unesp

Exame inscreve até segunda (9/10) para 7.365 vagas em 173 cursos de 23 cidades e oferece redução de 75% da taxa para formandos das escolas públicas paulistas

 

A Universidade Estadual Paulista (Unesp) divulgou hoje (5/10) o resultado dos pedidos de isenção da taxa do Vestibular 2018. As solicitações do benefício foram feitas até o dia 11 deste mês por candidatos socioeconomicamente carentes. Os 7.660 candidatos incluídos na lista já estão automaticamente inscritos. A taxa integral é de R$ 170,00.

 

As inscrições para os pagantes serão encerradas na segunda-feira, 9 de outubro. A oferta do Vestibular Unesp 2018 é de 7.365 vagas em 173 opções de cursos, distribuídas em unidades localizadas em 23 cidades. Os interessados deverão se inscrever pelo site da Fundação Vunesp (www.vunesp.com.br), responsável pela seleção.

 

A lista com o resultado dos pedidos de redução de 50% da taxa já foi divulgada na página da Vunesp e no endereço vestibular.unesp.br. O pedido de redução de 50% destina-se a candidatos matriculados no ensino médio ou em curso pré-vestibular e que recebam remuneração mensal inferior a dois salários mínimos ou estejam desempregados. Estes candidatos pagam taxa de R$ 85,00.

 

A Unesp oferece ainda redução de 75% aos cerca de 500 mil alunos matriculados no último ano do ensino médio da rede pública estadual paulista. O período para cadastramento destes candidatos é o mesmo da inscrição dos pagantes de taxa integral, com término em 9 de outubro. O valor da taxa para estes alunos será de R$ 42,50.

 

A Unesp destina mínimo de 50% das suas vagas por curso ao Sistema de Reserva de Vagas para Educação Básica Pública. Este índice era de 45% no último exame, quando a porcentagem de ingressantes oriundos de escolas públicas foi de 52,6%.

 

As provas da primeira fase da seleção serão realizadas no dia 15 de novembro, em 31 cidades paulistas e ainda em Brasília (DF), Campo Grande (MS) e Uberlândia (MG). No ano passado, o total foi de 102.230 inscritos no Vestibular Unesp.

 

Sobre a Unesp

 

A Unesp, Universidade Estadual Paulista, é uma universidade pública, gratuita, que está entre as maiores e melhores do País. Está presente em 24 cidades do Estado de São Paulo com 34 faculdades e institutos, onde desenvolve atividades de ensino, pesquisa e extensão em todas as áreas do conhecimento. Fundada em 1976, a instituição oferece 182 cursos de graduação e 146 programas de pós-graduação. Tem 51.311 alunos (37.770 na graduação, 13.541 na pós stricto sensu), 3.826 professores e 6.782 servidores técnico-administrativos. Possui cerca de 1.900 laboratórios e 30 bibliotecas, com mais de 1,3 milhão de livros. Oferece cursos pré-vestibulares gratuitos em suas unidades, bem como diversos programas de extensão de serviços à comunidade. Três escolas de ensino técnico são mantidas pela Universidade: o Colégio Técnico Industrial em Bauru, o Colégio Técnico Industrial em Guaratinguetá e o Colégio Técnico Agrícola em Jaboticabal.

 

Mais informações:

Informações sobre todos os cursos da Universidade no Guia de Profissões, em www.unesp.br/guiadeprofissoes

Assista um vídeo sobre a Unesp em www.unesp.br/unespvideos

Disque Vunesp – (11) 3874-6300 (de segunda a sábado, das 8 às 20 horas)

Sites – http://vestibular.unesp.br e www.vunesp.com.br


marta-fischer

“Só existem dois dias no ano que nada pode ser feito. Um se chama ONTEM e o outro se chama AMANHÃ, portanto HOJE é o dia certo para amar, acreditar, fazer e principalmente viver”. (Dalai Lama) “

 

O Verso do Reverso do Não Fazer Escolhas

 

“Nossos fracassos são, às vezes, mais frutíferos que nossos êxitos” (Henry Ford)

 

“Só se pode alcançar um grande êxito quando nos mantemos fiéis a nós mesmos” (Nietzche)

 

“De acordo com a Física, resiliência trata-se da capacidade de um ‘corpo’ voltar ao seu estado original, após ter submetido a algum tipo de deformação. O mesmo acontece, quando um indivíduo possui habilidades em adaptar-se às mudanças em qualquer tempo. Captura estratégias para encontrar resultados às questões que se apresentam, ainda que, convivendo com o problema. O autoconhecimento é norteador no processo de superação.

 

“Conhecer o homem – esta é a base de todo o sucesso”(Charles Chaplin)

 

As soluções para os enigmas exige muita resiliência, porque abarcam as relações interpessoais de toda ordem. Na atualidade, ser resiliente é exigência primeira para inserção no mundo corporativo, pois o mercado de trabalho preconiza o profissional que tem capacidade em adequar-se às situações-limite, sem deixar-se envolver, porquanto a aceitação é arbitrária de conformismo e falta de ação.

 

A pessoa com característica ‘resiliente’ é empreendedora e arrojada para assumir riscos e perdas. Reconhece seus pontos fortes e limitações; antecipa-se aos obstáculos, se necessário; também recua e receia diante dos problemas, mas não se detém, mantém o equilíbrio, sem desestruturar-se. Graças a sua plasticidade, enfrenta momentos adversos de crises e se fortalece com isso, porque centra nos recursos de que dispõe, sem lamentar as intercorrências; aprende com os exercícios, em vez de sentir-se derrotado durante o aprendizado.

 

“A felicidade não se resume na ausência de problemas, mas sim na capacidade de lidar com eles”

(Albert Einstein)

 

Conheça o Website da Dra Marta Fischer ;)

Sejam Bem Vindos!  – www.martafischer.com.br

 

1-2


unesp

A Universidade Estadual Paulista (Unesp) inscreverá até 9 de outubro para o Vestibular 2018, com oferta de 7.365 vagas em 173 opções de cursos, distribuídas em unidades localizadas em 23 cidades. Os interessados deverão se inscrever pelo site da Fundação Vunesp (www.vunesp.com.br). A taxa é de R$ 170,00.

 

A lista com o resultado dos pedidos de redução de 50% da taxa já foi divulgada na página da Vunesp e no endereço vestibular.unesp.br. O pedido de redução de 50% destina-se a candidatos matriculados no ensino médio ou em curso pré-vestibular e que recebam remuneração mensal inferior a dois salários mínimos ou estejam desempregados. Estes candidatos pagam taxa de R$ 85,00.

 

O resultado dos pedidos de isenção da taxa será divulgado em 5 de outubro. A Universidade oferece 7.365 isenções para candidatos socioeconomicamente carentes. Os pedidos foram feitos até o dia 11 deste mês.

 

A Unesp oferece ainda redução de 75% aos cerca de 500 mil alunos matriculados no último ano do ensino médio da rede pública estadual paulista. O período para cadastramento destes candidatos é o mesmo da inscrição dos pagantes de taxa integral, de 11 de setembro a 9 de outubro. O valor da taxa para estes alunos será de R$ 42,50.

 

A Unesp destina mínimo de 50% das suas vagas por curso ao Sistema de Reserva de Vagas para Educação Básica Pública. Este índice era de 45% no último exame, quando a porcentagem de ingressantes oriundos de escolas públicas foi de 52,6%.

 

As provas da primeira fase da seleção serão realizadas no dia 15 de novembro, em 31 cidades paulistas e ainda em Brasília (DF), Campo Grande (MS) e Uberlândia (MG). No ano passado, o total foi de 102.230 inscritos no Vestibular Unesp.

 

Sobre a Unesp

 

A Unesp, Universidade Estadual Paulista, é uma universidade pública, gratuita, que está entre as maiores e melhores do País. Está presente em 24 cidades do Estado de São Paulo com 34 faculdades e institutos, onde desenvolve atividades de ensino, pesquisa e extensão em todas as áreas do conhecimento. Fundada em 1976, a instituição oferece 182 cursos de graduação e 146 programas de pós-graduação. Tem 51.311 alunos (37.770 na graduação, 13.541 na pós stricto sensu), 3.826 professores e 6.782 servidores técnico-administrativos. Possui cerca de 1.900 laboratórios e 30 bibliotecas, com mais de 1,3 milhão de livros. Oferece cursos pré-vestibulares gratuitos em suas unidades, bem como diversos programas de extensão de serviços à comunidade. Três escolas de ensino técnico são mantidas pela Universidade: o Colégio Técnico Industrial em Bauru, o Colégio Técnico Industrial em Guaratinguetá e o Colégio Técnico Agrícola em Jaboticabal.

 

Mais informações:

Informações sobre todos os cursos da Universidade no Guia de Profissões, em www.unesp.br/guiadeprofissoes

Assista um vídeo sobre a Unesp em www.unesp.br/unespvideos

Disque Vunesp – (11) 3874-6300 (de segunda a sábado, das 8 às 20 horas)

Sites – http://vestibular.unesp.br e www.vunesp.com.br


unesp

A Universidade Estadual Paulista (Unesp) receberá a partir de 4 de setembro os requerimentos dos interessados nas 7.365 isenções para o exame de 2018. Também estará aberto o período para solicitação de redução de 50% do valor da taxa de R$ 170,00.

 

Para pedir isenção, os candidatos deverão preencher até 11 de setembro o formulário de inscrição, disponível na página www.vunesp.com.br, e enviar os documentos comprobatórios por meio digital (upload), conforme orientações disponíveis no próprio site. Podem pedir isenção vestibulandos com renda familiar mensal igual ou inferior a R$ 1.405,50 por pessoa. O resultado da solicitação será divulgado em 5 de outubro, na página da Vunesp. Os pedidos deferidos já significarão a efetivação da inscrição do solicitante.

 

O pedido de redução de 50% do valor da taxa destina-se a candidatos matriculados no ensino médio ou em curso pré-vestibular e que recebam remuneração mensal inferior a dois salários mínimos ou estejam desempregados. O prazo é semelhante ao do pedido de isenção, bem como a necessidade de envio de documentação comprobatória por meio digital (upload). O resultado dos pedidos de redução será divulgado em 26 de setembro.

 

A Unesp oferece ainda redução de 75% aos cerca de 500 mil alunos matriculados no último ano do ensino médio da rede pública estadual paulista. O período para cadastramento destes candidatos é o mesmo da inscrição dos pagantes de taxa integral, de 11 de setembro a 9 de outubro.

 

São oferecidas para o Vestibular 2018 da Unesp um total de 7.365 vagas em 173 cursos de 23 cidades, sendo 50% (3.698 vagas) destinadas ao Sistema de Reserva de Vagas para Educação Básica Pública. Este índice era de 45% no último exame, quando a porcentagem de ingressantes oriundos de escolas públicas foi de 52,6%.

 

As provas da primeira fase da seleção serão realizadas no dia 15 de novembro, em 31 cidades paulistas e ainda em Brasília (DF), Campo Grande (MS) e Uberlândia (MG). No ano passado, o total foi de 102.230 inscritos no Vestibular Unesp.

 

Sobre a Unesp

 

A Unesp, Universidade Estadual Paulista, é uma universidade pública, gratuita, que está entre as maiores e melhores do País. Está presente em 24 cidades do Estado de São Paulo com 34 faculdades e institutos, onde desenvolve atividades de ensino, pesquisa e extensão em todas as áreas do conhecimento. Fundada em 1976, a instituição oferece 182 cursos de graduação e 146 programas de pós-graduação. Tem 51.311 alunos (37.770 na graduação, 13.541 na pós stricto sensu), 3.826 professores e 6.782 servidores técnico-administrativos. Possui cerca de 1.900 laboratórios e 30 bibliotecas, com mais de 1,3 milhão de livros. Oferece cursos pré-vestibulares gratuitos em suas unidades, bem como diversos programas de extensão de serviços à comunidade. Três escolas de ensino técnico são mantidas pela Universidade: o Colégio Técnico Industrial em Bauru, o Colégio Técnico Industrial em Guaratinguetá e o Colégio Técnico Agrícola em Jaboticabal.

 

Mais informações:

Informações sobre todos os cursos da Universidade no Guia de Profissões, em www.unesp.br/guiadeprofissoes

Assista um vídeo sobre a Unesp em www.unesp.br/unespvideos

Disque Vunesp – (11) 3874-6300 (de segunda a sábado, das 8 às 20 horas)

Sites – http://vestibular.unesp.br e www.vunesp.com.br


unesp

Odontologia solicitou suspensão de entradas no curso noturno diante da falta de verbas; reitoria não atendeu aos apelos

 

Com recursos escassos, faculdades da Universidade Estadual Paulista (Unesp) têm apelado à reitoria para reduzir o número de vagas oferecidas no próximo vestibular. A administração reconhece os pedidos, mas recusou as solicitações. A instituição enfrenta grave crise financeira desde 2014.

 

A Faculdade de Odontologia, em Araçatuba, pediu a suspensão da oferta de 30 vagas da graduação à noite. O curso teve concorrência de 18,5 candidatos por vaga no último vestibular – mais do que o diurno da mesma unidade (11,1 por vaga).

 

Em documento enviado à reitoria, a Faculdade de Odontologia atribui o interesse em congelar vagas às restrições orçamentárias dos últimos anos, “além do grande número de aposentadorias sem reposição e da previsão de aposentadoria de mais de 10 servidores em 2017”.

 

A Unesp recebe cota de 2,34% da arrecadação paulista de ICMS. Com a crise econômica, o recolhimento do imposto no Estado caiu 1,6%, em valores corrigidos, entre janeiro e maio, ante o mesmo período de 2016, o que impactou as contas da instituição.

 

Alunos relatam que eles próprios têm de comprar alguns materiais usados em aulas práticas, que custam caro. Neste semestre, os universitários têm feito protestos contra a falta de estrutura. “A situação está tão complicada que a sensação é de que a faculdade está se autodestruindo”, afirma Lucas Lourenço, recém-formado dentista pela faculdade e ex-integrante do movimento estudantil.

 

O Instituto de Artes, na capital, pediu suspensão de 30 vagas no curso noturno de licenciatura em Arte – Teatro. A proposta enviada era de alternar a oferta desse curso com o bacharelado em Artes Cênicas – Interpretação Teatral como saída para não fechar nenhum dos cursos.

 

A Unesp de Rio Claro também pediu redução de vagas – nas graduações de Geologia e Matemática. Mas não apresentou justificativas, o que motivou a recusa da reitoria.

 

Segundo dados internos, a Unesp – que tem cerca de 3,8 mil docentes – tinha 850 vagas de professores não preenchidas em maio. Com a crise, as contratações estão restritas. No primeiro semestre, foram contratados 571 professores emergenciais. Para o próximo, a liberação de vagas ainda está em processo.

 

Reitoria

 

A Unesp diz que, para Odontologia, há obrigação legal de manter a proporção de um terço das vagas à noite e dar oportunidade a quem não pode estudar durante o dia. Já a proposta do Instituto de Artes poderia prejudicar alunos que precisassem repetir disciplinas, por exemplo. Informa ainda que a política é manter o número de vagas, “mesmo em momentos de crise”, por seu compromisso em formar “profissionais bem qualificados.”

 

 

Fonte: Estadão


CRISE UNESP

Sistema foi criado, de acordo com reitoria, após denúncias de fraudes entre candidatos que se inscreveram como pretos ou pardos

 

A Universidade Estadual Paulista (Unesp) vai averiguar se alunos cotistas da instituição são realmente pretos ou pardos, como indicado na inscrição do processo seletivo. Segundo a instituição, o sistema foi criado após denúncias de falsas declarações entre candidatos cotistas.

 

A ideia, por enquanto, não é verificar a etnia de todos os estudantes. Passarão pela checagem só alunos que forem alvos de denúncias vindas de dentro ou de fora da Unesp. No futuro, há intenção de ampliar a abrangência da averiguação. E terá efeito retroativo: se houver denúncia, será avaliada a suposta inconsistência na autodeclaração dos já matriculados.

Na análise, serão usados critérios físicos, como a cor da pele ou o tipo de cabelo. Diferentemente de outras comissões do tipo para vestibulares e concursos públicos, também poderão ser considerados, entre alunos com pele menos escura, aspectos subjetivos, como a identidade negra do candidato em contextos sociais ou culturais.

 

 

“Há casos em que gostaríamos de considerar: estudantes que desenvolveram sua identidade em espaços de construção cultural negra, como escola de samba, capoeira ou organização quilombola”, explica Juarez Tadeu de Paula Xavier, assessor da Pró-reitoria de Extensão Universitária da instituição. Esse perfil sociocultural pode ajudar o aluno a seguir na instituição, mas não significa que será obrigatório para ter direito à cota. A universidade diz que vai dar amplo direito de defesa aos avaliados, como o uso de fotografias, documentos e vídeos. A análise será feita caso a caso.

 

O estudante será avaliado por uma comissão formada por professores alunos e funcionários. Caso não seja enquadrado como preto ou pardo, será excluído da universidade.

 

O mecanismo foi criado após denúncias levadas pela ONG Educafro – que busca a inclusão de pobres e negros na educação – e por coletivos da universidade. Houve queixas em pelo menos metade dos 24 municípios onde a Unesp tem câmpus, segundo Xavier. “É um volume considerável”, diz ele, sem precisar números. Todas ainda estão em apuração.

 

Em 2013, a Unesp foi a primeira a adotar cotas entre as estaduais paulistas, de forma escalonada. Agora, a reserva é de 50% das vagas para alunos de escola pública e, dentro desse grupo, 35% para pretos, pardos e indígenas (PPI), segundo a distribuição populacional no Estado de São Paulo medida pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Dos 7.403 calouros da Unesp neste ano, 1.922 – 26% do total – são PPI.

 

De olho

 

Frei David Santos, diretor executivo da Educafro, afirma que o movimento negro é defensor da autodeclaração. “Mas ela só tem valor se houver uma comissão antifraude.” É comum que falsos cotistas, segundo ele, usem truques para se passarem como pretos e pardos – desde o uso de turbantes até o bronzeamento artificial. Para o ativista, deve ter direito a cotas raciais aquele que enfrenta preconceito pela aparência. Uma pessoa de pele clara, ainda que tenha familiares negros, sofre pouco com a discriminação, diz.

 

Ele propõe que as universidades atuem em três frentes: obrigar os fraudadores a ressarcirem a instituição, usar o dinheiro para um fundo de bolsas para estudantes negros e criar edital para que a vaga aberta após o desligamento do falso cotista seja ocupada por um candidato PPI.

 

A ideia também é alvo de críticas. Para o professor de Direito Administrativo da USP Floriano de Azevedo Marques, comissões como essa “criam uma segregação justamente onde se queria evitar”, uma vez que “vai continuar marcando aquele aluno como ‘uma pessoa especial’ que precisa provar o quanto é especial, o que anula o principal proveito da política inclusiva, que é criar diversidade”. Marques diz ainda que “a quantidade de melanina na pele não é fator objetivo que define se o sujeito é ou não merecedor da inclusão”.

 

Fonte: Estadão


prouni

Foi publicada nesta segunda-feira, 6 de fevereiro, a primeira chamada do Programa Universidade para Todos

 

O resultado pode ser conferido na Página do ProUni, na Central de Atendimento, pelo telefone 0800-616161, e nas instituições de ensino participantes do programa.

 

Acesse a 1ª chamada

 

Tire suas dúvidas sobre o ProUni

 

Os classificados deverão comparecer à respectiva instituição até a próxima segunda-feira, 13, para comprovar as informações prestadas na ficha de inscrição. Os horários e locais devem ser consultados na própria instituição.

 

Eles deverão estar munidos dos documentos de identificação, inclusive dos membros do grupo familiar, além de comprovantes de residência; rendimentos; separação, divórcio ou óbito dos pais; pagamento de pensão alimentícia, ensino médio; professor de educação básica e/ou deficiência (veja aqui).

 

Um protocolo de recebimento da documentação é emitida pela instituição e entregue ao candidato, na ocasião. Algumas instituições poderão submeter os pré-selecionados, ainda, a um processo seletivo próprio. Neste caso, elas têm 24 horas para explicar formalmente a natureza e os critérios de aprovação.

 

Oportunidades

 

Uma segunda chamada será publicada em 20 de fevereiro com prazo até o dia 24 para comprovação de informações. Além disso, os interessados em participar da lista de espera podem manifestar interesse nos dias 7 e 8 de março. A lista será liberada para as instituições no dia 10 do mesmo mês e, neste caso, a comprovação acontece nos dias 13 e 14 de março.

 

A oferta é de 214.110 bolsas de estudos em instituições privadas de educação superior, em cursos de graduação e sequenciais de formação específica. A expectativa do Ministério da Educação (MEC) é atender estudantes em 798 mantenedoras e mais de mil instituições de ensino superior.

 

Das bolsas oferecidas, 103.719 são integrais e voltadas para estudantes com renda familiar mensal de até um salário mínimo e meio (R$ 1.405,50) por pessoa. Já as parciais somam 110.391 bolsas e contemplam participantes com renda familiar de até três salários mínimos (R$ 2.811).

 

ProUni

 

Puderam se inscrever no ProUni 2017/1 os brasileiros não portadores de diploma de curso superior, que participaram do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2016 e cursado o ensino médio completo em escola de rede pública ou em colégio particular na condição de bolsista integral.

 

Os estudantes que cursaram o ensino médio parcialmente em escola pública e parcialmente em instituição privada como bolsista integral, pessoas com deficiência e professores da rede pública de ensino, no efetivo exercício do magistério da educação básica, também foram aceitos.

 

Até as 14h do penúltimo dia de inscrições, 1.380.026 estudantes já haviam confirmado participação no programa, o equivalente a 2.666.825 inscrições. Mais informações podem ser obtidas no Edital ou pelo telefone 0800-616161.


1

Ministro da Educação, Mendonça Filho

 

O Ministério da Educação anunciou nesta quinta-feira (12) um reajuste de 7,64% no piso salarial dos professores do país. Com o aumento, o menor valor a ser pago a esses profissionais deve passar dos atuais R$ 2.135,64 para R$ 2.298,80. A implementação do novo valor, porém, vai depender de cada Estado.

 

Um levantamento feito em 2016 pela CNTE (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação) mostrou que mais da metade dos Estados brasileiros não pagam o piso.

 

O reajuste deste ano ficou 1,35 ponto percentual acima do índice da inflação do ano passado, que foi de 6,29%. Em 2016, ainda sob a gestão da ex-presidente Dilma Rousseff, o salário teve um reajuste de 11,36%, passando de R$ 1.917,78, em 2015, para R$ 2.135,64. A inflação acumulada no período foi de 10,67% (ganho real de 0,69 ponto percentual).

 

Questionado sobre o atual cenário de crise financeira do Estado, o ministro da Educação, Mendonça Filho, disse que cumprir o piso é obrigação nacional.

 

“As redes municipais e estaduais têm obrigação de cumprir a legislação federal. Sabemos que o contexto atual é de dificuldade financeira, mas governo federal tem empreendido esforços para passar recursos que ajudem na receita para a área da educação dos Estados e municípios”, declarou.

 

Em entrevista coletiva, Mendonça Filho reforçou que o governo federal antecipou, no fim do ano passado, R$ 1,5 bilhão do Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação).

 

Estados não pagam o piso

 

Contrariando o que diz o levantamento do CNTE, o presidente do Consed (Conselho Nacional dos Secretários de Educação), Frederico Amâncio, afirmou que quase a totalidade dos Estados cumpre sim o piso nacional. “Eu diria que praticamente todos Estados cumprem esse valor mínimo. Agora, outra discussão é se eles estão aplicando o percentual de reajuste do piso como reajuste salarial [das demais faixas]”, disse.

 

Já o presidente da CNTE, Roberto Leão, disse que o tema é bastante controverso. “Os Estados declaram [ao MEC] que cumprem com o piso. Mas se a gente for pesquisar direitinho, se for avaliar Estado a Estado, vamos ver que os dados são divergentes e controversos, porque a Lei do Piso não fala apenas do mínimo a ser pago, mas da jornada de trabalho, do percentual para cumprimento da hora/atividade, entre outras questões”, afirmou.

 

Segundo a tabela divulgada pela CNTE, Alagoas, Goiás, Maranhão, Paraíba, Paraná, São Paulo, Tocantins e Rio Grande do Sul não cumpriam o valor do piso apenas para os professores com formação de nível médio, mas aqueles com formação superior recebiam o valor atualizado.

 

Já Bahia, Ceará, Rio de Janeiro, Rondônia e Pernambuco não pagavam o valor no vencimento, como estipula a lei, mas cumprem o valor na remuneração, ou seja, acrescentando gratificações e complementações. Espírito Santo não cumpria o valor estipulado para 2016 nem mesmo na remuneração.

 

Piso é reajustado com base em lei

 

O piso é pago para profissionais com formação de nível médio, em início de carreira, que têm carga horária de 40 horas semanais.

 

O reajuste é anual e acontece sempre em janeiro, de acordo com a Lei do Piso, de 2008. A legislação assegura que o piso deve ser reajustado seguindo a variação no valor anual mínimo nacional investido por aluno da educação básica, que no ano passado foi de R$ 2.739,77. Esse valor é definido pelo Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais de Educação).

 

Quando a lei foi criada, o salário inicial do professor foi fixado em R$ 950,00, que considerando a inflação acumulada de julho de 2008 até dezembro de 2016 seria R$ 1.602,49 nos dias de hoje. Pela lei, os demais níveis de carreira dos professores têm o aumento negociado em cada ente federativo.

 

Fonte: Uol


1

No último ano, repasse feito pelo Governo Federal para políticas de mulheres, negros e direitos humanos é 35% menor

 

Em 2016, o repasse orçamentário destinado a políticas federais para pautas de mulheres, população negra e direitos humanos foi reduzido em 35% pelo governo federal. Enquanto em 2015 esse valor correspondia a R$ 95.263.006,89 do orçamento público, no último ano, o montante passou a R$ 61.842.623,05.


O levantamento em questão foi realizado pelo site Poder 360 e levou em consideração dados do SIAFI (Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal), que realiza o controle do orçamento nacional. Os dados puderam ser consultados através da ferramenta SIGA Brasil, do Senado Federal.


Para fins da análise, foram consideradas as 15 principais ações dessa área que, em 2015, foram destinatárias da maior parte do orçamento. Entre elas estão, por exemplo, as Casas da Mulher Brasileira, centros relevantes por promoverem o acesso aos serviços de enfrentamento à violência contra a mulher, o empoderamento feminino e a autonomia econômica das mulheres. Em 2015, elas receberam R$ 27,6 milhões, já em 2016 esse valor foi reduzido para R$ 15,6 milhões.


No mesmo caminho da redução, as ações voltadas ao reconhecimento e indenização de populações quilombolas receberam R$4,16 milhões a menos do governo federal — de R$ 15,06 milhões em 2015, para R$ 10,9 milhões em 2016. Ações de enfrentamento ao racismo também: enquanto em 2015 foram destinatárias de R$ 4,1 milhões, no último ano o repasse foi de R$ 2,3 milhões.


Os valores calculados não levam em conta os gastos com salários de servidores nem outros custos administrativos, como o aluguel de imóveis e o cálculo não considera a inflação do período.


O único ponto fora da curva se trata do programa Disque Direitos Humanos, que funciona como um canal para denúncias de violação de direitos humanos. A verba para o programa passou de R$ 19,3 milhões em 2015 para R$ 24,2 milhões em 2016. Parte substancial desse valor — R$18,2 milhões —  foi reservado antes do início da gestão de Michel Temer (PMDB), ainda em fevereiro.



Gestão Temer

Os dados que comprovam a queda do repasse remetem à forma como a pauta dos direitos humanos é trabalhada pelo atual governo. Entre as principais críticas feitas à gestão Temer, está o fato de, logo que assumiu a Presidência — maio deste ano —, o político ter extinto, entre outros, o Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos.

Criado em outubro de 2015 pela então Presidenta Dilma Rousseff (PT), o ministério unia, em uma mesma pasta, três secretarias: a de Direitos Humanos (SDH), Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir) e de polÍticas para Mulheres (SPM).

Com as mudanças promovidas por Temer e seus aliados, essas Secretarias são, hoje, parte da estrutura e responsabilidade do Ministério da Justiça, comandado pelo ministro Alexandre de Moraes.


Fonte: Brasil de Fato


1

Depois da mobilização dos estudantes da educação básica e universitários contra a PEC do Teto de Gastos e a Medida Provisória que reforma o ensino médio, propostas do governo Michel Temer (PMDB), os professores de ao menos 27 universidades federais aprovaram greve a partir de quinta-feira, 24, por tempo indeterminado, segundo a Associação Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes), principal sindicato da categoria.

 

A maioria das instituições é de Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Pernambuco.

 

“A conjuntura política está cada vez mais acirrada, a PEC foi aprovada na câmara sem discussão nenhuma com a sociedade. Por isso, sentimos a necessidade de ampliar a mobilização contra essas medidas”, disse Eblin Farage, presidente da Andes.

 

Segundo Eblin, outras 17 instituições estão com indicativo de greve e devem votar a participação nos próximos dias. Entre elas, está a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) que aprovou indicativo de paralisação para os dias 28 e 29 de novembro. “As universidades já vivem hoje com um corte de gastos severo. A PEC vem para reduzir ainda mais o orçamento que já insuficiente para a manutenção das instituições.”

 

De acordo com Eblin, os docentes também são contrários à “forma e conteúdo” que a reforma do ensino médio foi apresentada pelo governo Temer. “Primeiro, por ter sido uma mudança importantíssima e que querem empurrar sem nenhuma discussão. E segundo, por impactar diretamente nas universidades que formam os professores que dão aulas no ensino médio e que podem não ter mais suas disciplinas como obrigatórias na grade curricular”, disse.

 

No ano passado, docentes e funcionário técnico-administrativos de 48 das 63 universidades federais do País ficaram mais de dois meses em greve contra os cortes orçamentários. A paralisação fez com que o início das aulas do segundo semestre fossem adiadas em algumas unidades e afetou em junho a matrícula dos aprovados no Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que usa a nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

 

Mobilização

 

De acordo com o último levantamento da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes), 223 universidades estão ocupadas no país contra as duas propostas. Também estão ocupadas 393 escolas – no fim de outubro o número passava de mil.

 

Com a pressão para a realização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e pela atuação mais forte das polícias para a desocupação de colégios, a mobilização contra as medidas do governo federal se concentraram nas universidades.

 

Fonte: Estadão Conteúdo


1

A educação para brancos e negros é desigual no Brasil, segundo dados educacionais organizados pelo movimento Todos pela Educação. Os brancos concentram os melhores indicadores, é a população que mais vai à escola e conclui o estudo. São também os que se saem melhor nas avaliações nacionais. Para o movimento, a falta de oferta de uma educação de qualidade é o que aumenta essa desigualdade. O estudo é divulgado hoje (18), dois dias antes do Dia da Consciência Negra, comemorado em 20 de novembro.

 

Os negros, soma daqueles que se declaram pretos e pardos, pelos critérios do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), são maioria da população brasileira, 52,9%. Essa população, no entanto, ganha menos da média do país, que é R$ 1.012,25, segundo dados do IBGE de 2014. Entre os negros, a média de renda familiar per capita é 753,69 entre os pretos e R$ 729,50, entre os pardos. Os brancos têm renda média de R$ 1.334,30.

 

Os dados seguem apontando a desigualdade, o desemprego é maior entre os pretos (7,5%) e pardos (6,8%) que entre os brancos (5,1%). O trabalho infantil, maior entre pardos (7,6%) e pretos (6,5%), que entre brancos (5,4%).

 

As desigualdades sociais são reforçadas na educação.  A taxa de analfabetismo é 11,2% entre os pretos; 11,1% entre os pardos; e, 5% entre os brancos. Até os 14 anos, as taxas de frequência escolar têm pequenas variações entre as populações, o acesso é semelhante à escola. No entanto, a partir dos 15 anos, as diferenças ficam maiores. Enquanto, entre os brancos, 70,7% dos adolescentes de 15 a 17 anos estão no ensino médio, etapa adequada à idade, entre os pretos esse índice cai para 55,5% e entre os pardos, 55,3%.

No terceiro ano do ensino médio, no final da educação básica, a diferença aumenta: 38% dos brancos; 21% dos pardos; e, 20,3% dos pretos têm o aprendizado adequado em português. Em matemática, 15,1% dos brancos; 5,8% dos pardos e 4,3% dos pretos têm o aprendizado adequado.

 

Em entrevista à Agência Brasil, a presidente executiva do movimento Todos Pela Educação, Priscila Cruz, diz que os indicadores são resultado de uma educação de baixa qualidade que não é capaz de fazer com que os estudantes superem as diferenças sociais. Segundo ela, os estudantes mais vulneráveis têm também acesso a escolas com as piores infraestruturas e ensino.

 

Leia a seguir os principais trechos da entrevista:

 

Agência Brasil - O que esses dados nos mostram?
Priscila Cruz - Não adianta só a gente ter o diagnóstico de que o país é desigual e que a oferta da educação é desigual, a gente precisa começar a pensar em estratégias para que isso seja resolvido pela política pública porque o que esse estudo mostra é que existe uma baixíssima mobilidade educacional. A chance de um filho de pais analfabetos continuar analfabeto é muito grande e isso é mais forte na população negra. Então, se a gente tem uma dívida histórica com a população negra, não basta só ter direitos iguais, não adianta a gente só dar direitos iguais a negros e pardos, a gente tem que ter políticas específicas na educação básica.

 

Agência Brasil - Quais seriam essas políticas?
Priscila Cruz - A gente tem que dar as melhores escolas para a população negra e parda, porque ela só vai conseguir romper o ciclo de exclusão e pobreza que estão presas há gerações com política pública específica. Não adianta ter diploma, é a qualidade que vai importar. Para conseguir qualidade, o estado tem que dar muito mais para a população historicamente excluída. Ainda tem um imaginário no Brasil muito forte de exclusão em relação aos negros. A gente naturaliza que o negro vai estudar em uma escola pior do que o aluno branco de uma renda maior. A gente precisa desnaturalizar isso. Para os negros, a gente tem que ter escolas com os melhores professores, melhor formados, investimento maior, apoio técnico das secretarias e governos. Essa é a lógica que a gente tem que instaurar no Brasil se a gente quiser reduzir desigualdade.

 

Agência Brasil - Seria investir mais naqueles que têm piores resultados. O inverso de uma política por mérito?
Priscila Cruz - Mérito é quando você está comparando dois pontos de partida iguais. A gente está dizendo o seguinte, que têm alunos que, em uma corrida de 100 metros, partem dos 50 metros; têm alunos que partem do zero. O dado de que um chega mais rapidamente no ponto de chegada que os outros não é porque tiveram as mesmas condições, é porque tiveram condições diferentes. A gente só começa a levar em consideração o mérito na hora de premiar, de dar melhores condições, quando se chega no mesmo patamar.

 

Por Mariana Tokarnia

Da Agência Brasil


No último sábado (18 de junho) um importante encontro social e filantrópico foi realizado com absoluto sucesso em Rio Claro. O evento reuniu diversas entidades civis dos mais diversos segmentos, como filantropia, ongs sem fins lucrativos, preservação ambiental e do patrimônio, proteção aos animais e outras, pautando expediente de extrema relevância e fundamental interesse geral pelo bem comum da coletividade rioclarense. O I Fórum das Entidades Civis de Rio Claro foi realizado na Casa de Nossa Senhora.
Edi Conceição Cristofoletti de Pilla, Dra. Chrystiane Castellucci Fermino (OAB - Ordem dos Advogados do Brasil - Subseção Piracicaba), e Kaly Castellucci.

Edi Conceição Cristofoletti de Pilla, Dra. Chrystiane Castellucci Fermino (OAB – Ordem dos Advogados do Brasil – Subseção Piracicaba), e Kaly Castellucci.

Leila M. Duckur Pizzotti, Diretora da Agência Interativa Nautilus Publicidade e da Revista Eletrônica Rio Claro Online, e Dra. Maira Fernanda Bento Beltrame (Secretária Adjunta da OAB - Ordem dos Advogados do Brasil Subseção Rio Claro, e advogada da UPARC – União Protetora dos Animais de Rio Claro).

Leila M. Duckur Pizzotti, Diretora da Agência Interativa Nautilus Publicidade e da Revista Eletrônica Rio Claro Online, e Dra. Maira Fernanda Bento Beltrame (Secretária Adjunta da OAB – Ordem dos Advogados do Brasil Subseção Rio Claro, e advogada da UPARC – União Protetora dos Animais de Rio Claro).

Dra. Chrystiane Castellucci Fermino (OAB - Ordem dos Advogados do Brasil -  Subseção Piracicaba)

Dra. Chrystiane Castellucci Fermino (OAB – Ordem dos Advogados do Brasil – Subseção Piracicaba)

Leila M. Duckur Pizzotti (representando o Movimento LGBT de Rio Claro, Nautilus Publicidade e a Rio Claro Online), e Claudio Roberto Pereira (Presidente da Associação Chácara dos Pretos).

Leila M. Duckur Pizzotti (representando o Movimento LGBT de Rio Claro, Nautilus Publicidade e a Rio Claro Online), e Claudio Roberto Pereira (Presidente da Associação Chácara dos Pretos).

A sempre presente e dinâmica Irmã Judithe Maria Rodrigues, que na Coordenação da Casa de N.Senhora muito apoiou e incentivou os organizadores do evento.

A sempre presente e dinâmica Irmã Judithe Maria Rodrigues, que na Coordenação da Casa de N.Senhora muito apoiou e incentivou os organizadores do evento.

A cobertura jornalística desse histórico evento foi realizada por João Baptista Pimentel Junior, editor da Rede Cidade Livre Comunicação Comunitária, Editor na empresa Diálogos do Sul e Produtor Executivo na empresa CREC - CINEVÍDEO Roberto Palmari, Eber Novo também da Rede Cidade Livre, e pelos profissionais Michael Edward Willis e Isabella Argento da Willis Fotografia, Giovana C. Sampaio da Nautilus Publicidade e Revista Eletrônica Rio Claro Online, e o fotógrafo Lauriel Luiz Claro. Crédito das Fotos: Michael Edward Willis e Isabella Argento da Willis Fotografia

A cobertura jornalística desse histórico evento foi realizada por João Baptista Pimentel Junior, editor da Rede Cidade Livre Comunicação Comunitária, Editor na empresa Diálogos do Sul e Produtor Executivo na empresa CREC – CINEVÍDEO Roberto Palmari, Eber Novo também da Rede Cidade Livre, e pelos profissionais Michael Edward Willis e Isabella Argento da Willis Fotografia, Giovana C. Sampaio da Nautilus Publicidade e Revista Eletrônica Rio Claro Online, e o fotógrafo Lauriel Luiz Claro.
Crédito das Fotos:
Michael Edward Willis e Isabella Argento da Willis Fotografia

Leila M. Duckur Pizzotti, Diretora da Agência Interativa Nautilus Publicidade e da Revista Eletrônica Rio Claro Online, e uma das principais organizadoras do evento. Leila e sua equipe vem dando apoio voluntário e logístico nas áreas de Marketing, Comunicação e Divulgação e disponibilizando consultoria voluntária e gratuita as entidades beneficentes.

Leila M. Duckur Pizzotti, Diretora da Agência Interativa Nautilus Publicidade e da Revista Eletrônica Rio Claro Online, e uma das principais organizadoras do evento. Leila e sua equipe vem dando apoio voluntário e logístico nas áreas de Marketing, Comunicação e Divulgação e disponibilizando consultoria voluntária e gratuita as entidades beneficentes.

Adriana Codo Ricardo e irmã Judithe Maria Rodrigues (Casa de Nossa Senhora).

Adriana Codo Ricardo e irmã Judithe Maria Rodrigues (Casa de Nossa Senhora).

Maria Cristina Schmidt e Michele Crespo (UPARC – União Protetora dos Animais de Rio Claro)

Maria Cristina Schmidt e Michele Crespo (UPARC – União Protetora dos Animais de Rio Claro)

Thamires Meira Rodrigues (GACC - Grupo de Apoio às Crianças com Câncer).

Thamires Meira Rodrigues (GACC – Grupo de Apoio às Crianças com Câncer).

Airton Moreira Junior

Airton Moreira Junior

Mirieli Gracini Oliveira (Hospedaria de Emaús)

Mirieli Gracini Oliveira (Hospedaria de Emaús)

Victoria Alejandra Hiriart, sempre presente e uma das principais organizadoras do evento, no contato com as entidades civis e junto aos apoiadores com os amigos Aline Rossi da “Valentina Salgados” e Carlos e Sarita Trost da “Quero Bolo”.

Victoria Alejandra Hiriart, sempre presente e uma das principais organizadoras do evento, no contato com as entidades civis e junto aos apoiadores com os amigos Aline Rossi da “Valentina Salgados” e Carlos e Sarita Trost da “Quero Bolo”.

O I Fórum das Entidades Civis de Rio Claro foi criado e realizado por iniciativa de Jenyberto Pizzotti, presidente da Sociedade do Bem Comum de Rio Claro, e integrante do NAPEC – Grupo de Apoio as Entidades Civis da CDH – Comissão de Direitos Humanos da 4ª Subseção da OAB/SP.

O I Fórum das Entidades Civis de Rio Claro foi criado e realizado por iniciativa de Jenyberto Pizzotti, presidente da Sociedade do Bem Comum de Rio Claro, e integrante do NAPEC – Grupo de Apoio as Entidades Civis da CDH – Comissão de Direitos Humanos da 4ª Subseção da OAB/SP.

Giovana C. Sampaio da Nautilus Publicidade e Revista Eletrônica Rio Claro Online, e representando o Movimento LGBT de Rio Claro.

Giovana C. Sampaio da Nautilus Publicidade e Revista Eletrônica Rio Claro Online, e representando o Movimento LGBT de Rio Claro.

forum_107

Dra. Chrystiane Castellucci Fermino (OAB – Ordem dos Advogados do Brasil – Subseção Piracicaba)

forum_103

Leila M. Duckur Pizzotti, Diretora da Agência Interativa Nautilus Publicidade e da Revista Eletrônica Rio Claro Online, e Dra. Maira Fernanda Bento Beltrame (Secretária Adjunta da OAB – Ordem dos Advogados do Brasil Subseção Rio Claro, e advogada da UPARC – União Protetora dos Animais de Rio Claro).

forum_112

A sempre presente e dinâmica Irmã Judithe Maria Rodrigues, que na Coordenação da Casa de N.Senhora muito apoiou e incentivou os organizadores do evento.

forum_104 forum_108 forum_117

Escritora Elisandra Pauleli, autora do projeto “Faça Amizades, Bullying Não”, Rosa Rosangela Perinetti Cruz (Projeto Ambiental Amor Verde), vereador José Júlio Lopes de Abreu e o psicopedagogo Jucá Júlio Sanchez Trindade.

Escritora Elisandra Pauleli, autora do projeto “Faça Amizades, Bullying Não”, Rosa Rosangela Perinetti Cruz (Projeto Ambiental Amor Verde), vereador José Júlio Lopes de Abreu e o psicopedagogo Jucá Júlio Sanchez Trindade.

I FÓRUM DAS ENTIDADES CIVIS DE RIO CLARO

 

No último sábado (18 de junho) um importante encontro social e filantrópico foi realizado com absoluto sucesso em Rio Claro. O evento reuniu diversas entidades civis dos mais diversos segmentos, como filantropia, ongs sem fins lucrativos, preservação ambiental e do patrimônio, proteção aos animais e outras, pautando expediente de extrema relevância e fundamental interesse geral pelo bem comum da coletividade rioclarense. O I Fórum das Entidades Civis de Rio Claro foi realizado na Casa de Nossa Senhora.

No último sábado (18 de junho) um importante encontro social e filantrópico foi realizado com absoluto sucesso em Rio Claro. O evento reuniu diversas entidades civis dos mais diversos segmentos, como filantropia, ongs sem fins lucrativos, preservação ambiental e do patrimônio, proteção aos animais e outras, pautando expediente de extrema relevância e fundamental interesse geral pelo bem comum da coletividade rioclarense. O I Fórum das Entidades Civis de Rio Claro foi realizado na Casa de Nossa Senhora.

O I Fórum das Entidades Civis de Rio Claro foi criado e realizado por iniciativa de Jenyberto Pizzotti, presidente da Sociedade do Bem Comum de Rio Claro, e contou com a organização e apoio da Agência Interativa Nautilus Publicidade, da Revista Eletrônica Rio Claro Online, e recebeu total apoio do NAPEC – Núcleo de Apoio e Proteção às Entidades Civis, órgão da CDH – Comissão de Direitos Humanos da 4ª Subseção da OAB/SP, comissão essa presidida pelo Dr. Orlando de Pilla Filho, uma das maiores autoridades no país na área dos Direitos Humanos.

O I Fórum das Entidades Civis de Rio Claro foi criado e realizado por iniciativa de Jenyberto Pizzotti, presidente da Sociedade do Bem Comum de Rio Claro, e contou com a organização e apoio da Agência Interativa Nautilus Publicidade, da Revista Eletrônica Rio Claro Online, e recebeu total apoio do NAPEC – Núcleo de Apoio e Proteção às Entidades Civis, órgão da CDH – Comissão de Direitos Humanos da 4ª Subseção da OAB/SP, comissão essa presidida pelo Dr. Orlando de Pilla Filho, uma das maiores autoridades no país na área dos Direitos Humanos.

Com a realização do I Fórum das Entidades Civis de Rio Claro, foi também disponibilizado as entidades civis, o apoio irrestrito do NAPEC – Grupo de Apoio as Entidades Civis da CDH/OAB, na área dos Direitos Humanos, e o apoio voluntário e logístico nas áreas de Comunicação, através da Agência Interativa Nautilus Publicidade com sua diretora Leila Duckur Pizzotti e sua equipe de Marketing.

Com a realização do I Fórum das Entidades Civis de Rio Claro, foi também disponibilizado as entidades civis, o apoio irrestrito do NAPEC – Grupo de Apoio as Entidades Civis da CDH/OAB, na área dos Direitos Humanos, e o apoio voluntário e logístico nas áreas de Comunicação, através da Agência Interativa Nautilus Publicidade com sua diretora Leila Duckur Pizzotti e sua equipe de Marketing.

As apresentações e levantamento de informações e necessidades das entidades obtidas no Fórum, serão apresentadas com maior detalhamento na realização do CONGENUS (Convenção Geral dos Núcleos), evento realizado anualmente pela Comissão de Direitos Humanos da OAB, que será realizado em agosto próximo. Na foto, o Dr. Orlando de Pilla Filho.

As apresentações e levantamento de informações e necessidades das entidades obtidas no Fórum, serão apresentadas com maior detalhamento na realização do CONGENUS (Convenção Geral dos Núcleos), evento realizado anualmente pela Comissão de Direitos Humanos da OAB, que será realizado em agosto próximo. Na foto, o Dr. Orlando de Pilla Filho.

Os objetivos que se esperou alcançar com a realização desse I Fórum foi identificar, aproximar e conectar as entidades civis de Rio Claro para que, através de um processo de sinergia, pudessem expor suas atividades, realizações, dificuldades e necessidades, e nessa troca de informações e experiências, buscar juntas a potencialização de seus mecanismos de comunicação e busca de maiores e melhores recursos junto à população e aos poderes públicos. Na foto, o Dr. Orlando de Pilla Filho.

Os objetivos que se esperou alcançar com a realização desse I Fórum foi identificar, aproximar e conectar as entidades civis de Rio Claro para que, através de um processo de sinergia, pudessem expor suas atividades, realizações, dificuldades e necessidades, e nessa troca de informações e experiências, buscar juntas a potencialização de seus mecanismos de comunicação e busca de maiores e melhores recursos junto à população e aos poderes públicos. Na foto, o Dr. Orlando de Pilla Filho.

Regina Claret Kapp dos Santos (Associação Pastoral de Assistência Social N. Senhora Aparecida), Sonia Maria Bastos Buchdid e Renata Claro de Oliveira (APAE – Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais).

Regina Claret Kapp dos Santos (Associação Pastoral de Assistência Social N. Senhora Aparecida), Sonia Maria Bastos Buchdid e Renata Claro de Oliveira (APAE – Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais).

Moçada da AJA – Associação da Juventude Ativa – sempre presentes (Kauan Alves Talarico, Juliana Negruzzi, Aline Magalhães, Ronaldo Henrique do Monte, Leonardo Augusto Bernardo).

Moçada da AJA – Associação da Juventude Ativa – sempre presentes (Kauan Alves Talarico, Juliana Negruzzi, Aline Magalhães, Ronaldo Henrique do Monte, Leonardo Augusto Bernardo).

Claudio Roberto Pereira (Associação Chácara dos Pretos), e Dr. Juarez Vicente de Carvalho (OAB - Ordem dos Advogados do Brasil Subseção Rio Claro)

Claudio Roberto Pereira (Associação Chácara dos Pretos), e Dr. Juarez Vicente de Carvalho (OAB – Ordem dos Advogados do Brasil Subseção Rio Claro)

Juarez, Pilla, Edi Dr. Juarez Vicente de Carvalho (OAB - Ordem dos Advogados do Brasil Subseção Rio Claro) e Dr. Orlando de Pilla Filho (Presidente da CDH – Comissão de Direitos Humanos da 4ª Subseção da OAB/SP) e sua esposa Edi Conceição Cristofoletti de Pilla

Juarez, Pilla, Edi Dr. Juarez Vicente de Carvalho (OAB – Ordem dos Advogados do Brasil Subseção Rio Claro) e Dr. Orlando de Pilla Filho (Presidente da CDH – Comissão de Direitos Humanos da 4ª Subseção da OAB/SP) e sua esposa Edi Conceição Cristofoletti de Pilla

Heitor Roberto Tommasini, Regina Claret Kapp dos Santos (Associação Pastoral de Assistência Social N. Senhora Aparecida), Sonia Maria Bastos Buchdid e Renata Claro de Oliveira (APAE – Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais), e Jessica Moraes Silva.

Heitor Roberto Tommasini, Regina Claret Kapp dos Santos (Associação Pastoral de Assistência Social N. Senhora Aparecida), Sonia Maria Bastos Buchdid e Renata Claro de Oliveira (APAE – Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais), e Jessica Moraes Silva.

Victoria Alejandra Hiriart criadora e coordenadora do Grupo “Informando e Salvando Vidas – Epidemias” e do Grupo “Ongs e Entidades Civis de Rio Claro”.

Victoria Alejandra Hiriart criadora e coordenadora do Grupo “Informando e Salvando Vidas – Epidemias” e do Grupo “Ongs e Entidades Civis de Rio Claro”.

Dr. Sérgio Santoro (DEFCON – Instituto de Defesa do Consumidor) e Airton Moreira Junior.

Dr. Sérgio Santoro (DEFCON – Instituto de Defesa do Consumidor) e Airton Moreira Junior.

 


II Torneio Monely

A equipe de basquete feminino da UNESP de Rio Claro estará participando do “II Torneio Monely de Basquete Feminino”.

O Torneio será no formato de quadrangular e tem por intuito incentivar e promover o basquete feminino, que como todos sabem vem passando por uma fase bastante negativa. De uma forma totalmente harmoniosa pretendemos mais uma vez reunir quadro equipes para celebrar essa modalidade que nos da tanto orgulho de fazer parte.

O Quadrangular será dia 31/05/2015, no Ginásio Poliesportivo da UNESP-RC (Av.24A, 1515 – Jd. Bela Vista, Rio Claro), com início as 9h (e término previsto para as 14h).

As quatro equipes participantes serão:

UNESP RC
LEU (Liga das Engenharias da UNICAMP)
UFSCAR
ITUPEVA

Contamos com a presença de todos que puderem prestigiar nossa equipe nesse dia, será um prazer imenso poder difundir nossa modalidade a população.

A entrada será franca.

Apoio: Monely Calçados - http://www.monely.com.br/

A.A.A. Ayrton Senna da Silva – https://www.facebook.com/pages/Associa%C3%A7%C3%A3o-Atl%C3%A9tica-Acad%C3%AAmica-Ayrton-Senna-da-Silva/161977323848154?fref=ts

Evento:https://www.facebook.com/events/1644815412417587/

Equipe Basquete F. UNESP RC

 

 


juntos

Na primeira semana de maio de 2015, 31 estudantes da UNESP de Rio Claro passaram a ser sindicados por terem ocupado o prédio do Instituto de Biociências no começo do ano passado. O Instituto é o responsável por administrar a assistência estudantil e as bolsas de extensão para os alunos do campus e, no ano passado, passou a dificultar o acesso dos estudantes carentes a esses recursos. Diante da moradia superlotada, a diminuição do auxílio e a falta de interesse dos administradores em dialogar com os estudantes para resolver o problema, a ocupação teve início e foi prontamente reprimida dias depois com a reintegração de posse promovida pela PM. Mais de um ano depois, a sindicância sem critério atinge alunos que estão ainda no primeiro ano de universidade, alem da bestialidade inacreditável de acusar os alunos de “crimes” como “portar cópia do manifesto do partido comunista”.

O estado que aprofunda cada dia mais o corte de investimentos na educação pública superior e básica é o mesmo estado que criminaliza professores e estudantes. A perseguição política ao movimento estudantil é inaceitável e não passará!

O Juntos, que no ano passado apoiou a ocupação, agora se solidariza com os 31 estudantes perseguidos politicamente, e se disponibiliza uma vez mais para se somar na luta dos estudantes da UNESP por menos cortes e mais direitos.

 

Fonte: juntos.org.br


885590_429825517098610_479035780_o

No último feriado (de 18 a 21 de abril) as modalidades esportivas da UNESP de Rio Claro participaram da Copa Universitária Paulista (CUPA).
A classificação geral terminou da seguinte forma:
1º CAASO-USP

2º LEU-UNICAMP

3º EEL-USP

4º UNESP Rio Claro

5º EEFE-USP

6º FFLCH-USP

Destaque para as equipes de: Basquete feminino, Handebol feminino, Rugby feminino, Tênis de mesa feminino e Atletismo feminino e masculino da nossa Universidade que conseguiram conquistar medalhas de ouro.

Em nome de todos os atletas que participaram do CUPA, nosso muito obrigado pela confiança e pelo apoio a nossas equipes. Muitos de vocês nos ajudaram financeiramente através dos “pedágios” que realizamos na semana que antecedeu o campeonato e os que não puderam ajudar com alguma quantia em dinheiro passavam e transmitiam mensagens de incentivo e de torcida.

Em respeito e  consideração a todos vocês foi que vim dar esse “feedback” de nossos resultados.

Esperamos que essa saudável parceria em prol do esporte se fortaleça cada vez mais.

10670042_911704452202638_428700529089071551_n

Medalha CUPA

 

Basquete feminino campeãs do CUPA

Basquete feminino campeãs do CUPA

Handebol feminino campeãs do CUPA

Handebol feminino campeãs do CUPA


Copa Universitária Paulista

Nos dias 18 a 21 de abril, inicia a CUPA (Copa Universitária Paulista), competição poliesportiva entre as Atléticas Acadêmicas LEU-UNICAMP, CAASO-USP, EEFE-USP, EEL-USP, FFLCH-USP e a UNESP RIO CLARO.
Desde de janeiro as todas as modalidades esportivas da UNESP RIO CLARO veem trabalhando forte para se preparar para a primeira competição do ano.
As equipes da nossa universidade são compostas por atletas universitários, onde todos tem vínculo com a mesma. Ninguém, nem os atletas nem as comissões técnicas tem algum vínculo empregatício ou recebem algo para integrarem as equipes.

Como acontece em qualquer competição é preciso que se pague uma taxa de inscrição, no CUPA não é diferente,  e para isso os atletas veem realizando diversos tipos de atividades para levantar dinheiro, e contam com a colaboração de toda população rio clarense e principalmente aqueles que gostam de esportes.

Lembrando que esse dinheiro não será destinado a nenhuma festa, “trote” ou algo do gênero, a finalidade é única e exclusiva para que os atletas consigam participar desse campeonato (mesmo que nesse evento tenham festas nossos atletas irão apenas para participar da parte esportiva).
Quem quiser e puder ajudar, durante essa semana alguns atletas estarão fazendo o tradicional “pedágio” pelas ruas da cidade.

Quem tiver algum estabelecimento e tiver o interesse de estar em parceria com as equipes também seria uma contribuição muitíssimo valiosa.

Mas, pra você que não pode doar nenhum valor em dinheiro, sua torcida para nossas equipes já é uma hiper ajuda. Ficamos felizes em ter o apoio dos rio clarenses!

As equipes da nossa universidade exibem uma qualidade impressionante, ainda mais quando pensamos que são equipes independentes, sem apoio algum. Esse é um trabalho que a muito tempo não se vê no esporte, é um trabalho de quem o faz por paixão.

Para quem tiver interesse de conhecer melhor nossas modalidades esportivas, todas as noites de segunda a quinta-feira há treinos nas quadras da UNESP.

Desde já, agradecemos a sua torcida e esperamos estreitar os laços entre a população da nossa cidade e nossos times, já que através do esporte sempre podemos esperar algo de positivo.

885590_429825517098610_479035780_oGlobal esportes

Maiores informações: 19 997012137 – Dryelli

https://www.facebook.com/atletica.ayrtonsenna

https://www.facebook.com/pages/CUPA/759742560761675?fref=photo

https://www.facebook.com/GlobalEsportes


professores em greve

Carta aos pais, alunos e familiares sobre a greve dos professores da rede estadual:

Professores(as) do estado de São Paulo decretaram, em Assembleia realizada dia 13 de março, greve por tempo indeterminado, até que o governo aceite dialogar e atender as exigências da categoria. Fazemos greve não porque não gostamos de trabalhar. Os professores em greve, mesmo tendo família e contas a pagar, correm o risco de não receber salário no próximo mês porque acreditam que é necessário lutar para que tenhamos, de fato, uma Escola Pública de qualidade. Esta vem sofrendo uma série de ataques do governo estadual, sob o comando do governador Geraldo Alckmin, que tem tornado cada vez mais precária a situação educacional. Isso tem impacto direto e negativo sobre os alunos(as), que frequentam, por exemplo, salas lotadas, sem recursos suficientes para que as aulas sejam desenvolvidas de maneira mais adequada e para que o aprendizado realmente aconteça.

Outros ataques do governo que não vamos aceitar: demissão de mais de 23 mil professores contratados (chamados de temporários ou categoria O), que são mandados para o olho da rua no final de cada ano letivo e são impedidos de pegar aulas por 200 dias corridos, para não criarem “vínculo” empregatício com o Estado e precisam fazer bicos para sustentar a família; corte de verbas para suprimentos básicos, como material de escritório (tal como cartuchos de impressora, papel sulfite e, pasmem, até materiais de limpeza); fechamento de mais de 3.390 salas, ocorrendo ao mesmo tempo lotação das que ficaram e piora das condições de trabalho do professor, que precisará trabalhar em várias escolas para completar sua carga horária.

Queremos respeito, dignidade e equiparação salarial com os demais profissionais com formação de nível superior, como determina o Plano Nacional de Educação (2014). Isto significa um plano para um aumento de 75,33% que é o índice que permite esta equiparação. O que o governador oferece? Em 2015, nada! Reajuste zero. Não aceitaremos essa falta de respeito. Por isso, pedimos seu apoio.

Por ano, cerca de 3.000 professores estaduais abandonam as salas de aula por causa das péssimas condições de trabalho e falta de perspectivas de melhorias. Muitos profissionais têm perdido o encanto por essa profissão pelo fato de ela estar sendo sistematicamente destruída pelo governo estadual. Seu filho merece uma escola pública de qualidade, como manda a Constituição. É um direito básico que precisa ser garantido.

Será dito que as aulas estão acontecendo “normalmente”. Não é verdade. O governo orientou os diretores a colocarem professores eventuais para substituir os grevistas. Isto é desrespeitar um direito do professor e enganar a sociedade como um todo. O professor eventual, embora precise trabalhar, vai assumir qualquer disciplina, independente de sua área de formação. Na falta desse profissional, a orientação é distribuir os alunos em outras salas que estejam tendo aula, superlotando-as ainda mais. Será que o governador colocaria seus filhos na escola pública nas condições em que ela está? Isso não é ensino de qualidade. Precisamos somar esforços para construirmos uma educação mais justa e igualitária, o que só será possível se estivermos organizados para cobrar que os governantes cumpram sua parte.

Professores em Greve de Rio Claro


boa ideia

games

 

Em nossa loja você revê os clássicos dos clássicos com espaço personalizado. Venha nos visitar e jogar todos os clássicos do Super Nintendo, Mega Drive, Arcade, ATARI e muito mais. Contamos com uma área exclusiva para jogar por tempo em vários consoles, além dos tradicionais X BOX E PLAYSTATION. ;)

 

boa ideia


educação

Momentos da história do Brasil em que os estudantes marcaram presença!

 

educação

 A juventude sempre cumpriu – e cumpre – um papel importante na História dos povos. No Brasil, também é assim. Selecionamos alguns momentos importantes em que os estudantes organizados se posicionaram, defendendo os direitos de nossa sociedade, transformando a realidade em que viviam e contribuindo ativamente na construção de um país melhor. E fizeram História.

1710 - Quando mais de mil soldados franceses invadiram o Rio de Janeiro, uma multidão de jovens estudantes de conventos e colégios religiosos enfrentou os invasores, vencendo-os e expulsando-os.

1786 – Doze estudantes brasileiros residentes no exterior fundaram um clube secreto para lutar pela Independência do Brasil. Alguns estudantes desempenharam papel fundamental para o acontecimento da Inconfidência Mineira.

1827 - Foi fundada a primeira faculdade brasileira, a Faculdade de Direito do Largo São Francisco. Este foi o primeiro passo para o desenvolvimento do movimento estudantil, que logo integrou as campanhas pela Abolição da Escravatura e pela Proclamação da República.

1897 - Estudantes da Faculdade de Direito da Bahia divulgaram, através de um documento escrito, as atrocidades ocorridas em Canudos (BA).

1901 - Fundação da Federação de Estudantes Brasileiros, que iniciou o processo de organização dos estudantes em entidades representativas.

1914 - Estudantes tiveram participação significativa na Campanha Civilista de Rui Barbosa, ocorrida em meados do século 20, e na Campanha Nacionalista de Olavo Bilac, promovida durante a 1ª Guerra Mundial.

1932 – A morte de quatro estudantes (MMDC – Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo) inspirou a revolta que eclodiu na insurreição de São Paulo contra o Governo Central (Revolução Constitucionalista).

1937 - Criação da União Nacional dos Estudantes (UNE), a entidade brasileira representativa dos estudantes universitários.

1952 – Primeiro Congresso Interamericano de Estudantes, no qual se organizou a campanha pela criação da Petrobrás – “O Petróleo é Nosso”.

1963/64 – Os estudantes foram responsáveis por um dos mais importantes momentos de agitação cultural da história do país. Era a época do Centro Popular de Cultura (CPC) da UNE, que produziu filmes, peças de teatro, músicas, livros e teve uma influência, que perdura até os dias de hoje, sobre toda uma geração.

1964 – Em 1º de abril, o Golpe Militar derrubou o presidente João Goulart. A partir daí foi instituída a ditadura militar no Brasil, que durou até o ano de 1985. Neste período as eleições eram indiretas, sem participação direta da população no processo de escolha de presidente e outros representantes políticos.

Os estudantes formavam uma resistência contra o regime militar, expressando-se por meio de jornais clandestinos, músicas e manifestações, apesar da intensa repressão.

1968 – Em março, morre o estudante Edson Luís, assassinado por policiais no restaurante Calabouço, no Rio de Janeiro. No congresso da UNE, em Ibiúna, os estudantes reuniram-se para discutir alternativas à ditadura militar. Houve invasão da polícia, muitos estudantes foram presos, mortos ou desapareceram, evidenciando a repressão e a restrição à liberdade de expressão que eram características desse período. Em junho deste ano ocorre a passeata dos Cem Mil, que reuniu artistas, estudantes, jornalistas e a população em geral, em manifesto contra os abusos dos militares.

Em dezembro, durante o governo do general Arthur da Costa e Silva, foi assinado e decretado o Ato Institucional número 5 (AI-5) que cassou a liberdade individual, acabando com a garantia de Habeas Corpus da população.

O que é HABEAS CORPUS? É o instrumento de defesa contra atos arbitrários que ferem o direito de ir e vir de cada indivíduo.

1979 – As entidades estudantis começam a ser reativadas. Acontece a primeira eleição por voto direto na história da UNE, quando é eleito o presidente baiano Rui César Costa e Silva.

1984 - “1,2,3,4,5 mil. Queremos eleger o presidente do Brasil!!!” Diretas Já! – movimento da população, com participação fundamental dos estudantes e dos políticos progressistas, para a volta das eleições diretas para presidente no Brasil. O congresso votou a favor das eleições indiretas e Tancredo Neves foi nomeado presidente para o próximo mandato (a partir de 1985). Ficou decidido que as próximas eleições, em 1989, seriam diretas. Depois de 34 anos de eleições indiretas Fernando Collor de Melo é eleito presidente.

1992 – Acontecem sucessivas manifestações nas ruas contra a corrupção no governo, dando início ao movimento de estudantes chamado Caras Pintadas, que resultou no Impeachment do então Presidente da República, Fernando Collor de Melo.

O que é IMPEACHMENT? É a cassação do mandato do presidente – ou outro cargo executivo – por razões de conduta que não estejam de acordo com a lei.

Instituto Sou da Paz
Fonte: Caderno Grêmio em Forma, do Instituto Sou da Paz.

Revista Colaborativa

O seu maior objetivo é diminuir as distâncias geográficas e de estilos de vidas para um caminho mais rápido ao alcance do conhecimento, divulgar ideias, movimentos, e ações através de uma nova mídia colaborativa na cidade, com informações de causa social, uma revista eletrônica que tem como público alvo internautas com médio e alto potencial ideológico e de consumo para interagir e desenvolver a sua própria subsistência em diversas esferas da comunidade para o bem comum.