabalhista do BMA – Barbosa, Müssnich, Aragão, avalia que há margem para que esse tipo de acordo seja contestado: como hoje a CLT não prevê normas para esse tipo de troca. Um dos possíveis conflitos, prevê o especialista, é caso um empregado trabalhe no feriado e seja demitido antes da data estipulada para a compensação. Pode não ficar claro se ele deve receber essa compensação em dinheiro ou se, como o acordo estipulou a troca do feriado, não haveria motivo para contestação.

 

— Pode ser questionado na Justiça. Ele teria trabalhado num dia que não mais é feriado (pelo acordo). Em tese não teria direito a compensação e horas extras, mas não vai ser nenhum absurdo se algum juiz decidir o contrário — afirma Góis.

 

Fonte: O Globo

Foto: Feriados – reforma permitirá troca do dia – Dafne Cholet/Flickr/Creative Commons


mercosul_01

MERCOSUL Pretende Suspender a Venezuela !

A presidência brasileira do Mercosul pretende a suspensão definitiva da Venezuela de seu quadro.

Os chanceleres do bloco debateram no sábado, o programa de aplicação da Convenção Democrática contra o governo de Nicolás Maduro.

Os países de Mercosul vão se reunir com urgência no neste Sábado no Brasil para estudar a suspensão definitiva da Venezuela ante a atitude do governo de Nicolás Maduro. O Mercosul, através da Presidência de turno brasileira, ofereceu  a Maduro, intermediar em um diálogo entre governo e oposição.

O presidente venezuelano recusou  a oferta, com o ministro de Exteriores brasileiro, Aloysio Nunes, quem está antecipando em declarações ao jornal O Estado de S. Paulo que, em sua opinião, a suspensão do país “é uma consequência inevitável”  dado a recusa de Maduro a  negociação.

Os chanceleres do Mercosul pensavam em  reunir-se em Lima, em 8 de agosto, no marco da reunião, convocada r pelo Peru para tratar o tema da Venezuela. Mais uma vez, a contabilidade do sistema de voto eletrônico usado na escolha da Constituição, acelerou os tempos.

O presidente argentino, Mauricio Macri, a frente da estratégia regional contra o governo da Venezuela, pediu  abertamente uma represália. “A Venezuela tem que ser suspensa definitivamente do Mercosul. É inaceitável o que está sucedendo. A Venezuela deixou de ser uma Democracia e se violam  sistematicamente os direitos humanos “, disse Macri.

Fonte: El País


temer_01

A Câmara dos Deputados vota nesta quarta-feira, 2 de agosto, se aceita a denúncia contra o presidente Michel Temer, acusado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, de corrupção passiva. Temer é o primeiro presidente brasileiro no exercício do mandato a ser denunciado por um crime comum. O presidente é acusado de ter supostamente negociado benesses em troca de favorecer o empresário Joesley Batista, magnata da JBS e delator da Operação Lava Jato. Para que o caso siga para o Supremo Tribunal Federal (STF), o que pode culminar no afastamento do presidente, são necessários 342 votos dos 513 parlamentares. A sessão está marcada para as 9h, mas só irá começar quando ao menos 51 parlamentares estiverem presentes. Já para a votação só começa com a presença de dois terços da Câmara.

FONTE: El País


1

“A denúncia contra mim não passa de uma fraude.” Dita em abril no ano passado por Dilma Rousseff, a frase ecoa hoje no Palácio do Planalto, onde Michel Temer tem reeditado o discurso de sua antecessora com a ameaça de ser afastado do cargo.

 

Como ela, diz considerar a situação uma injustiça e afirma que não renunciará. Sob pressão, também tem escorregado em gafes, como ter chamado os russos de “soviéticos”.

 

Veja algumas dessas repetições e gafes, levantadas pela Folha de S. Paulo.

 

DIGA AO POVO QUE FICO

 

MICHEL TEMER
“Não renunciarei, repito, não renunciarei. Sei o que fiz e sei da correção dos meus atos.”
18.mai.17, em declaração à imprensa

 

DILMA ROUSSEFF
“Jamais passou a renúncia pela minha cabeça. A renúncia passa pela cabeça deles, não pela minha”
10.mai.16, na cerimônia de abertura da 4ª Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres

 

RETROCEDER NUNCA, RENDER-SE JAMAIS

 

MICHEL TEMER
“É claro que há um problema sério no país, vocês sabem disso. Há questões as mais variadas, que muitas vezes visam a desprestigiar a classe política. E todos precisamos resistir. Eu tenho resistido o quanto posso”
18.abr.17, em café da Manhã no Palácio do Alvorada

 

DILMA ROUSSEFF
“O que nós iremos fazer é resistir, resistir e resistir”.
5.mai.16, em entrevista para a “BBC”

 

JUSTIÇA SEJA FEITA

 

MICHEL TEMER
“Mas eu quero agradecer a eles [deputados governistas], porque eles, nas orações que fizeram, revelaram a indignação com a injustiça. Não só injustiça com o fato em si, mas injustiça com que se faz com o Brasil”
11.jul.17, em discurso durante lançamento do Programa Nacional de Regularização Fundiária

 

DILMA ROUSSEFF
“Eu sou a prova da injustiça. Eles estão condenando, nesse impeachment, uma pessoa inocente”
6.mai.2016, em discurso em visita a Estação de Bombeamento em Cabrobó

 

COMIGO, NÃO

 

MICHEL TEMER
“Os senhores sabem que eu fui denunciado por corrupção passiva. Notem, vou repetir a expressão, corrupção passiva a essa altura da vida, sem jamais ter recebido valores. Nunca vi o dinheiro e não participei de acertos para cometer ilícitos”
27.jun.17, em declaração à imprensa

 

DILMA ROUSSEFF
“Não cometi crime de responsabilidade. Não há razão para um processo de impeachment. Não tenho contas no exterior. Nunca recebi propinas, jamais compactuei com a corrupção”
12.mai.16, em pronunciamento à imprensa

 

FICÇÃO E REALIDADE

 

MICHEL TEMER
“Eu digo, meus amigos, minhas amigas, sem medo de errar, que a denúncia é uma ficção”
27.jun.17, em declaração à imprensa

 

DILMA ROUSSEFF
“A denúncia contra mim em análise no Congresso Nacional não passa de uma fraude, a maior jurídica e política da história de nosso país”
16.abr.16, em discurso nas redes sociais

 

VITAMINADO

 

MICHEL TEMER
“A minha disposição não diminuirá com ataques irresponsáveis à instituição Presidência da República, não quero ataques a ela, e muito menos ao homem Michel Temer”
27.jun.17, em declaração à Imprensa

 

DILMA ROUSSEFF
“Eu tenho a disposição de resistir. Resistirei até o último dia”
10.mai.16, na cerimônia de abertura da 4ª Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres

 

FORÇAS OCULTAS

 

MICHEL TEMER
“Querem parar o país, parar o Congresso Nacional num ato político com denúncias frágeis e precárias”.
27.jun.17, em declaração à imprensa

 

DILMA ROUSSEFF
“Querem revogar direitos e cortar programas sociais como o Bolsa Família e o Minha Casa Minha Vida. Ameaçam até a educação pública”
16.abr.16, em discurso nas redes sociais

 

GAFES

 

MICHEL TEMER

UMA VEZ COMUNISTA, SEMPRE COMUNISTA
“O deputado federal Darcísio Perondi (PMDB-RS) esteve lá e verificou o interesse de empresários soviéticos [a União Soviética acabou em 1991] e noruegueses pelo que está acontecendo no país”
26.jun.17 em discurso na Sanção da Lei que Regulamenta a Diferenciação de Preço

 

TROCANDO AS BOLAS
“Hoje, uma reunião com vossa excelência e mais adiante com o parlamento brasileiro e um pouco mais adiante com sua majestade, o rei da Suécia”
23.jun.17, em discurso em visita oficial à Noruega

 

DILMA ROUSSEFF

 

IVONE OU IVETE
“Nós estamos aqui construindo as condições para que o Rio de Janeiro seja essa cidade fantástica para se viver, porque tem uma alegria que está na representação da dona Ivete Lara… Ivone Lara, desculpa dona Ivone
1º.mar.15, em discurso na Entrega das Medalhas 1º de Março

 

RORA… O QUÊ?
“De fato, Roraima é a capital mais distante de Brasília, mas eu garanto para vocês que essa distância, para nós, só existe no mapa. E aí eu me considero hoje uma roraimada, no que prova que eu estou bem perto de vocês”
7.ago.2015, em discurso na entrega de moradias do Minha Casa, Minha Vida em Boa Vista

 

Fonte: Fabio Campana

Foto: Blog do Márcio Rangel


1

No final da manhã desse último domingo (23), um espaço, voltado ao armazenamento de materiais recicláveis dentro da Área da Estação Ferroviária, denominado Associação Novos Tempos Dos Catadores de Reciclagens foi alvo de um incêndio.

 

O Corpo de Bombeiros e Defesa Civil se fizeram presentes no local e trabalharam no combate às chamas.

 

2

3

4

5

6

8

9

 

A Rio Claro Online entrou em contato com a Defesa Civil e foi informado que o fogo teve início nas proximidades da Estação Ferroviária e que infelizmente acabou se alastrando muito rápido até o depósito com materiais recicláveis.

 

A causa do incêndio ainda está sendo apurada. Não houve feridos.

 

A Estação Ferroviária compreende uma área grande, cerca de aproximadamente 7 ha

 estacao02estacao04

estacao05

 

 

A Rio Claro Online colheu comentários e perguntas pertinentes de algumas pessoas a respeito do Incêndio:

 

“Hoje fui na Futura Associação Novos Tempos dos catadorees de Reciclagem que agora precisam do povo de Rio Claro com material reciclavel ao lado do ECO PONTO DO INOCOOP..
Receberam a cesta verde através da Secretaria Assistência Social as 24 famílias… agora precisam de uma solução rápida e definitiva e atuante das Secretarias para poderem trabalhar e aumentar a renda …

Colaborem junto com a Presidente Jozilma e Luci Bonatti

“Hoje fui verificar a situação do local em que a Associação Novos Tempos de Catadores de Reciclagem estão ao lado do ECO PONTO DO BAIRRO INOCOOP, precisam de toda ajuda de Rio Claro apos este incendio que ocorreu na Av 8 A … precisam de agua… telhas… blocos.

Cimento… areia… Agua …

Precisam agora de material para poderem vender e conquistarem o salario das 24 familias que pagam aluguel… agua e outras despesas… Tenho que agradecer o apoio do Secretario de Segurança Bellagamba ..

Secretaria de Assistencia Social … Sepladema Penteado … mas o que realmente agora neste momento é decisão de ajudar e fazer o Barracao para estas mulheres e homens poderem conquistarem mais espaços …mas sem mais demora do poder publico..

Agora é decisão para a conclusão… Porque todos tem o sonho de crescer…. e Estarei com todos.. Presidente Jozilma e Luci Bonatti ..

Compartilhem todos precisam conhecer

Maria Do Carmo Guilherme

a11

 

 

“Esse incêndio está na cara que foi algo criminoso (…)”

Sandra Regina

 

“A Base da PM está instalada já faz um mês praticamente na Av.1 Rua 1, e o que aconteceu? Ninguém viu nada antes do fogo se alastrar? Onde estão as câmeras de segurança nessa região? Só deram conta do fogo a hora que a fumaça já estava negra no céu de Rio Claro, se via  há distância!”

José Abilio

 

“O desespero foi total, estava tomando o ônibus com a minha mulher e menina de 3 anos e a fumaça preta vindo forte em  direção a toda a Estação, não sabíamos o que seria, só´pensei em sair dali o mais rápido possível.”

Paulo César

 

INDIGNADA!!!!! INCÊNDIO CRIMINOSO NA ASSOCIAÇÃO DOS CATADORES DE RECICLÁVEIS DE RIO CLARO, NOVO TEMPO!!!!!

TANTAS FAMÍLIAS SAÍRAM DOS ATERROS POR ESSA ASSOCIAÇÃO E ASSIM QUE RIO CLARO AGRADECE…. SINTO NOJO E VERGONHA!

Luci Bonatti CONTA COMIGO VAMOS ARRECADAR ALIMENTOS E ROUPAS, PQ NÃO TEMOS A OPÇÃO DE DESISTIR…. VOCÊ E A PRESIDENTE JOSILMA SÃO REFERÊNCIA DE FORÇA E DEDICAÇÃO. SINTO MUITO!

Thais Lopes

 

“Meu e muito estranho de uma hora pra outra tudo tá pegando fogo pra mim tem coisa aí em”

Reinaldo Roots

 

“É permitido esse tipo de depósito no centro da cidade? O sepladema permite esse tipo de depósito em área central???????”

Virlaine Cyrino Pedagoga

 

“Mas o que se transformou ali,tem muito lixo.”

Bia Fabio Pereira

 

“Parabéns a todos os bombeiros”

Sergio Ricardo

 

 “Nossa nem sabia que tinha associação de recicláveis alí…que perigo, trens param com tanques de combustível aí perto…”

Leide Helena

 

“Vai vira estacionamento também”

Rodrigo Gomes


1a

Analistas ouvidos na semana passada pelo Banco Central elevaram estimativa para inflação de 3,29% para 3,33%. Mercado manteve previsões para alta do PIB e para os juros.

 

Após o governo anunciar o aumento da alíquota de PIS e Cofins sobre os combustíveis, economistas do mercado financeiro elevaram a previsão para a inflação neste ano, informou nesta segunda-feira (24) o Banco Central no relatório conhecido como Focus.

 

De acordo com os analistas, ouvidos pelo BC na semana passada, a inflação agora deve ficar em 3,33%, na média. No relatório anterior, feito com base nas previsões coletadas pelo Banco Central na semana retrasada, os economistas estimavam que a inflação ficaria em 3,29%, na média.

 

A nova estimativa interrompe uma sequência de sete quedas seguidas no indicador. Mais de cem instituições financeiras foram ouvidas pelo BC.

 

Apesar da alta, a nova previsão mantém a inflação abaixo da meta central para o ano, que é de 4,5%.

 

A meta de inflação é fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) e deve ser perseguida pelo Banco Central, que, para alcançá-la, eleva ou reduz a taxa básica de juros da economia (Selic).

 

A meta central de inflação não é atingida no Brasil desde 2009. À época, o país ainda sentia os efeitos da crise financeira internacional de forma mais intensa.

 

Pelo sistema vigente no Brasil, a meta de inflação é considerada formalmente cumprida quando o IPCA fica dentro do intervalo de tolerância também fixado pelo CMN.

 

Para 2017, esse intervalo é de 1,5 ponto percentual para baixo ou para cima do centro da meta. Assim, o BC terá cumprido a meta se o IPCA terminar este ano entre 3% e 6%.

 

Para 2018, a previsão do mercado financeiro para a inflação ficou estável em 4,20% na última semana. O índice segue abaixo da meta central (que também é de 4,5%) e do teto de 6% fixado para o período.

 

PIB e Juros

 

 

Para o Produto Interno Bruto (PIB) de 2017, o mercado financeiro manteve sua estimativa de crescimento em 0,34%. Para 2018, os economistas das instituições financeiras mantiveram sua estimativa de expansão da economia em 2%.

 

O mercado financeiro também manteve sua previsão para a taxa básica de juros da economia, a Selic, de 8% ao ano para o fechamento de 2017.

 

Ou seja, os analistas continuaram a estimar uma redução dos juros neste ano. Atualmente, a Selic está em 10,25% ao ano.

 

Para o fechamento de 2018, a estimativa dos economistas dos bancos para a taxa Selic permaneceu 8% ao ano. Com isso, estimaram que os juros ficarão estáveis no ano que vem.

 

Câmbio, balança e investimentos

 

 

Na edição desta semana do relatório Focus, a projeção do mercado financeiro para a taxa de câmbio do dólar no fim de 2017 ficou estável em R$ 3,30. Para o fechamento de 2018, a previsão dos economistas para a moeda norte-americana recuou de R$ 3,45 para R$ 3,43.

 

A projeção do boletim Focus para o resultado da balança comercial (resultado do total de exportações menos as importações) em 2017 permaneceu em US$ 60 bilhões de resultado positivo. Para o próximo ano, a estimativa dos especialistas do mercado para o superávit caiu de US$ 47,8 bilhões para US$ 45,5 bilhões.

 

A previsão do relatório para a entrada de investimentos estrangeiros diretos no Brasil, em 2017, permaneceu em US$ 75 bilhões. Para 2018, a estimativa dos analistas ficou estável também em US$ 75 bilhões

 
 
Fonte: G1


1

Procurador-geral da República participou de palestra em Washington. Mandato de Janot à frente da PGR termina em setembro.

 

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, disse nesta segunda (17) em Washington que o Ministério Público não tem pressa para apresentar uma nova denúncia contra o presidente Michel Temer. O mandato de Janot à frente da PGR termina em setembro.

 

No fim de junho, Janot apresentou uma denúncia contra Temer por corrupção passiva, com base nas delações premiadas de executivos da J&F. Mas há a expectativa no meio político de que o procurador esteja preparando novas acusações.

 

Durante a palestra, Janot foi questionado por um jornalista sobre querer apresentar uma nova denúncia antes do final do mandato. Ele respondeu que não busca celeridade nas investigações. O procurador afirmou que as apurações devem levar o tempo necessário para levantar provas sobre a existência ou não de crime.

 

“O MP não tem pressa e nem retarda denúncia. Existem investigações em curso e essas investigações, uma está mais adiantada que outra, e se até o dia 15 de setembro, último dia útil do meu mandato, eu obtiver esse quadro definido, eu não posso deixar de fazer isso [apresentar a denúncia], sob pena de prevaricar, de não praticar meu ato de ofício”, afirmou o procurador-geral.

 

Além disso, Janot ressaltou que o Ministério Público não trabalha com a necessidade de “oferecer denúncia”, e sim a de “apurar” os fatos.

 

“Nós não temos a necessidade de oferecer uma denúncia, eu tenho a necessidade de apurar. Eu tenho necessidade de apurar e, convencido de que o fato é típico, e convencido da materialidade do crime e definida a autoria, aí sim partiremos para a fase do processo penal”, completou Janot.

 

Indagado sobre como vai se sentir caso a Câmara dos Deputados rejeite a denúncia já apresentada, Janot afirmou que vai aceitar com a “maior naturalidade possível”, pois cada poder tem sua função.

 

“Cada um faz o seu trabalho. Eu não vou insistir nessa denúncia porque tecnicamente não tem como insistir. Não autorizou, ela vai ficar suspensa.”

 

Segundo o procurador, se isso acontecer, o que resta é esperar acabar o mandato de Temer para dar continuidade ao processo.

 

“Se a Câmara autoriza, o processo penal segue o seu curso normal. Se a Câmara não autoriza, essa denúncia fica suspensa aguardando o fim do exercício da presidência da República para dar sequência”, completou.

 

Imunidade

 

 

Janot disse também que para os padrões norte-americanos o conteúdo da delação dos irmãos Batista, donos da JBS, seria o suficiente para conceder imunidade aos delatores. No processo, Joesley entregou à procuradoria a gravação de uma conversa com Temer.

 

Após o acordo de delação, Joesley e Wesley Batista obtiveram o direito de não responder criminalmente pelo esquema de propinas que revelaram a procuradores e terão dez anos para pagar uma multa de R$ 225 milhões.

 

Os termos foram considerados no Brasil como muito benéficos em comparação aos que foram acordados com outros delatores da Operação Lava Jato.

 

“A pessoa que entrega no curso do cometimento do crime um presidente da República, eu duvido que para o padrão norte-americano isso não seria suficiente para entender pela imunidade”, argumentou Janot no evento em Washington.

 

O procurador-geral disse, ainda, que não poderia “engolir seco” e deixar que as pessoas continuassem praticando crime porque não queria conceder imunidade. Ele ressaltou que “ninguém se sente feliz concedendo imunidade a criminoso”.

 

Janot defendeu o processo usado na procuradoria para determinar os termos dos acordos de delação.

 

“Jamais um colega vai sozinho ouvir um delator. Não há nenhuma decisão tomada na hora. Nós deliberamos em conjunto o que pode ser feito e não pode ser feito”, explicou.

 

Fonte: G1

Rodrigo Janot participa de palestra organizada pelo Wilson Center, em Washington (Foto: Reprodução / Wilson Center)


1

BRASÍLIA – Mesmo com o Congresso parado por 15 dias para o recesso, o governo não está disposto a dar trégua ao corpo a corpo que tem feito na base aliada para engavetar a denúncia da Procuradoria-Geral da República contra o presidente Michel Temer.

 

O esforço rendeu uma vitória significativa na semana passada, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, na primeira batalha para rejeitar a denúncia contra Temer por corrupção passiva. Um time será montado para monitorar os votos com que o presidente já conta para enterrar o caso no plenário e partir para cima dos indecisos. Nesse período, benefícios concedidos a “traidores” — os que receberam emendas ou outro afago e votaram contra o governo — serão revistos.

 

Pelo mapa do Palácio do Planalto, há 80 deputados da base que ainda não sabem se votarão contra ou a favor de autorizar o Supremo Tribunal Federal (STF) a julgar a acusação de que Temer cometeu o crime de corrupção passiva. Esses deputados serão procurados pelo governo e deverão ser recebidos pessoalmente por Temer, que mostrará a disposição do governo em atender a seus pleitos. Essa foi a mesma estratégia usada para conquistar os votos necessários na CCJ: liberação de emendas e cargos.

 

— Às vezes nem é cargo que o deputado quer, às vezes falta só um carinho. É uma ligação não atendida por Michel, uma coisa simples de resolver — diz o deputado Beto Mansur (PRB-SP), vice-líder do governo.

 

Mexida na Esplanada

 

Para apetites maiores, o governo tem no cardápio pelo menos duas pastas a serem negociadas: o Ministério da Cultura, abandonado por Roberto Freire (PPS) quando estourou o escândalo da JBS, e o Ministério da Transparência, que era comandado por Torquato Jardim, realocado no Ministério da Justiça para reforçar a defesa do governo.

 

O PTB, que votou em peso contra a denúncia na CCJ, já teria manifestado interesse em uma dessas pastas. O nome da deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ) estaria circulando para assumir a Cultura. O chamado centrão, que reúne partidos médios, ainda pressiona para desalojar o PSDB dos quatro ministérios que ocupa, já que, pelas contas da bancada tucana, cerca de dois terços dos deputados do partido votarão pela aceitação da denúncia.

 

Das 13 trocas de titulares feitas na CCJ, a pedido do Palácio do Planalto, a maioria aconteceu nos partidos do centrão —PR, PP, PRB e PTB.

 

Embora setores do governo digam que a votação da denúncia pode se arrastar por meses, devido à falta de quórum, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirma que, no dia 2 de agosto, quando está marcada a votação, o plenário estará cheio. Ele diz que o governo não tem interesse de deixar o assunto suspenso. E a oposição, que poderia obstruir, também não vai querer ficar com a pecha de que está enrolando, segundo Maia.

 

Fonte: O Globo

 

Michel Temer está apostando no corpo a corpo para convencer deputados – Eraldo Peres / AP


1

Convênio entre Caixa Econômica Federal e governo do Rio abriu as portas para esquema

 

RIO – A partir de 2007, após a assinatura de um convênio da Caixa Econômica Federal com o governo do Rio, o esquema se sofisticou — e o patrimônio da previdência complementar da Cedae, a Prece, passou a ser dilapidado de forma acelerada, com operações de compra e venda de papéis podres, superfaturamento na aquisição de materiais e investimentos incompatíveis com a realidade do fundo.

 

Segundo as investigações, a “parceria” permitiu que Cunha ampliasse o loteamento de cargos na diretoria e no Conselho Deliberativo da Cedae e da Prece, nomeando operadores responsáveis por investimentos do fundo de pensão no mercado financeiro.

 

Logo após o convênio entrar em vigor, a Caixa cedeu à Prece o funcionário Milton Luis de Araújo Leobons, próximo ao ex-deputado, para ocupar o cargo de diretor de investimento do fundo de pensão. Quatro anos depois, Cunha conseguiu emplacar Fabio Cleto, um ex-parceiro de Funaro nas mesas de operações de São Paulo, na vice-presidência da Caixa. Daí em diante, as operações cresceram em ritmo acelerado.

 

Com objetivo de captar melhores opções de aplicações no mercado financeiro que servissem ao esquema, Leobons contratou e patrocinou cursos de especialização formando o que nos corredores da Prece foi chamada de “escola do crime”, um time de jovens investidores que atuariam sob sua coordenação.

 

O GLOBO identificou ao menos cinco desses operadores que foram escolhidos para atuar no mercado financeiro e receberam treinamento e cursos de mestrado em institutos como IBMEC e FGV. O “investimento” custou aos cofres da Prece cerca de R$ 370 mil.

 

A saga de operações controversas capitaneadas por Leobons começou a fazer água em 2010, com uma transação de R$ 15 milhões na compra de papéis junto ao Banco Cruzeiro do Sul, uma aplicação que deu errado e não tinha praticamente nenhuma garantia. Denunciado à Previc, que fiscaliza os fundos de pensão, ele foi punido com multa em 2014 e se tornou alvo de um processo de inabilitação para operar aplicações do fundo. Leobons, porém, seguiu à frente da Prece até março deste ano. Hoje, ele está inabilitado por tempo indeterminado de atuar em qualquer tipo de operação financeira.

 

Houve outros gastos contestados em sua gestão. Como o convênio firmado entre a Caixa e o governo do Rio previa um ressarcimento pela cessão do funcionário, a Prece pagou R$ 8,76 milhões em salários e outros benefícios durante os dez anos em que ele ficou à frente da diretoria. Quem assumiu o cargo com a saída de Leobons foi Antonio Carneiro Alves, ex-gerente de investimentos contratado pelo próprio Leobons.

 

O GLOBO tentou ouvir Leobons por meio da assessoria da Prece, mas não obteve autorização. A defesa de Cleto não foi localizada pela reportagem.

 

Fonte: O Globo

 

BRASIL – BRASÍLIA -BSB – 03/09/2015 – Câmara dos Deputados. O deputado EDuardo Cunha, presidente da Câmara , durante as votações desta quinta feira no plenário da Câmara. FOTO ANDRE COELHO / Agencia O Globo – André Coelho


Revista Colaborativa

O seu maior objetivo é diminuir as distâncias geográficas e de estilos de vidas para um caminho mais rápido ao alcance do conhecimento, divulgar ideias, movimentos, e ações através de uma nova mídia colaborativa na cidade, com informações de causa social, uma revista eletrônica que tem como público alvo internautas com médio e alto potencial ideológico e de consumo para interagir e desenvolver a sua própria subsistência em diversas esferas da comunidade para o bem comum.